Seguir o O MINHO

Futebol

Vitória quer ser dominador em jogo de vida ou morte para o Nacional

32.ª jornada da I Liga

em

O treinador Luís Castro afirmou hoje que espera um Vitória ofensivo e dominador para regressar aos triunfos na I Liga portuguesa de futebol, na partida com o Nacional, da 32.ª jornada, agendada para domingo.

O ‘timoneiro’ vitoriano avisou que os seus jogadores, derrotados nos três últimos jogos do campeonato – Rio Ave (2-1), Aves (2-0) e Sporting (2-0) -, precisam de estar “muito focados” no seu “desempenho” e “muito atentos” ao valor do Nacional, mesmo com o 17.º lugar que ocupa (27 pontos), para poderem garantir os três pontos.

“Espero um Nacional a querer ganhar tanto o jogo como nós, mas espero um Vitória a dominar o jogo e a querer chegar com grande insistência à baliza do Nacional para transformar esses ataques em golos”, afirmou, na conferência de imprensa de antevisão ao jogo que vai decorrer em Guimarães, às 20:00 de domingo.

Nacional quer vencer em Guimarães para manter vivo sonho da manutenção

Luís Castro admitiu, por isso, que a formação vimaranense vai surgir em campo com uma postura diferente da que apresentou na ronda anterior, no Estádio José Alvalade, quando tentou sobretudo “aproveitar os espaços” concedidos pelo Sporting para sair para o ataque.

O treinador recusou, no entanto, que a turma insular, pelo facto de ter perdido seis dos últimos sete jogos e de ter a defesa mais batida da I Liga (64 golos sofridos), seja o adversário mais apropriado para o Vitória regressar aos triunfos, tendo dito que as “estatísticas pouco dizem nos campeonatos”.

“Ainda ontem [na sexta-feira], vimos o Sevilha, que luta para a Liga dos Campeões, a perder por 3-0, em casa, com o Leganés [para a I Liga espanhola]. No futebol, todos os dias se repetem cenários em que as estatísticas são ultrapassadas por aquilo que realmente se passa”, disse.

Sexto classificado do campeonato, com 45 pontos, o Vitória passou a depender de si próprio para atingir o quinto lugar, após a derrota caseira do Moreirense (49 pontos) frente ao Rio Ave (2-1), na sexta-feira, mas Luís Castro desvalorizou o facto e disse estar apenas concentrado nos “adversários imediatos”.

Convicto de que os adeptos vitorianos vão estar ao lado da equipa de “forma incondicional”, apesar dos protestos que se fizeram sentir no último jogo em casa, frente ao Desportivo das Aves, o treinador revelou ainda que o médio André André, ausente dos relvados desde o início de março, pode voltar a competir nos três jogos que restam da época.

O Vitória SC, sexto classificado da I Liga, com 45 pontos, recebe o Nacional, 17.º, com 27, num jogo marcado para as 20:00 de domingo, no Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães.

Anúncio

Futebol

“Temos de melhorar nos últimos 30 metros”

Vítor Oliveira, treinador do Gil Vicente

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães /O MINHO (Arquivo)

Declarações dos treinadores de Gil Vicente e Rio Ave, no final da partida da 13.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, que os vila-condenses venceram por 1-0:

Vítor Oliveira (treinador do Gil Vicente): “O empate teria sido mais de acordo com as oportunidades criadas pelas duas equipas.

O Rio Ave, bem trabalhado, teve mais bola e, na primeira parte, não existimos, apesar de ainda termos uma oportunidade num remate de Sandro Lima.

Na segunda parte, quando o jogo estava equilibrado, sofremos o golo de penálti, mas depois reagimos bem e criámos duas situações que podiam ter dado o empate.

Acabámos por não definir com a clareza que gostaríamos, o que é uma situação que nos vem apoquentar. Temos de melhorar o nosso jogo nos últimos 30 metros.

Gil Vicente interrompe série de três vitórias consecutivas ao perder em Vila do Conde

As vitórias são sempre justas, mas creio que podíamos ter levado um ponto e seria mais de acordo com as oportunidades criadas nos 90 minutos.

Em termos ofensivos, foi o nosso jogo menos conseguido dos últimos quatro”.

Carlos Carvalhal. Foto: DR / Arquivo

Carlos Carvalhal (treinador do Rio Ave): “Foi um jogo bem preparado da nossa parte e com uma vitória justa.

Logo aos 10 minutos, já tínhamos duas boas oportunidades, frente a um adversário difícil de ser contrariado, e que vinha de três vitórias consecutivas.

Fomos uma equipa sólida em termos ofensivos e, ao mesmo tempo, vigilantes na perda da bola, não permitindo os contra-ataques do Gil Vicente.

Na segunda parte, mantivemos a toada, fizemos o golo, e apesar do Gil Vicente ainda reagir, conseguimos contrariar, e apesar da reação do adversário, nada tira o mérito à nossa vitória, frente a uma equipa a quem é muito difícil criar oportunidades.

[Sobre o jogo 300 de Tarantini] Tenho o prazer de ser o seu treinador quando atingiu esta marca. É um grande jogador e um grande profissional, que continua aí ‘para as curvas’, mesmo depois de 300 jogos.

[sobre expulsão de Taremi] Não quero desculpar comportamentos, tenho sempre de os responsabilizar, mas tentei perceber o que aconteceu, e o jogador apenas perguntou “porquê?”. Talvez se tenha chegado um pouco mais ao árbitro, mas não me parece que tenha sido de uma gravidade extrema, comparado com outras situações que tenho visto antes”.

Continuar a ler

Futebol

Gil Vicente interrompe série de três vitórias consecutivas ao perder em Vila do Conde

Contra o Rio Ave

em

Foto: Facebook de Rio Ave FC

O Gil Vicente perdeu hoje, por 1-0, no jogo que encerrou a 13.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, após sofrer um golo de grande penalidade do iraniano Taremi.

