Seguir o O MINHO

Braga

Autarca de Tadim, em Braga, garante que fez queixa à PJ de desvio de 23 mil euros

Não mostra documento a conselho do advogado

em

Foto: Ilustrativa

O presidente da Junta de Freguesia de Tadim, Manuel Faria, garantiu, hoje, em declarações a O MINHO que foi apresentada queixa à PJ/Braga do alegado desvio de 23 mil euros por parte do antigo tesoureiro: “Dei disso conhecimento aos membros da Assembleia de Freguesia”.

O autarca socialista explica que não divulga o teor da queixa nem entrega cópia, a conselho do advogado da Junta, mas adianta que esta pode ser consultada na PJ.

Conforme O MINHO noticiou esta sexta-feira, os eleitos da coligação Juntos por Braga (PSD/CDS) na Junta de Freguesia de Tadim, pediram, ontem, ao Ministério Público do Tribunal local que investigue o alegado desvio de 23 mil euros das contas de 2020 da autarquia, em proveito próprio, feito pelo tesoureiro – entretanto substituído.

Rolando Vilaça, membro da Assembleia de Freguesia, adiantou a O MINHO que o presidente da freguesia, Manuel Faria, do PS, disse que mostraria à coligação o documento da queixa que diz ter feito à PJ de Braga, mas não o fez: “Como não cumpriu, demos-lhe três dias para o fazer. Como o prazo passou, fizemos queixa ao Ministério Público, à Inspeção-Geral da Administração Interna e à Inspeção de Finanças”.

A Coligação – acrescentou – quer responsabilizar diretamente Manuel Faria, não aceitando que este deite as culpas para o ex-tesoureiro, já que os cheques e as contas bancárias tinham de ter duas assinaturas”.

Aproveitamento partidário

Em agosto, e conforme também noticiámos, Manuel Faria afirmou que o caso fora já comunicado à PJ e aproveitou para desmentir que as contas tenham um total de 49 mil euros em falta, conforme havia sido avançado pela oposição PSD/CDS (Coligação Juntos por Braga), facto que considera ser apenas “aproveitamento político-partidário”.

O autarca manifesta, ainda, toda a disponibilidade para esclarecer os tadinenses, “mostrando a documentação do processo a todos os cidadãos que o desejem”.

Desvio de 23 mil

Na última Assembleia de Freguesia, convocada pela coligação, o presidente da Junta disse que o Tesoureiro terá procedido ao desvio da verba devido a problemas empresariais”, salientando que se comprometeu a repor o dinheiro, mas sem se comprometer com uma data.

Questionado pelos quatro membros da oposição sobre as medidas tomadas, o autarca explicou que foi enviada queixa à PJ e ao Ministério Público, mas escusou-se a entregar uma cópia à oposição.

Na ocasião, Manuel Faria disse que o executivo da Junta iria mostrar os documentos aos cidadãos, nomeadamente o Relatório de Contas já corrigido com o lançamento do “desvio”, mas não os entregou à oposição,” algo que foi pedido e que é um direito inerente à votação e aprovação das contas”.

Detetado pela oposição

O caso rebentou na Assembleia de Freguesia de 15 de junho, na votação do Relatório de Gestão e Prestação de Contas. A Coligação detetou, por comparação com o mapa de caixa de 2019, a falta do dinheiro. Confrontado com o facto, o presidente terá respondido – afirmam – que “não tinha sido detetada nenhuma falta de dinheiro”, mas não soube explicar o erro nas contas. Por isso, a votação ficou para 22 de junho.

A 19 de junho foi enviado pelo autarca, um email à coligação com as explicações do contabilista: “O problema devia-se a uma mudança de software e, por isso, não se tinha feito o lançamento dos 49.793 euros”.

A seguir, na reunião de aprovação das contas, a Junta entregou o mapa de fluxos de caixa com a inclusão do valor em falta. Aí, a coligação perguntou onde estava o mapa de execução orçamental e, “para espanto de todos”, o presidente disse que não era necessário. Por falta de dados, a oposição votou contra, exigindo a entrega dos documentos, e dos extratos bancários.

Demissão

Dias depois, – sublinha a oposição – “a Junta veio lamentar a demissão do Tesoureiro, e anunciou nova Assembleia, para a sua substituição”.

A 12 de julho, fez-se nova Assembleia. Antes de se iniciar, foi a oposição “chamada à parte e informada pelo presidente da Junta, na presença do secretário e do presidente da Assembleia, que o anterior tesoureiro, teria desviado 23 mil euros tendo mostrado alguns documentos alusivos ao facto”.

Populares