Redes Sociais

Arcos de Valdevez

Habitantes de freguesia de Arcos de Valdevez contestam instalação de aviário

a

Foto: DR

Um grupo de habitantes da União de Freguesias de Padreiro, Arcos de Valdevez, exige a anulação do projeto de uma exploração avícola prevista para a aldeia, por temer o “alto risco sanitário” da produção de mais de 30.000 aves.

Numa carta que enviaram ao presidente da Câmara de Arcos de Valdevez e a que a Lusa teve hoje acesso, o movimento cívico defende que o investimento representa um “alto risco sanitário” por estar previsto ser instalado a “cerca de 400 metros das habitações de Padreiro Santa Cristina e a 200 metros de habitações da freguesia de Miranda”.

No documento, alertam também para os riscos que implicará na “saúde pública e nas linhas de água, com nascente naquela zona”.

“Uma instalação de criação intensiva com cheiros e contaminação para o ar e para as águas não pertence a uma localização rural e residencial como Padreiro”, lê-se na carta, que refere que “o contrato de arrendamento do terreno baldio com o promotor foi celebrado dia 25 de julho, por um prazo de 20 anos, sem nenhuma proteção para os residentes”.

Numa página criada há três semanas nas redes sociais, intitulada “Preservação Património de Santa Cristina”, habitantes da União de Freguesias de Padreiro (Salvador e Santa Cristina) exigem a “anulação” do projeto da exploração avícola, com cerca de um hectare.

Contactado pela agência Lusa, o presidente da Câmara de Arcos de Valdevez, João Manuel Esteves, garantiu não haver “motivo para alarme”, adiantando que a autarquia “está atenta e a acompanhar o processo com a maior precaução”.

O autarca social-democrata daquele município do distrito de Viana do Castelo referiu que “o projeto deu entrada, no mês passado, nos serviços camarários e que o caso está a ser acompanhado de perto”.

“A Câmara Municipal solicitou pareceres à Administração Regional de Agricultura do Norte e consultou o Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF)”, explicou, reforçando que o município “está atento e a acompanhar o processo com a maior precaução”.

“Não há razões para alarme. Serão cumpridas e respeitadas todas as normas, para assegurar a qualidade de vida das populações”, disse.

O movimento cívico que contesta o projeto adianta “não ter sido informado ou consultado sobre o projeto de instalação do aviário num terreno baldio da freguesia”.

“Nenhuma informação escrita relativa ao projeto foi comunicada aos residentes antes e durante a sessão extraordinária de votos e deliberação”, acrescentam os habitantes da aldeia.

O presidente da União de Freguesias de Padreiro, Carlos Dias, contactado pela Lusa, garantiu “estar ao lado da população”, adiantando que irá “apoiar todas as diligências, em curso, com vista à anulação do contrato de arrendamento do terreno”.

“Essa decisão foi tomada numa reunião da Comissão de Baldios de Santa Cristina que não foi devidamente divulgada. Estiveram presentes poucas pessoas. Agora a Comissão de Baldios está a desenvolver esforços para anular o contrato de arrendamento, porque não fazia ideia da dimensão do projeto”, explicou o autarca.

A Lusa contactou o presidente da Comissão de Baldios de Santa Cristina, mas ainda sem sucesso.

O promotor do projeto, explicou à Lusa, que “a candidatura, já aprovada pelo Programa de Desenvolvimento Regional (PDR), foi elaborada por uma equipa técnica especializada, cumprindo todas os requisitos legais”.

“Caberá às entidades com competências na matéria dizerem se está em condições para avançar”, disse.

O investidor local adiantou ter promovido uma sessão de esclarecimento na aldeia, com a participação de um engenheiro zootécnico, mas que a população recusou ser informada sobre o projeto que, garantiu, dá “resposta a todas as exigências ambientais e de salvaguarda da saúde pública”.

“É legítimo que as pessoas se preocupem com a sua aldeia, mas é preciso que o façam de forma esclarecida. Eu tentei explicar que o projeto não vai provocar mau cheiro por recorrer às mais avançadas tecnologias, que vai ficar instalado há distância obrigatória das habitações, mas as pessoas não quiseram ouvir”, referiu.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Arcos de Valdevez

1.º Encontro Ibérico de Esgrima Medieval decorre em Arcos de Valdevez

Jornadas Europeias do Património.