Em Vila do Conde, a grande penalidade, convertida aos 62 minutos, por Taremi, que foi expulso aos 87, permitiu ao Rio Ave interromper a série de três vitórias consecutivas do Gil Vicente, conquistar os três pontos e descolar do adversário de hoje na tabela classificativa.

Os vila-condenses são agora sextos no campeonato, com 18 pontos, em igualdade com SC Braga, Tondela e Boavista, enquanto a equipa de Barcelos, que tem 16 pontos, desceu à 10.ª posição da classificação liderada pelo Benfica, com 36.

Os donos do terreno entraram no desafio a querer corrigir o desaire da última jornada, frente ao Sporting de Braga (derrota por 2-0), e não demoraram a assumir a iniciativa e criar os primeiros lances de perigo.

Logo aos 4 minutos, Diego Lopes deixou um primeiro aviso aos gilistas, num remate ao lado, e, pouco depois, foi Taremi a ver um desvio ser bloqueado, em cima da linha de golo, por Rúben Fernandes.

Apesar de conseguir travar os ímpetos iniciais do Rio Ave, o Gil Vicente, que vinha de um moralizador triunfo sobre o Sporting na Liga, não era tão eficaz a explorar os contra-ataques, e mesmo desenhando algumas boas movimentações, faltava-lhe acutilância na definição final.

Indiferentes a isso, os locais estiveram, novamente, perto de marcar, aos 24, num cabeceamento de Tarantini, que esta noite completou o jogo 300 da carreira na I Liga, mas que uma intervenção aplicada do guardião gilista Denis negou a celebração.

Do outro lado, os minhotos só protagonizaram o seu primeiro lance de real perigo já aos 39, num remate de longe de Kravev, que obrigou Kieszek a aplicar-se para manter o nulo com que se chegou ao intervalo.

O tempo de descanso até fez bem ao Gil Vicente, que regressou para o segundo tempo atrevido e a jogar com mais regularidade no meio-campo contrário, embora com as mesmas dificuldades no último passe.

O Rio Ave tentou, então, aproveitar o maior espaço para explorar as suas combinações e, pouco depois da hora de jogo, capitalizou um erro do gilista Claude Gonçalves, que derrubou Diego Lopes na área, para dispor de uma grande penalidade, que Taremi, na cobrança do castigo, aos 62, não desperdiçou, fazendo o 1-0.

Só em desvantagem o Gil Vicente carregou definitivamente no acelerador, empurrando o Rio Ave para junto da baliza, mas sem efeitos práticos.

Os locais ainda complicaram a sua tarefa, quando Taremi, já depois de ter visto um cartão amarelo, por protestos, persistiu na atitude e viu o vermelho direto, aos 83.

O Gil Vicente tentou, nesta fase derradeira, aproveitar alguma descompensação do Rio Ave, e apesar de insistência, o melhor que conseguiu foi, já aos 88, um remate de Lourency, ao poste.

Ficha de Jogo

Jogo no Estádio do Rio Ave FC, em Vila do Conde.

Rio Ave – Gil Vicente, 1-0.

Ao intervalo: 0-0

Marcador:

1-0, Taremi, 62 minutos (grande penalidade).

Equipas:

– Rio Ave: Kieszek, Diogo Figueiras, Borevkovic, Santos, Matheus Reis, Filipe Augusto, Tarantini, Diego Lopes (Ronan, 90+1), Carlos Mané, Taremi e Bruno Moreira (Nuno Santos, 72).

(Suplentes: Paulo Vítor, Nélson Monte, Nuno Santos, Vitó, Ronan, Pedro Amaral e Joca).

Treinador: Carlos Carvalhal.

– Gil Vicente: Denis, Fernando Fonseca, Ygor Nogueira, Rúben Fernandes, Henrique Gomes, Soares, Calude Gonçalves, Kraev (Naidji, 65), Baraye (Romário Baldé, 46), Sandro Lima e Arthur Henrique (Lourency, 58).

(Suplentes: Bruno, João Afonso, Lourency, Naidji, Romário Baldé, Leonardo e Banguera).

Treinador: Vítor Oliveira.

Árbitro: Manuel Oliveira (AF Porto).

Ação disciplinar: Cartões amarelos para Borevkovic (13), Baraye (30), Fernando Fonseca (50), Matheus Reis (54) e Taremi (86). Cartão vermelho direto a Taremi (87).

Assistência: cerca de 1.500 espetadores.

Continuar a ler

Futebol

FPF distribui 4,3 milhões de fundo da UEFA por clubes da I e II Ligas

Menos o Benfica, FC Porto e Sporting

em

Foto: O MINHO (Arquivo)

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) anunciou hoje que vai distribuir 4,3 milhões de euros pelos clubes da I e II Ligas de futebol, provenientes de um fundo de solidariedade da UEFA, que terão de ser aplicados na formação.

As verbas serão distribuídas por todos os clubes, menos o Benfica, o FC Porto e o Sporting, “que participaram nas fases de grupo da Liga dos Campeões e Liga Europa”, justifica a FPF.

Em comunicado, a federação explica que as verbas se destinam “exclusivamente a investimentos no futebol de formação”, visando “compensar os clubes que não participam nas duas competições de clubes europeias”.

De fora do âmbito de ação deste fundo de solidariedade ficam, igualmente, as equipas B e satélite na II Liga.

Os 29 emblemas – 15 da I Liga e 14 da II Liga – abrangidos pelo apoio deste mecanismo europeu vão receber a mesma verba, 150.887,38 euros, numa atribuição relativa a 2018/19.

Continuar a ler

Populares