Seguir o O MINHO

Guimarães

Vitória, Cristiano, Jorge Mendes e Nuno Espírito Santo doam equipamento a Guimarães

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

O Vitória de Guimarães ajudou os cuidados intensivos do Hospital Senhora da Oliveira, em Guimarães, no âmbito da pandemia da covid-19, numa parceria com outros agentes do futebol, confirmou hoje à Lusa fonte oficial do clube.


A iniciativa do emblema da I Liga portuguesa, em conjunto com o treinador Nuno Espírito Santo, que iniciou a carreira de guarda-redes em Guimarães, em 1993, e orienta hoje os ingleses do Wolverhampton, com o jogador Cristiano Ronaldo, da Juventus (Itália), e com o empresário Jorge Mendes, garantiu uma central de monitorização para a nova unidade cuidados intensivos do hospital.

O Hospital Senhora da Oliveira, explicou fonte oficial da instituição do hospital à Lusa, garantiu, com esta ação, oito monitores fixos, oito monitores de transporte e “uma ligação à monitorização central” para a unidade de cuidados intensivos criada no âmbito da pandemia.

“Com este equipamento, um médico pode monitorizar os estados de oito doentes ao mesmo tempo”, explicou.

Os materiais oferecidos, realçou ainda a fonte do hospital, são uma “enorme mais-valia face aos meios atualmente existentes, permitindo otimizar os cuidados médicos prestados aos doentes”.

A iniciativa quadripartida garantiu também equipamento de proteção individual aos profissionais do hospital.

O Hospital Senhora da Oliveira serve, de forma direta, mais de 240.000 pessoas, dos concelhos de Guimarães, Vizela, Fafe, Cabeceiras de Basto e Mondim de Basto.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,2 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 68 mil e recuperaram mais de 238 mil.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, que se encontra em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 17 de abril, já se registaram 311 mortes, mais 16 do que na véspera (+5,4%), e 11.730 casos de infeção confirmados, mais 452 face a domingo (+4%), segundo a atualização de hoje da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Anúncio

Ave

Guimarães requalifica escola por 190 mil euros

Educação

em

Foto: Divulgação / CM Guimarães

As obras de reabilitação da EB1 de Soutelo, na freguesia de Pinheiro, Guimarães, começaram hoje e vão decorrer durante meio ano, num investimento de 190 mil euros, anunciou o município.

O projeto contempla a substituição da cobertura existente no edifício escolar e a construção de acesso coberto ao átrio de receção dos alunos, situado no piso superior.

Engloba ainda a pintura das fachadas e a substituição do piso sintético do parque infantil.

Continuar a ler

Ave

Arguido por maus-tratos a animais disparou contra cão em Guimarães

Crime

em

Foto: GNR

Um homem de 71 anos foi constituído arguido, no sábado, por maus-tratos a animal de companhia, em Pevidém, Guimarães, anunciou a GNR.

Na sequência de diligências, foram-lhe apreendidas armas e aves que não podem estar em cativeiro.

A operação foi desenvolvida pela Secção da Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA).

Em comunicado, a GNR explica que, no seguimento de diligências de inquérito, que decorriam há quatro meses, os militares apuraram que o suspeito foi ouvido a fazer disparos de uma arma de fogo contra um cão.

Uma das aves apreendidas. Foto: GNR

Na sequência da investigação, foi dado cumprimento a um mandado de busca domiciliária que permitiu apreender armas e munições, bem como detetar aves que não podem estar em cativeiro.

Foram elaborados três autos de contraordenação por posse ilegal de espécies autóctones e cinegéticas.

No total, a GNR apreendeu uma espingarda de caça calibre 12, uma arma de ar comprimido, 88 munições calibre 12, 50 chumbos (4,5 mm); três gaios Garrulus glandarius, dois melros Turdus merula e duas pegas Pica pica.

Os factos foram comunicados ao Tribunal Judicial de Guimarães.

Continuar a ler

Guimarães

Trabalhadores de pousada de Guimarães acusam Pestana de ilegalidades que o grupo nega

Conflito laboral

em

Foto: Dr

Os trabalhadores da pousada de Guimarães acusam o grupo Pestana de transferir à força vários funcionários para outros hotéis por ter decidido fechar a pousada, mas o presidente da empresa nega, afirmando que as unidades estão a abrir progressivamente.

O Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Norte (STIHTRSN) denuncia, em comunicado, que “a maioria dos trabalhadores estão a ser transferidos para a Pousada Monte Santa Luzia, em Viana do Castelo, mas também para as pousadas São Bento, na Caniçada, e Santa Maria do Bouro”.

Salienta ainda que “a decisão da empresa, além de ilegal, representa uma violência para os trabalhadores, já que a pousada de Viana do Castelo fica a mais 80 quilómetros da residência dos trabalhadores” e que o grupo Pestana Pousadas, que explora as Pousadas de Portugal, “decidiu encerrar a Pousada Santa Marinha da Costa de Guimarães, tendo transferido ‘à força’ 10 dos 32 trabalhadores e dado ordem de transferência a mais quatro”.

O grupo Pestana respondeu à acusação em carta enviada ao presidente do sindicato, a que a Lusa teve acesso, negando qualquer ilegalidade, e referindo que as pousadas têm vindo a reabrir gradualmente e que a de Guimarães “irá reabrir tão brevemente quanto seja possível”.

Na carta, o presidente da Grupo Pestana Pousadas, Luís Castanheira Lopes, começa por dizer que a “inatividade da pousada não se deve a qualquer intenção de provocar seja que situação for pois a partir de hoje mesmo a GPP (Pousadas de Portugal) já não se encontra em situação de ‘lay-off’ simplificado, nem vai recorrer ao incentivo à retoma progressiva”.

Referindo que “como, aliás, é do conhecimento do sindicato, as pousadas têm vindo a reabrir gradualmente, começando por Viana do Castelo, abrindo depois a Pousa do Gerês e a seguir a Pousada de Amares”, adianta que a de Guimar~es “irá reabir tão brevemente quanto seja possível” e que tudo estão “a fazer para o efeito”.

Enquanto a Pousada de Guimarães não reabre, “estamos a analisar com cada um dos trabalhadores a possibilidade da sua deslocação temporária para a prestação de serviço nas outras três pousadas mencionadas e estamos a fazer isso com a estrita observância da lei, Código do Trabalho, e do Acordo de Empresa, de que o senhor presidente [do sindicato] foi um dos subscritores e, por isso, sabe que o permite”, prossegue Luís Castanheira Lopes.

O presidente do Grupo Pestana Pousadas refere também que “está marcada para quarta-feira próxima uma reunião da GPP com a FESAHT, na qual esse sindicato se integra” e propõe “que se aproveite a oportunidade para analisar este assunto por forma a que possa ainda mais cabalmente ser evidenciada a plena regularidade dos procedimentos” que estão a ser adotados.

O sindicato aponta que o grupo Pestana “está a transferir todos os trabalhadores, incluindo mães solteiras com filhos de seis anos de idade e trabalhadores que têm a seu cargo idosos com mais de 90 anos”, acrescentando que a empresa “obriga os trabalhadores a pernoitarem na pousada para onde são transferidos durante toda a semana, pagando apenas os transportes no dia de folga dos trabalhadores”.

Os trabalhadores, reunidos na sexta-feira em plenário, decidiram não aceitar mais transferências e apresentarem-se hoje ao serviço, mas, segundo o sindicato, já encontraram a pousada encerrada.

Segundo adianta, o sindicato pediu a intervenção da Câmara de Guimarães, considerando que o grupo Pestana está a desvalorizar o turismo no concelho e na região, e pediu ao presidente da autarquia que interceda para acabar com pressão da empresa sobre os trabalhadores e para que “reabra de imediato” a pousada.

Além disso, acrescenta, o sindicato também solicitou a intervenção da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), pedindo que “levante autos de notícia por encerramento ilícito” e peça ao Ministério Público a abertura de um processo crime.

O grupo Pestana “está a desviar os clientes desta pousada para outras e a transferir trabalhadores com o único objetivo de justificar prejuízos e recorrer a apoios do Estado”, acusa o sindicato.

Continuar a ler

Populares