Seguir o O MINHO

Viana do Castelo

Prédio Coutinho, a guerra mais dura de um coronel com oito anos de Ultramar

Em Viana do Castelo

em

Foto: DR/Arquivo

Combateu no Ultramar durante oito anos mas confessa que a guerra que lhe está a custar mais é a que vem travando contra a demolição da casa onde vive há quase meio século, no prédio Coutinho, em Viana do Castelo.

“Tenho cinco anos de guerra em Angola e quase três em Moçambique. Guerra muito dura. Mas sabe por que digo que esta guerra me custa mais? Porque esta é uma guerra muito mais desumana”, atira, emocionado, José Oliveira Santos.

Moradores voltaram a sair do prédio Coutinho após suspensão do despejo

É coronel na reserva, comandou a PSP de Viana do Castelo e o Batalhão de Caçadores 9, foi juiz do Tribunal Militar do Porto e é um dos rostos da resistência à desocupação do “prédio Coutinho”.

Vive, com a mulher, no quinto dos 13 andares do edifício, um edifício que a VianaPolis anda há 19 anos a tentar demolir, por considerar que se trata de um ‘mamarracho’ que desfeia o centro histórico da cidade e que é importante corrigir os erros urbanísticos do passado.

Morreu moradora do Prédio Coutinho

No edifício, chegaram a morar cerca de 300 pessoas, que entretanto foram saindo, restando agora nove, divididos por seis apartamentos.

“Não tenho dúvidas de que vou ter de sair, eu sei que tenho de sair, mas hei de sair pelo próprio pé e não empurrado”, refere Oliveira Santos.

Garante que tinha tudo preparado para sair. Já comprou casa noutro local da cidade e mostra malas, caixotes e sacos carregados com os seus haveres e colocados no corredor, prontos para a transferência.

Cancelado cordão humano pela saída dos últimos moradores do prédio Coutinho

“Na segunda-feira, o presidente da câmara disse-me que queria dialogar e eu estava disposto a um acordo. Na terça-feira, cortaram-me o gás. Foi uma facada que deram na minha dignidade. Podem-me cortar o gás, a luz, a água, tudo o que quiserem. Mas a minha dignidade não cortam. Não vai ser com uma pistola apontada à minha cabeça que me tiram daqui”, refere.

Agora, vinca, só sai quando houver uma ordem do tribunal que a isso o obrigue.

“Já fui juiz, respeito os tribunais. Mas sem essa ordem do tribunal, não me arrancam daqui”, diz ainda.

VianaPolis pede “revogação do despacho” que suspende despejos do prédio Coutinho

Ele tem 79 anos, a mulher 78. Escolheram comprar casa no “prédio Coutinho” sobretudo pelas “vistas”. De um lado, vê-se o monte de Santa Luzia, o outro lado está virado para o rio Lima.

“Estas vistas custaram-me os olhos da cara”, lembra, adiantando que em 1974 pagou 1.150 contos (5.750 euros) pelo T3 em que vive com a mulher.

A partir de 2000, após ter sido tornada pública a intenção de demolição do edifício, os moradores interpuseram várias ações judiciais para tentar impedir a destruição dos seus lares, mas entretanto a esmagadora maioria chegou a acordo com a VianaPolis, tendo uns optado por receber indemnizações e outros pelo realojamento em edifícios construídos expressamente para o efeito.

Tribunal aceita providência cautelar dos moradores do prédio Coutinho

No Coutinho, restam agora nove moradores, cujo despejo esteve previsto para a passada segunda-feira, na sequência de uma decisão do Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga que declarou improcedente a providência cautelar movida em março de 2018.

No entanto, os moradores recusaram sair, tendo entretanto a VianaPolis cortado a eletricidade, o gás e a água do prédio e avançado com a “desconstrução” do edifício.

“Andaram às marretadas nos apartamentos mesmo ao lado dos que ainda estão habitados, mas eu não tenho medo das marretadas nem de nada. Na guerra, ouvi barulhos muito piores. Não são as marretadas nas paredes que me afectam. O que me afeta são as marretadas na minha dignidade”, remata Oliveira Santos.

Anúncio

Viana do Castelo

Politécnico de Viana apresenta, em Braga, projeto de monitorização de gás radioativo

Mitigação do risco associado à exposição humana ao gás radão

em

Foto: Divulgação

O projeto de I&D RnMonitor, liderado pelo Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC), esteve representado pelos investigadores Pedro Martins e Sérgio Lopes na demonstração do piloto tecnológico desenvolvido no referido projeto, no âmbito da 5.ª edição do evento Smart City 360° International Summit, que este ano decorreu no Altice Forum Braga.

