Seguir o O MINHO

Famalicão

Empresa de reciclagem de desperdícios têxteis de Famalicão investe 2 milhões em nova linha

em

Foto: Sasia

Uma empresa dedicada à reciclagem de desperdícios de indústria têxtil em Vila Nova de Famalicão investiu dois milhões de euros numa “nova e moderna” linha que vai aumentar a sua capacidade produtiva, disse hoje a autarquia famalicense.

Em comunicado enviado à Lusa, a câmara de Famalicão explica que a Sasia além do aumento da capacidade produtiva, em 20% vai também “melhor a eficiência energética” com a nova estrutura.

“Esta nova linha de reciclagem entrou em funcionamento no início deste mês de dezembro e não contou com qualquer financiamento comunitário”, adianta o texto.

A Sasia, fundada em 1952, dedica-se à reciclagem de desperdícios da indústria têxtil, transformando-os em ramas e conta com cinco linhas de reciclagem em Ribeirão, Vila Nova de Famalicão.

Foto: Sasia

A unidade fabril, que ocupa 15 mil metros quadrados e emprega 30 trabalhadores, em três turnos.

“Importamos de todo o mundo América Latina e Ásia incluídas, resíduos pré-consumo de algodão ou fibras artificiais que desfibramos e reciclamos em ramas destinadas a segmentos de mercado muito diferentes. Podem ser usadas tanto na construção de pisos e de autoestradas como no fabrico de algodão hidrófilo e colchões, ou como matéria-prima pelas fiações”, explica, no texto, o administrador daquela empresa, Miguel Ribeiro da Silva.

Segundo o responsável, a Sasia tem sido “muito solicitada” a colaborar com o seu ‘know how’ em projetos sustentáveis: “Os consumidores estão cada vez mais preocupados com a escassez de recursos e as empresas procuram corresponder a essa preocupação. A economia circular está na moda, mas nós já somos sustentáveis desde 1952”, sublinha.

A Sasia prevê fechar o exercício de 2018 com um volume de negócios de cinco milhões de euros, dos quais cerca de 50% feito na exportação.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Famalicão

Trinta e nove finalistas vão ‘lutar’ para vencer o Festival de Vídeo Ecológico de Famalicão

Cerca de 500 projetos de 19 países concorreram ao festival

em

Foto: CM Famalicão

Participantes dos quatro cantos do mundo do Burundi à Índia, do Brasil à Colômbia, da França à Irlanda, submeteram 500 trabalhos à edição deste ano do Bgreen – Festival de Vídeo Ecológico, cuja grande final decorrerá no dia 07 de junho, em Vila Nova de Famalicão.

O júri terá que apreciar os 39 finalistas para depois escolher os vencedores.

“Grande Prémio Bgreen”, “Bgreen Júnior” “Menção Honrosa”, “Melhor Making-Of”, “Prémio do Público” e “Prémio Alphonse Luisier” são as seis categorias a concurso. Os vencedores serão revelados numa gala de entrada livre que terá lugar no auditório do Parque da Devesa, pelas 21:30.

O festival, promovido pela Escola Profissional Oficina, nesta sua nona edição contou com projetos oriundos de 16 países.

“Blue Home” foi o tema escolhido para a edição deste ano do Bgreen.

Originalidade, inovação, impacto social e ambiental foram alguns dos critérios tidos em conta pelo júri do concurso na pré-seleção dos trabalhos.

Segundo nota municipal, “sensibilizar os jovens estudantes do ensino básico e secundário, com idades compreendidas entre os 13 e os 21 anos, para as questões ambientais é o principal objetivo do Bgreen, que se realiza alternadamente no concelho famalicense e no concelho de Santo Tirso”.

Continuar a ler

Famalicão

Três feridos em choque violento à entrada da A7 em Famalicão

Jovem de 21 anos ferido com gravidade

em

Foto: Facebook de Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Vila Nova de Famalicão

Uma colisão rodoviária na entrada para a Autoestrada (A) 7, em Seide, Vila Nova de Famalicão, deixou três pessoas feridas, esta quinta-feira. O alerta foi recebido cerca das 17:32.

Foto: Facebook de Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Vila Nova de Famalicão

O choque, entre uma carrinha e um automóvel, provocou ferimentos considerados graves no condutor deste último, um jovem de 21 anos que ficou encarcerado, e que foi transportado ao Hospital de Guimarães.

No local estiveram 22 operacionais, apoiados por nove meios de socorro.

A via esteve parcialmente cortada ao trânsito.

A GNR tomou conta da ocorrência.

Continuar a ler

Famalicão

Câmara de Famalicão investe 1,3 milhões de euros em saneamento básico

Nova frente de obras vai beneficiar um total de 18 freguesias

em

Foto: Divulgação

A Câmara de Vila Nova de Famalicão vai investir 1,3 milhões de euros na construção de 25 quilómetros de rede de saneamento básico, que irá passar a abranger cerca de “90% do concelho”.

O investimento, aprovado hoje em reunião do executivo, vai permitir uma total de 660 novas ligações em 18 freguesias.

“É um grande esforço que fazemos na qualidade de vida das pessoas, canalizando um averba significativa do orçamento municipal para as necessidades básicas dos cidadãos”, referiu, no final da reunião, e, declarações aos jornalistas, o presidente da autarquia, Paulo Cunha.

Segundo Paulo Cunha, “com este investimento a rede de saneamento básico do concelho atingirá uma cobertura de 90% do território”.

O autarca salientou que nos últimos anos foi feito “um investimento municipal histórico e sem precedentes no concelho a este nível, uma vez que este tipo de obras deixou de ter enquadramento ao nível dos apoios comunitários, sendo realizado com orçamento 100% municipal”.

No entanto, salientou o responsável, falta realizar o investimento mais caro: “Aquele que diz respeito a zonas com densidade populacional menor e com dificuldade técnica maior, o que faz subir, e muito, o custo por cada quilómetro novo a construir. Mas cada pessoa é uma pessoa e não descansaremos enquanto não atingirmos a cobertura total da rede”, explicou.

As freguesias abrangidas com esta nova frente de rede de saneamento são as União de Freguesias de Mouquim e Lemenhe, União de Freguesias de Cavalões e Outiz, União de Freguesias de Arnoso Santa Eulália, Santa Maria e Sezures, Louro, Vilarinho das Cambas, Fradelos, Ribeirão, União de Freguesias de Famalicão e Calendário, União de Freguesias de Esmeriz e Cabeçudos, União de Freguesias de Vale S. Cosme, Telhado e Portela, União de Freguesias de Ruivães e Novais, Vermoim, Pousada de Saramagos, Requião, Castelões, União de freguesias de Seide e Landim.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Patrocinado

Reportagens da Semana

Populares