Seguir o O MINHO

Barcelos

Miguel Silva imortalizou a avó com pintura gigante em Barcelos

Pandemia afastou graffiter da avó nos seus últimos meses de vida

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Miguel Silva já tinha a ideia na cabeça em 2019, mas não teve coragem de contar à avó. A pandemia acabou por afastá-lo da matriarca, dada a redução ao máximo das visitas e a interrupção dos convívios de domingo. A avó Clotilde acabou por falecer em julho do ano passado em resultado do agravamento dos seus problemas de saúde. Um mês depois, o graffiter imortalizou-a com uma pintura gigante – quatro metros de altura, seis de largura – no ‘seu’ túnel, perto do local onde reside, em Vila Frescainha S. Martinho, no concelho de Barcelos. Agora, todos os dias, o jovem de 25 anos vê, a partir de casa, a imagem da avó ‘Tide’ e criou um “local de culto” onde toda a família – e que é bastante numerosa – a pode homenagear.

Quando Clotilde foi à Praça de Alegria, na altura em que o programa da RTP oferecia um prémio aos avós com mais descendentes, foi preciso um autocarro. Tinha, então, 24 netos e seis bisnetos. Agora, já são cerca de 30 netos e 37 bisnetos (dois deles nascidos já após o seu falecimento).

“É uma família mesmo muito grande”, contextualiza Miguel Silva. Num grupo de família nas redes sociais, todos os netos e bisnetos partilhavam as fotografias que tiravam com Clotilde. Esses retratos com a avó eram uma forma de unir toda a família.

Miguel Silva agora vê a imagem da avó, todos os dias, a partir de casa. Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

“Tenho primos que ainda não conheço pessoalmente, mas conheço-os porque eles já tiraram uma foto com a avó”, conta o graffiter, considerando que “esse legado tinha que persistir”.

“Toda a minha família, os que vão nascer, os meus filhos e dos meus primos, têm que ter uma foto com a avó e no cemitério não é nada agradável. Assim, têm aqui um local de culto para tirar uma foto com ela e para lhe dizer olá”, explica o também designer gráfico numa empresa de sublimados têxteis.

Paixão pelo graffiti nasceu do hip hop

O viaduto da chamada ‘estrada nova’, que liga Barcelos a Viana do Castelo, transformou-se, assim, ponto de visita de familiares de Miguel Silva, que por ali passam, nos seus passeios higiénicos, para dar um “bom dia” à avó Clotilde. Já o graffiter nem precisa de sair de casa para ver a pintura da avó. “Dá para ver da minha casa este local, vejo a minha avó todos os dias da janela do corredor”, conta.

Foram dois dias e meio de trabalho, acompanhados por uma equipa que depois produziu um vídeo. “Se fosse hoje voltaria a fazê-la ainda maior”. Foi pintado por cima de outros trabalhos, dado que aquele viaduto é como a segunda casa do graffiter que ali começou a pintar há cerca de oito anos.

“Os primeiros dois anos [de experiência] nem conto muito, porque tem que se aprender, riscar, aprimorar, conhecer o spray, perceber que o spray não é igual ao papel. A partir daí foi uma evolução”, conta o artista, cuja obra foi recentemente dada a conhecer em reportagem no Jornal de Barcelos.

Aquele viaduto, perto do sítio onde vive, é o seu templo. Ali fez as experimentações, foi evoluindo e, agora, “cada pintura que [ali] fizer é para ficar permanente”. “Invisto mais tempo, para ficar um local turístico, foi sempre assim que o idealizei”, aponta o graffiter que assina com a ‘tag’ Soldier.

A origem do nome artístico remonta ao universo do hip hop, que o arrastou para o graffiti.

Miguel Silva assina com o nome artístico ‘Soldier’. Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

“Sempre fui apaixonado pela cultura hip hop, também os meus primos influenciaram-me nesse sentido. Hoje ouço qualquer tipo de música, mas o grafitti começou por aí. Agora já não me baseio só no hip hop para criar, mas em todo tipo de cultura visual e musical. O graffiti pertence ao hip hop mas, à medida que fui amadurecendo, percebi que pertence principalmente à comunidade, a todos nós. Pertence mais à cidade do que ao artista, o artista é só o meio”, considera, apelando a que sejam dadas “mais oportunidades aos artistas”.

Os temas “I’m a soldier” de Tupac Shakur e “Like Toy Soldiers” de Eminem inspiraram Miguel Silva, que no primeiro ano assinava em português, como “Soldado”, alterando, depois, para inglês. “Inspirei-me nessa palavra e na música deles. Depois mudei para ‘Soldier’, em inglês, porque gosto mais da composição das letras”, explica.

“Polícia não me incomoda”

O ‘quartel’ de Soldier é o viaduto onde, antes da avó, já tinha desenhado o retrato do seu melhor amigo e de uma amiga. “Este túnel já não é só meu, quero que seja partilhado”, refere, dando conta de que, ali, está ajudar outros a desenvolver a arte, como antes também o ajudaram, nomeadamente integrando uma ‘crew’. Foi assim que cresceu artisticamente: “A falar com as pessoas que já pintam há mais tempo e a aprender com elas”.

A vizinhança já o conhece e gosta do seu trabalho. “A reação dos vizinhos é impecável, cinco estrelas”. E a polícia não lhe causa problemas. “Pinto aqui há muito tempo. A polícia passa, fala comigo e não me incomoda. Sempre me senti confortável, até porque não estou a incomodar ninguém”, reforça Miguel Silva, notando que, porém, nada invalida que a Infraestruturas de Portugal um dia “faça manutenção e cubra tudo de betão para reforçar a ponte”.

Antes da avó, Miguel Silva já tinha desenhado o melhor amigo. Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Assumindo que a sua intervenção naquele local é ilegal, o graffiter não esconde que gostava de ter a oportunidade – que até agora não teve – de pintar na cidade de Barcelos “com todas as regras, legalmente”.

Nesse sentido, tem “alguns” projetos em mente, um deles consistirá em concorrer ao Orçamento Participativo da Câmara. “Não será algo em que a autarquia vá gastar muito, mas que vai ser estudada para intervir e encaixar na comunidade”, avança, sem desvendar mais pormenores.

“Barcelos tem que crescer em termos artísticos”, defende Miguel Silva, afirmando que, nesse âmbito, a cidade já “foi grande em tempos, mas agora começou a desmoronar um bocadinho e perde-se um bocado este lado de as pessoas saírem de casa só para apreciarem a cidade”.

As pinturas de Afmach, conceituado pintor da cidade, no ‘Largo dos Poetas’, é um exemplo de que essa intervenção artística na comunidade é possível e tem bons resultados. “Ainda bem que isso já é permitido e que seja o primeiro passo”, declara o graffiter, esperando não ter que esperar “tanto tempo” como aquele veterano artista para ter essa oportunidade.

Túnel tornou-se “local de culto” para a família da avó ‘Tide’. Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Entretanto, para o ‘seu’ túnel, tem uma ideia para ‘fechar’ a parede com um desenho de duas pessoas do sexo feminino que se estarão a tocar. Representará a amizade e “será a união do túnel”, juntando as pinturas do amigo e da avó (“a felicidade e harmonia da família”) ao retrato da amiga no outro outro canto (onde está inscrita a palavra “saudade”). Fará também a transição de cor. “É a maior pintura que vou fazer”, revela.

Mas a “maior honra”, essa, é a homenagem à avó ‘Tide’.

Populares