Seguir o O MINHO

Guimarães

Guimarães apoia munícipes carenciados no acesso a medicamentos

em

Foto: Divulgação

Garantir o acesso ao medicamento, em ambulatório, por parte de qualquer cidadão que, em Portugal, se encontre numa situação de carência económica que o impossibilite de adquirir os medicamentos comparticipados que lhe sejam prescritos por receita médica, é o objetivo do “Programa Abem: Rede Solidária do Medicamento” e a sua operacionalização está essencialmente alicerçada na capacidade e logística da rede das Farmácias Portuguesas.

A Câmara Municipal de Guimarães já entregou, até o momento, 63 cartões a munícipes vimaranenses, devidamente referenciados pela Divisão da Ação Social e regista a entrada de várias candidaturas que estão em fase de avaliação para referenciação.

Este é o resultado do protocolo que foi celebrado no passado mês de março entre a Autarquia e a Associação Dignitude, responsável pelo programa. Esta Instituição Particular de Solidariedade Social, fundada em novembro de 2015, por entidades do setor social e do setor da saúde, tem por missão o desenvolvimento de programas solidários de grande impacto social, que promovam a qualidade de vida e o bem-estar dos portugueses, pretendendo assumir-se como uma Plataforma de Responsabilidade Social.

Em Guimarães, as farmácias que integram a rede solidária do medicamento são as seguintes: Farmácia Horus (Toural), Farmácia Vitória (GuimarãesShopping), Farmácia Santo António (Urgeses), Farmácia Barbosa (Toural), Farmácia São Torcato (Avª São Torcato Mártir), Farmácia Dias Machado (Rua 25 de abril), Farmácia Castilho (Pevidém), Farmácia Nunes de Sá (Fermentões), Farmácia São João de Ponte (Campelos), Farmácia Vieira de Castro (Cruz D’Argola) e Farmácia Avenida (Avª D. João IV).

Anúncio

Guimarães

Mãe de bebé de Guimarães agradece ao INEM, bombeiros e CODU

Carta foi divulgada na internet

em

Foto: DR/Arquivo

19 de Fevereiro. Um bebé de 12 meses tem uma “convulsão febril”, na cidade de Guimarães pouco passava das 21:00. João Afonso é prontamente assistido pela emergência médica e a mãe enviou “um agradecimento” pelo trabalho desenvolvido na noite fria de Inverno pelos profissionais de saúde.

No email agora divulgado pelo INEM, Ana agradece “a prontidão da emergência: são profissionais como vocês que nos fazem sentir seguros nestes momentos de aflição, de desespero e de total impotência. Obrigada pela rapidez. Obrigada ao operador do CODU, pela calma como me dizia para efetuar os procedimentos necessários; irei sempre reconhecer a sua voz. Obrigada aos bombeiros voluntários das Caldas das Taipas; Obrigada ao médico e enfermeiro do INEM de Guimarães, por transmitirem calma e serenidade, apesar da situação difícil”, lê-se no documento em que a mulher faz um relato emocionante sobre a ajuda que teve no dia em que o filho sofreu a convulsão.

A mãe de João Afonso conclui o email em letras maiúsculas e com um grande agradecimento: “Obrigada por existirem profissionais como vocês”.

O INEM fez questão de divulgar o nome de todos os operacionais que participaram no salvamento deste bebé.
No Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) Norte estavam os Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar Pedro Dias e Vítor Gonçalves, na Viatura Médica de Emergência e Reanimação de Guimarães, o médico Rui Pinto e o enfermeiro André Barbosa e na Ambulância de Socorro dos Bombeiros Voluntários das Taipas seguiam os bombeiros Luís Lopes e Domingos Abreu.

Continuar a ler

Guimarães

Guimarães lembra que já isenta de IMI prédios do Centro Histórico desde 2017

Isenção de IMI nos Centros Históricos

em

Foto: DR / Arquivo

O presidente da câmara de Guimarães lembrou que a autarquia já isenta do pagamento de IMI os prédios no Centro Histórico desde 2017, congratulando-se com o reconhecimento por parte das Finanças daquele direito.

Hoje, na reunião do executivo, Domingos Bragança (PS) lembrou que aquela isenção “já é feita” em Guimarães, na sequência de uma decisão de 16 de novembro de 2017 “de acordo com a lei em vigência” à data, sendo que em 2018 a autarquia concedeu 265 pedidos de isenção, medida que terá tido um impacto de um milhão de euros nas contas da autarquia.

A subdiretora-geral dos Impostos, Lurdes Ferreira, enviou a todas as repartições de Finanças do país uma circular, na sequência de um acórdão do Supremo Tribunal Administrativo em fevereiro e que uniformizou jurisprudência sobre o pagamento de IMI nos Centros Históricos classificados pela UNESCO.

“Vamos aderir também à lei rigorosamente. Se o Governo já deu orientação à Autoridade Tributária, temos que fazer aplicar a isenção global a todos os edifícios”, disse, apontando existirem cerca de 500 no Centro Histórico de Guimarães.

“Desde 2017 que não cobramos e congratulamo-nos com esta decisão”, disse o autarca.

A Câmara Municipal de Guimarães terá que fazer alguns “ajustes” ao regime que tem aplicado e que já isenta moradores do centro histórico do pagamento de IMI. A referida circular é para aplicar a “todos os prédios” e em Guimarães um dos requisitos para aquele benefício era o estado do prédio, não sendo concedido a prédios devolutos.

“Vamos aplicar a lei rigorosamente e tratar das adaptações necessárias”, esclareceu o autarca.