Publicado

a

Foto: DR

O Paço de Giela, em Arcos De Valdevez, vai ser palco, no próximo fim de semana, do I Encontro Ibérico de Esgrima Medieval, organizado pelo Grupo Esgrima Medieval e Artes de Combate (GEMAC), informou hoje a Câmara local.

O encontro integra-se nas Jornadas Europeias do Património, uma iniciativa anual da Direção Geral do Património, que envolve um número alargado de países membros do Conselho da Europa e também Portugal, com o objetivo sensibilizar os cidadãos para a importância da proteção do Património.

Este ano, com o tema “Partilhar Memórias”, o Paço de Giela oferece a possibilidade de assistir ao encontro, sendo que na zona envolvente ao monumento será desenvolvido um acampamento histórico de quotidianos civil e militar.

Naquele acampamento decorrerão várias atividades nomeadamente, tiro com arco, treinos de esgrima, torneios de armas, entre outras.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Arcos de Valdevez

Arcos de Valdevez acolhe seminário sobre documentário

Publicado

a

Foto: Divulgação

O Doc’s Kingdom, seminário internacional dedicado ao cinema documental, começa no domingo em Arcos de Valdevez, com sessões de cinema e debates.

Esta é a quarta vez que Arcos de Valdevez acolhe o Doc’s Kingdom, que decorrerá até ao dia 07 de setembro. Este ano a programação é da curadora brasileira Patrícia Mourão em parceria com o diretor do Doc’s Kingdom, Nuno Lisboa.

O seminário arranca com “Out of the Present”, do realizador romeno Andrei Ujica, na Casa das Artes de Arcos de Valdevez, e com a presença do cineasta. O fecho será com “O ornitólogo”, de João Pedro Rodrigues.

Além destes dois realizadores, o seminário contará, entre outros, com a realizadora norte-americana Deborah Stratman, a palestiniana Jumana Manna, a brasileira Maria Augusta Ramos, o mexicano Nicolás Pereda e o coletivo Forensic Architecture.

Depois de Arcos de Valdevez, o Doc’s Kingdom fará duas extensões em Lisboa: Na Cinemateca no dia 08, com Andrei Ujica, e no dia 10 na galeria Maumaus/Lumiar Cité com Maria Augusta Ramos.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Arcos de Valdevez

Bombeiros mostram salvamento de pescador em Senra

Publicado

a

Os Bombeiros Voluntários de Arcos de Valdevez mostram as imagens do salvamento de pescador amador em Senra que se encontrava no seu kayak no Rio Lima, junto da praia fluvial da Senra, na freguesia de São Jorge em Arcos de Valdevez.

Segunda corporação arcuense, os Bombeiros de Arcos de Valdevez receberam um pedido de socorro feito por um pescador, de 48 anos, foi surpreendido pela subida repentina das águas após uma descarga da Barragem de Touvedo, em Ponte da Barca.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Os Bombeiros Voluntários de Arcos de Valdevez deslocaram para o local duas viaturas com sete operacionais, constituindo equipa de mergulho e resgate, mais equipa de apoio.

Nesta operação algo arriscada dado as fortes correntes verificadas local, os mergulhadores dos BVAVV conseguiram levar a bom porto esta operação e resgatar o pescador e o seu kayak para terra firme sem que algo de maior lhes acontecesse.


LEIA MAIS: Força Aérea mostra como resgatou jovem casal no Gerês

O pescador apenas apresentava alguma ansiedade e fadiga muscular por ter estado algum tempo a “lutar” contra a corrente para se manter preso à vegetação e não ir pelo rio abaixo.

No final e já em terra firme, o pescador amador agradeceu encarecidamente aos soldados da paz arcuenses a sua ajuda e intervenção.

A corporação arcuense destacada que “como sempre seguimos fortíssimos ao serviço da população em todas as áreas do socorro”.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Populares