Seguir o O MINHO

Braga

UMinho quer “criar modelos preditivos” de riscos nas vias de transporte europeias

Projeto da Escola de Engenharia

em

Foto: O MINHO

Uma equipa da Universidade do Minho (UMinho) quer criar “modelos preditivos” do impacto e frequência de acidentes naturais na rede rodoferroviária da Europa e conceber uma aplicação “de alerta”, desenvolvendo sensores para comboios que detetem anomalias.


Em comunicado enviado à Lusa, a UMinho explica que a equipa, da Escola de Engenharia, está a analisar o “funcionamento da rede rodoferroviária na Europa perante riscos naturais e humanos, como incêndios, tempestades, derrocadas, atos de suicídio e choques”.

Segundo o texto, os investigadores querem “criar modelos preditivos do impacto e frequência daquelas ocorrências, conceber uma ‘app’ de alerta com a melhor via a seguir após um evento extremo, bem como inserir sensores em comboios e outros equipamentos para detetar anomalias nas infraestruturas, aperfeiçoar as barreiras em áreas críticas e, ainda, capacitar a sociedade neste âmbito”.

O grupo da UMinho, coordenado por José Campos e Matos, que lidera também o Atlantic SIRMA, que tem até 2021 dois milhões de euros do programa Interreg e junta entidades do Reino Unido, Irlanda, França e Espanha.

“Queremos desenvolver ferramentas e tecnologias para reforçar a gestão de risco nestas vias. Um suicídio, por exemplo, obriga a parar uma linha ferroviária e isso traz muitos custos sociais e económicos”, realça, no texto, o investigador, que assinalou que a origem dos riscos humanos tem um quadro psicológico e cultural próprio.

O projeto SIRMA está definido em três fases: “Mitigar rapidamente os problemas detetados, conceber modelos com a performance histórica das infraestruturas, estimando em gráfico quando ficarão ameaçadas, e criar soluções de prevenção e manutenção – por exemplo, desenvolvendo uma aplicação para alertar o cidadão sobre um caminho alternativo perante uma intempérie”, enumera.

Além disso, aponta como objetivo “a monitorização inovadora da ferrovia pelos próprios comboios que, através de sensores e vibrações, poderão detetar irregularidades e materiais em falta e a formação de técnicos para saber como agirem nos eventos extremos e junto das populações”.

“Na verdade, cada zona estará mais suscetível aos seus problemas específicos: as marítimas estão sujeitas a tempestades, as fluviais a cheias, as despovoadas a incêndios, os vales a torrentes, deslizamentos e descarrilamentos, as cidades a terrorismo”, enumera o investigador do Instituto de Sustentabilidade e Inovação em Engenharia de Estruturas (ISISE), no campus de Azurém, em Guimarães.

Segundo refere a UMinho no comunicado, as alterações climáticas têm afetado o Atlântico europeu, como sucede com tempestades tropicais ou grandes incêndios, levando à degradação imediata de certas infraestruturas de transporte.

“Os carris da ferrovia do Sul da Europa, face à subida das temperaturas, terão mais casos de dilatação, logo dificuldade de manutenção e disponibilidade do serviço, aumentando custos diretos e indiretos. Já a ferrovia na Irlanda, por exemplo, tem sofrido muitas cheias, ameaçando a segurança e as infraescavações em pontes”, descreve a universidade.

Campos e Matos assinala ainda a “má opção” pela construção de certos trajetos na proximidade marítima, afirmando ser “um problema sério, devido à subida progressiva do nível da água do mar”.

No caso das estradas e autoestradas, a prevenção aposta nas passagens hidráulicas (‘box culverts’) ou no corte temporário do acesso, como em derrocadas e no deslizamento de aterros.

“Há de facto uma grande interdependência das redes rodoviárias e por vezes passa despercebida; em muitos dos fogos, os sistemas de comunicação falham porque a via também ficou destruída, incluindo esta cabos de comunicação em fibra ótica”, refere o investigador.

Anúncio

Braga

Novo líder do PSD Braga ‘abre porta’ à Iniciativa Liberal, mas não ao Chega

Política

em

Foto: DR./ Arquivo

O novo presidente da Comissão Política concelhia de Braga do PSD, João Granja, hoje eleito com o voto de 159 militantes, pondera alargar a Coligação Juntos por Braga (PSD/CDS/PPM) no poder desde 2013, aos partidos Iniciativa Liberal e Aliança, com vista às eleições municipais de 2021.