A 5.ª edição da cimeira Smart City 360º oferece uma abordagem holística sobre todos os aspetos da ciência e das tecnologias no contexto das Cidades Inteligentes, desafiando as empresas e a academia para a apresentação de protótipos e soluções inovadoras que possam colocar em perspetiva os novos desafios.

O piloto tecnológico em demonstração, intitulado RnMonitor: an IoT-enabled Platform for Radon Risk Management in Public Buildings, consiste numa sonda multi-parâmetro desenvolvida no contexto da Internet das Coisas (IoT) em parceria com o Instituto de Telecomunicações, e numa plataforma web que permite a monitorização online da qualidade do ar interior em edifícios públicos.

O principal objetivo do piloto em demonstração, consiste na mitigação do risco associado à exposição humana ao gás radão, um gás radioativo considerado pela Organização Mundial de Saúde como o segundo fator de risco de cancro de pulmão, logo a seguir ao fumo do tabaco.

O Instituto Politécnico de Viana do Castelo lidera o referido projeto, o qual se encontra na reta final de execução, em parceria com o Instituto de Telecomunicações, Instituto Politécnico do Cávado e do Ave, as empresas BMViV e Digiheart, e os municípios de Viana do Castelo e Barcelos.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Incêndios: Aprovada revisão do plano de defesa da floresta de Viana do Castelo

Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios

em

Foto: DR

A Câmara de Viana do Castelo aprovou hoje, por unanimidade, a revisão do Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios (PMDFCI) para a próxima década.

O documento, aprovado em reunião extraordinária do executivo municipal da capital do Alto Minho, esteve em discussão pública entre 12 de novembro e segunda-feira, não tendo registado participações.

O documento vai agora ser submetido à apreciação da Assembleia Municipal, que decorrerá no próximo dia 13, entrando em vigor em janeiro de 2020.

O Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios de Viana do Castelo foi elaborado e aprovado, pela primeira vez, em 2006, tendo sido revisto em 2008, encontrando-se em vigor até maio de 2019.

Na proposta hoje aprovada, o executivo sustenta que o plano é “um instrumento operacional de planeamento, programação, organização e execução de um conjunto de ações de prevenção que visa concretizar os objetivos estratégicos de diminuição do impacto dos incêndios florestais, procurando defender melhor a floresta, a vida das pessoas e dos seus bens”.

“No concelho de Viana do Castelo, desde há cerca de três décadas que se reflete na floresta uma conjuntura negativa de fatores que proporcionam uma maior suscetibilidade e vulnerabilidade aos incêndios, com tendências de agravamento, registando-se no ano de 2005 uma das piores tragédias, tanto em número de ocorrências como em área ardida e risco de pessoas e bens”, lê-se no documento.

A proposta de revisão do PMDFCI aprovada refere ainda que, “apesar dos inúmeros esforços de prevenção, nos anos de 2010, 2013 e 2016 registaram-se novos incêndios que atingiram grandes proporções, tendo um deles afetado grande parte da serra de Perre e outro a serra de Arga, tendo ambos colocado em risco várias populações”.

“Existe a perceção de algumas condições estruturais que determinam e favorecem estas ocorrências, das quais se destacam o crescente abandono das atividades agrícolas e florestais, a ausência de implementação de medidas adequadas de ordenamento e gestão dos espaços florestais. Considera-se, portanto, fundamental, conjugar esforços para inverter esta conjuntura”, refere o documento.

O novo plano “visa dar cumprimento ao estipulado na legislação e procura corresponder à evolução entretanto verificada na floresta e às exigências da estratégia de prevenção de incêndios florestais de níveis nacional, distrital e local”.

“O processo de elaboração do PMDFCI teve por base as características específicas do território do concelho no que respeita à sua natureza florestal e rural, urbana e periurbana. Tem como objetivos estratégicos aumentar a resiliência do território aos incêndios florestais, reduzir a incidência dos incêndios, melhorar a eficiência e a eficácia do ataque e da gestão dos incêndios, recuperar e reabilitar os ecossistemas e as comunidades e adotar uma estrutura orgânica, funcional e eficaz”, explica a proposta.

