Seguir o O MINHO

Cávado

Filha salvou da morte pai esfaqueado pela mulher em Esposende

Julgamento continua esta terça-feira no Tribunal de Braga

em

Foto: Ilustrativa / DR

A filha do homem que terá levado uma facada nas costas da mulher, Eliana Yurlev Henão, de 37 anos, uma colombiana, na casa onde viviam – quando ele dormia – em Marinhas, Esposende, é ouvida esta terça-feira no Tribunal de Braga, na segunda sessão do julgamento.

A jovem, de nome Maria, agora com 18 anos, acudiu ao pai quando este foi atingido pela faca, salvando-o de uma provável morte por perda de sangue: “Ouvi os gritos dele, fui a correr e arranjei uns panos molhados para estancar o sangue que jorrava intensamente”, contou a testemunha ao juiz na fase de inquérito. “ E consegui”.

Esta versão vai ser hoje repetida perante o coletivo de juízes.

Mulher que esfaqueou o marido em Esposende diz que não se lembra do crime

A jovem garante que, ao contrário do que diz a Eliana, foi ela que acordou com os gritos, não tendo sido chamada pela madrasta: “O meu pai deitou tanto sangue que, no final, quando veio a ambulância, eu própria estava ensanguentada da cabeça aos pés”.

A vítima, António Ganas, não pediu nem vai pedir qualquer indemnização pela facada – isto se o coletivo de juízes o der como provado. “A única coisa que quer é que ela o deixe em paz”, disse fonte da família.

“Não tentei matá-lo”

Na primeira sessão, e conforme O MINHO noticiou, a mulher declarou: “Não sei. Não fui eu que o esfaqueei, nem tentei matá-lo”. E, posteriormente, veio a acrescentar que se ‘enrolou’ com o marido numa briga e que este caiu em cima da cama, tendo sido espetado pela faca que ali estaria. Foi esta a versão dada ao Tribunal de Braga pela imigrante colombiana, já naturalizada portuguesa, a qual contou que, na noite do crime, em abril de 2018, discutiu com o marido, o português António Maria Ganas, após ter ido à cozinha beber água e comer uma maçã. Diz ter pegado numa faca para cortar a fruta e ter ido dormir para o quarto em que estava com dois adolescentes, um filho seu e uma jovem de 16 anos, filha dele. Afirmou que não sabe o que sucedeu depois, nem mesmo o destino da faca, só se lembrando de ter acordado os filhos e chamar o 112. Atribuiu as discussões do casal a ciúmes do marido.

Esta versão é desmentida pela vítima que disse a O MINHO que ela o esfaqueou nas costas, enquanto dormia, deixando-lhe uma parte da lâmina, com nove centímetros, no corpo, o que lhe perfurou um pulmão e chegou ao coração. E ainda tentou impedi-lo de respirar. “Mente. Quando foi detida disse à PJ de Braga e ao juiz que me tinha dado uma facada para me matar. Está no processo”, acrescentou.

No final da audiência, a arguida empurrou, deitando-a ao chão, a mãe da vítima, tendo-lhe ainda chamado puta, o que lhe vai valer novo inquérito judicial no Tribunal, tendo como testemunhas alguns jornalistas que presenciaram os factos.

Entretanto, António Ganas disse a O MINHO que apresentou duas outras queixas-crimes contra a mulher, de quem já pediu o divórcio. Diz que, quando saiu do hospital, ela tinha vendido um Audi seu e que os pertences pessoais que tinha em casa desapareceram.

Populares