“Não tencionámos falar com o Chega, quer porque desconhecemos a sua atividade em Braga, quer por discordarmos da sua postura política”, afirmou, em declarações a O MINHO.

Nas eleições que hoje decorreram na sede do partido, em que podiam votar 472 militantes, houve, ainda, sete votos brancos e três nulos. Para a Mesa da Assembleia de Secção, que volta a ser liderada por Américo Afonso, votaram 161 eleitores, registando-se sete votos brancos e um nulo.

Granja, um ex-gestor bancário que já tinha presidido ao órgão durante seis anos, pretende “unir o partido” em torno da recandidatura a um terceiro mandato do atual presidente da Câmara, Ricardo Rio.

“Esta lista é de unidade, para não deixar que as energias dos militante se percam em disputas estéreis”, disse Granja a O MINHO, adiantando que trabalhará para aumentar os resultados não só na Câmara, mas também na Assembleia Municipal e nas freguesias.

João Granja, um gestor bancário que já foi deputado no parlamento e líder concelhio, sendo atualmente o líder dos social-democratas na Assembleia, salienta que, em princípio, se manterá a aliança com o CDS e o PPM, com um acordo a formalizar a partir de janeiro.

Para o mandato de dois anos, promete abrir o partido à sociedade bracarense e à sua juventude, com olhos postos nas questões sociais e nas ambientais.

A Comissão Política tem como número dois, o diretor da Agere, Rui Morais, seguido do jurista João Marques.

A lista tinha como primeiro subscritor o autarca Ricardo Rio, apoio que lhe chega também dos dois vereadores que são militantes, Olga Pereira e João Rodrigues, bem como de todos os presidentes de Junta filiados.

 

Continuar a ler

Braga

Bebé que caiu de janela em Braga está “estável” e em recuperação “favorável”

Celeirós

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

O bebé de um ano que caiu de uma janela de primeiro andar em Celeirós, Braga, na quinta-feira, encontra-se estável e a recuperar favoravelmente.

A criança, que se terá lançado pela janela quando estava a brincar no colo do avô, numa moradia situada na Avenida Senhora da Paciência, está internada nos cuidados intermédios da pediatria do Hospital de Braga, onde entrou ontem de urgência com ferimentos considerados “graves” pela equipa médica da VMER.

A informação é avançada pela CMTV, dando conta de que a criança está consciente e cooperante.

Recorde-se que o bebé sofreu um traumatismo cranioencefálico depois da queda, que ocorreu cerca das 21:23, segundo dados da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil.

A criança estaria ao colo do avô, que pensaria que a janela estaria fechada. O bebé fez uma movimentação mais brusca, projetou-se, a janela abriu e caiu.

Prestaram socorro os Bombeiros Sapadores de Braga e a VMER de Braga, que acompanhou a criança ao hospital.

Continuar a ler

Braga

Raposa ferida na variante do Cávado e não há ninguém para a resgatar

Em Braga

em

Foto: DR./ Arquivo

Vários automobilistas estão a dar nota de uma raposa ferida na variante do Cávado, que liga Braga à vila de Prado, em Vila Verde, cerca das 21:00 horas desta sexta-feira.

Desconhece-se se o animal foi atropelado, mas encontra-se na berma da via, a necessitar de auxílio.

Ao que O MINHO apurou, nem bombeiros, nem PSP e nem GNR têm meios disponíveis para resgatar o animal.

Recorde-se que os Bombeiros Sapadores de Braga têm uma equipa e uma viatura específica para acudir animais, mas fonte da companhia indicou que apenas são assistidos “animais domésticos”.

Também a GNR, através do departamento ambiental do SEPNA, refere que o local onde se encontra o animal não é da área da guarda, uma vez que se encontra nos limites da cidade de Braga, sendo por isso responsabilidade da PSP.

Já a PSP, sabe o nosso jornal, não tem meios disponíveis de momento para ajudar o animal ferido.

No entanto, cerca de uma hora após a publicação desta notícia, a PSP resgatou o animal, que deverá ser entregue aos cuidados do ICNF durante o dia de amanhã.

(notícia atualizada às 23h45 com a informação de que o animal foi resgatado pela PSP)

Continuar a ler

Populares