Do lado do PSD, o líder da oposição André Coelho Lima salientou que “esta não é uma medida do Governo” mas sim “o cumprimento de uma decisão judicial, de uniformização de jurisprudência que vem clarificar que nos termos do Código do IMI os Centros Históricos tem direito a isenção de IMI”.

Com esta decisão do Governo, os moradores das zonas classificadas pela UNESCO no Porto, Guimarães (distrito de Braga), Évora, Sintra (distrito de Lisboa), Angra do Heroísmo (Açores), Óbidos (distrito de Leiria) e Elvas (distrito de Portalegre) já não têm de recorrer aos tribunais para ver reconhecido o direito de não pagar IMI.

Desde 2009, as Finanças passaram a considerar que só os prédios classificados individualmente como monumento nacional é que estavam isentos de IMI, independentemente de estarem em zona classificada.

Contudo, os proprietários têm contestado a cobrança e os tribunais têm-lhes dado razão, obrigando o Governo a devolver, com juros, o valor pago, refere a edição de dia 17 do JN.

No documento, é também referido que as repartições têm ordem para “não contestar processos novos, não recorrer de decisões judiciais desfavoráveis” e devem ainda “promover a desistência dos recursos que tiverem sido interpostos”.

Continuar a ler

Guimarães

Guimarães: Um em cada quatro adolescentes passa a maior parte do tempo livre nas redes sociais

Pediatras do HSOG alertam para a necessidade de informar os adolescentes sobre os riscos

em

Foto: Ilustrativa

Um estudo realizado por médicos do Serviço de Pediatria do Hospital da Senhora da Oliveira Guimarães (HSOG) concluiu que 28% dos adolescentes da região de Guimarães e Vizela tem nas redes sociais a atividade que ocupa a maioria do seu tempo livre.

Numa nota enviada a O MINHO, fonte daquele hospital refere que, no estudo, é notado, também, que os pais têm cada vez maior dificuldade em controlar o acesso dos filhos a estas plataformas, ainda que a maior parte dos adolescentes já mentiu sobre a idade para ter acesso a conteúdo limitado e entendem que os conteúdos publicados não prejudicam a sua privacidade.

“As redes sociais e o adolescente” é o nome do estudo realizado por Alícia Rebelo, Sofia Vasconcelos, Liliana Macedo e Miguel Salgado médicos do Serviço de Pediatria do Hospital de Guimarães. Os objetivos do estudo passaram por caracterizar a utilização de redes sociais entre os adolescentes, avaliar o conhecimento dos adolescentes sobre os riscos associados e identificar o tipo de monitorização parental. Para tal contaram com 3.518 questionários validados a alunos de idades entre os nove e os 21 anos do Agrupamento de Escolas Francisco de Holanda (Guimarães), do Agrupamento de Escolas de Infias (Vizela) e da Escola Secundária Martins Sarmento (Guimarães), durante o ano letivo 2017/18.

Dos resultados obtidos, no que se refere ao parâmetro de caracterização de utilização, destaca-se que 98% dos adolescentes são utilizadores de redes sociais, que iniciaram esta utilização entre os 10-12 anos e que o YouTube, o Instagram e o Facebook são as redes mais usadas. Ainda que utilizam estas redes várias vezes por dia, durante 1-2 horas, predominantemente à noite, que 28% tem nas redes sociais a atividade que ocupa a maioria do seu tempo livre, mas que 97% prefere estar com os seus amigos pessoalmente. No parâmetro da monitorização parental, é constatado que 85% dos adolescentes teve autorização dos pais para criar conta de acesso, mas também que 85% afirma que os pais não sabem a palavra-passe de acesso a essa conta.

No capítulo da perceção do risco, destaca-se nas respostas que 65% já contactou com desconhecidos, que 61% já mentiu sobre a idade para ter acesso a conteúdo limitado e que os adolescentes entendem que os conteúdos publicados não prejudicam a sua privacidade e ainda que 39% considera que os conteúdos que publica não influenciarão o seu futuro.

Uma das médicas responsáveis pelo estudo, Alícia Rebelo, refere a propósito que “enquanto pediatras cabe-nos não só tratar as doenças dos adolescentes, mas também prevenir e promover o seu bem-estar geral. O acesso às redes sociais é uma realidade. É um acesso fácil, temos a tecnologia desse acesso no bolso, através por exemplo do smartphone. Entendemos que as redes sociais não devem ser diabolizadas. Elas têm muitos benefícios e vantagens, como o desenvolvimento de capacidades técnicas ou a interação entre pares. Mas têm também obviamente os seus riscos. Com este estudo tentamos perceber como podemos ajudar e educar para uma utilização segura e positiva destas redes sociais. Importa por exemplo salientar que os adolescentes utilizam as redes para interação com amigos, para conversar, e que 10% as utiliza para promover capacidades artísticas, como por exemplo partilhar fotos ou vídeos da sua autoria. A utilização das redes é uma atividade que pode e deve ser aproveitada de forma construtiva e benéfica para o adolescente”.

As conclusões dos médicos apontam para que a tecnologia tem uma presença constante no quotidiano dos adolescentes, que o acesso às redes sociais é uma das atividades mais comuns entre os adolescentes, que o controlo parental é cada vez mais difícil no que diz respeito à monitorização dos conteúdos partilhados e das políticas de privacidade, mas também que o tema das redes sociais é atual e que requer intervenção na comunidade, alertando para os benefícios e riscos da sua utilização.

“O que temos que fazer é alertar os adolescentes, de uma forma aberta e honesta, dos riscos que correm nas redes. Se estiverem cientes disto, irão atuar de forma mais cautelosa, minimizando esses riscos e aproveitando os benefícios que estas redes sociais proporcionam”, finaliza Alícia Rebelo.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Vamos Ajudar?

Reportagens da Semana

Populares