A revisão implicou a “consulta” a diversas entidades, desde juntas de freguesia, conselhos diretivos de baldios, corporações de bombeiros, GNR, PSP, Exército, Instituto da Conservação da Natureza e Florestas (ICNF), Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte, associações florestais, empresas de celulose, Rede Elétrica Nacional (REN), Infraestruturas de Portugal (IP) e Energias de Portugal.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Viana já acendeu a iluminação de Natal

Conheça o programa

em

Foto: Divulgação / CM Viana do Castelo

As ruas do centro de Viana ganham nova vida durante o mês de dezembro com a inauguração da iluminação de Natal.

O evento foi levado a cabo na noite desta quinta-feira, com iluminação de 22 ruas, avenidas e praças da cidade, capital do Alto Minho.

Iluminação de Natal em Viana (2019) Foto: Divulgação / CM Viana

Programação

Os destaques vão para a Praça Natal, que acontece na Praça da República entre 30 de novembro e 06 de janeiro, que conta com um presépio tradicional, um carrossel francês e a Casa do Pai Natal.

Até 13 de dezembro será promovida uma Recolha de Brinquedos para crianças carenciadas no Serviço de Atendimento ao Munícipe (SAM) da Câmara Municipal de Viana do Castelo.

De 01 a 21 de dezembro, é promovido o Concurso de Montras de Natal no comércio tradicional vianense e, de 1 a 31 de dezembro, realiza-se também o Viana é Natal – Sorteio de Natal, no comércio tradicional.

A 07 de dezembro, às 16:00, a III edição do Bolo Rei Gigante promete encher o Largo de São Domingos.

Iluminação de Natal em Viana (2019) Foto: Divulgação / CM Viana

No que toca à Música e Dança, a Igreja de São Domingos acolhe concertos nos dias 14 e 15 de dezembro, às 21:30, pela Arte Sinfónica – Orquestra ARTEAM e Coro Viana Vocale.

No dia 17 de dezembro, às 21:00, a Igreja da Misericórdia recebe o Concerto de Natal pelo Sexteto de Cordas ARTEAM e Coura Voce.

A 21 de dezembro, pelas 11:00, a Porta Mexia Galvão recebe Sons de Natal, pela Zé Pedro Associação Musical.

Para entrar em 2020 da melhor forma, o Centro Cultural de Viana do Castelo acolhe o Viana Reveillon 2019, com DJs e animação variada.

No primeiro dia do novo ano, a 01 de janeiro, às 17:00, o Teatro Municipal Sá de Miranda recebe o tradicional Concerto de Ano Novo.

Iluminação de Natal em Viana (2019) Foto: Divulgação / CM Viana

Para as crianças, as Oficinas de Natal com os Museus de Viana do Castelo acontecem de 01 a 31 de dezembro (exceto dias 24 e 31), das 11:00 às 16:00, nos Antigos Paços do Concelho.

Os “Sábados com História”, da Biblioteca Municipal, terão “Um conto de Natal” nos dias 07, 14 e 21 de dezembro, às 10:30 e às 15:00 (dia 21, apenas sessão às 10:30).

De 17 a 20 de dezembro, a Biblioteca recebe a Hora do Conto de Natal, com dramatização e encenação de um conto natalício para crianças, sempre às 10:00, num momento de participação gratuita, mas inscrição obrigatória.

O Pai Natal chega a Viana do Castelo a 21 de dezembro, às 15:00, na Porta Mexia Galvão, num momento que contará com dramatização de história, desfile do Pai Natal e distribuição de prendas aos mais novos.

No dia 22 de dezembro, às 16:00, o Centro Cultural acolhe o espetáculo “As Aulas da Sónia”.

A programação de mostras e feiras inclui o Mercadinho de Natal, no Largo das Neves, de 13 a 15 de dezembro; a Feira de Artesanato e Manualidades no Jardim Público vianense, a 14 de dezembro, das 10:00 às 18:00; e o Feirão do Mel e das Rabanadas, às 15:00 de 14 de dezembro, na Praça da República, numa iniciativa do Grupo Etnográfico de Areosa e Grupo Danças e Cantares de Perre.

As Exposições disponíveis incluem “Natividade – Presépios Historiados”, no Museu de Artes Decorativas, de 01 de dezembro a 12 de janeiro, e “Natividade – 1.ª edição de Presépios de Artesanato de Viana”, no Museu do Traje, de 01 de dezembro a 12 de janeiro.

Os “Sentidos de Viana” têm também atividades desportivas, destacando-se a 7.ª Corrida S. Silvestre EDP Viana do Castelo, de 10 quilómetros, que invade a Avenida dos Combatentes da Grande Guerra às 17:30 de 21 de dezembro.

Continuar a ler

Populares