Seguir o O MINHO

Região

Proteção Civil corrigiu informação sobre alerta laranja no distrito de Braga – afinal, é alerta amarelo

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

Afinal, o distrito de Braga não está em alerta laranja. A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) corrigiu a informação inicialmente transmitida às redações e colocou, isso sim, em alerta laranja, o segundo mais grave da escala, o distrito de Aveiro e, ainda, os distritos de Lisboa e Porto, conform já havia dito antes, devido à pandemia covid-19, anunciou hoje a entidade.


Em conferência de imprensa, o comandante nacional da Proteção Civil, Duarte Costa, disse que a decisão de elevar o estado de alerta deve-se ao facto de aqueles distritos serem os que apresentam mais riscos e mais casos de infeções.

A medida, prosseguiu, pretende mitigar os efeitos da pandemia e implica maior prontidão e disponibilidade dos meios da Proteção Civil.

Os restantes distritos, entre os quais Braga e Viana do Castelo, no Minho, continuam em alerta amarelo, o terceiro mais grave da escala.

Na terça-feira, as autoridades já tinham ativado o plano nacional de emergência de proteção civil devido à pandemia provocada pelo novo coronavírus.

O número de casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus, que causa a doença Covid-19, subiu para 2.995 casos em Portugal, mais 633 do que ontem, anunciou esta quarta-feira a Direção-Geral da Saúde (DGS).

1.517 casos são no Norte do país, 992 na Grande Lisboa e 365 no Centro. Algarve tem 62 casos confirmados, Açores 17 e Madeira 16. O Alentejo regista doze casos. Há ainda 14 portugueses no estrangeiro com confirmação de infeção.

Há 1.591 casos suspeitos que aguardam resultado laboratorial e 22 pacientes dados como curados.

A nível nacional existem 276 casos internados, 61 em estado grave/crítico.

Foram confirmados 43 óbitos, mais 10 do que ontem.

Anúncio

Braga

Trio elétrico da TVI vai andar sem rumo em Vila Verde. Vereador propõe boicote

Polémica

em

Foto: Divulgacao

Estalou (nova) polémica na classe política em Vila Verde, desta vez impulsionada pela presença de um trio elétrico de um programa da TVI no próximo domingo pelas ruas do concelho. A oposição política defende um boicote da população para evitar aglomerados. A Câmara, de executivo PSD, garante que a viatura será escoltada pela GNR e que o itinerário não será divulgado para evitar ajuntamento popular.

Em causa está o programa Somos Portugal, emitido a partir de Lisboa mas que terá uma apresentadora (Rita Pereira) a percorrer as ruas do concelho minhoto com três artistas que darão música ao povo.

O anúncio foi feito ao final da manhã desta sexta-feira através das redes sociais da autarquia. No domingo, o programa regressa a Vila Verde num formato diferente do habitual, face à pandemia de covid-19.

Em Lisboa, promotores do concelho vão mostrar “o melhor do território”, diz a autarquia, enquanto Rita Pereira liderará a viatura em circulação pelo concelho, de forma a mostrar as “magníficas paisagens” de Vila Verde.

Na mesma publicação, a autarquia pede à população que cumpra as normas e evite aglomerados nas ruas, pedindo ainda a utilização de máscara.

 José Morais, vereador sem pelouro do Partido Socialista, veio apelar a um boicote da população, assumindo-se contra o evento por dois motivos: por causa de uma “frágil situação sanitária que pode explodir a qualquer momento” e porque “é difícil controlar o número de presentes dando um sinal errado à sociedade”.

“Não se juntem na rua, não deixemos que o bom nome da nossa terra seja enxovalhado por se verem ajuntamentos. Quem gosta do programa, sugiro que desta vez o acompanhe pela televisão, pela nossa saúde e pelo bom nome da nossa terra”, diz o socialista num vídeo publicado no YouTube.

Na resposta, o chefe de gabinete do presidente da Câmara explica que o itinerário não será divulgado e que duas patrulhas da GNR vão acompanhar o trio elétrico para evitar ajuntamento de pessoas.

Através das redes sociais, Carlos Tiago Alves, ex-líder da JSD de Vila Verde, assegura que não existirá nenhum palco fixo no concelho para este programa que, diz o responsável, serve para “divulgar” as “belas paisagens” através do “programa líder dos domingos à tarde na TV portuguesa”.

Garante que o “camião palco” percorrerá “várias artérias do concelho de Vila Verde, [e que] em momento algum parará, sendo acompanhado por dois carros batedores da brigada de trânsito da GNR”.

Assegura ainda que o formato do programa foi autorizado pela Direção-Geral da Saúde e garante que os vila-verdenses estarão “à altura” do desafio de receber este programa, por sempre terem demonstrado bom desempenho nas fases mais críticas da pandemia.

Continuar a ler

Alto Minho

GNR de Monção alegadamente filmado a importunar sexualmente uma mulher no posto

Abuso sexual

em

Foto: DR

O comandante da GNR de Monção está a ser alvo de um processo interno, na sequência de uma denúncia de alegada “importunação sexual” a uma mulher no interior do posto, disse hoje à Lusa o Comando Geral daquela força.

Em resposta escrita enviada à Lusa, o Comando Geral da GNR acrescentou que a situação também já foi comunicada ao Ministério Público.

“Decorre processo interno para apurar as circunstâncias do ocorrido, tendo o militar em apreço sido transferido preventivamente para a sede do Destacamento Territorial de Valença, nos termos do Regulamento de Disciplina da GNR”, diz o Comando Geral da GNR.

A situação terá sido gravada por uma câmara oculta.

A Lusa contactou também o comando distrital da GNR de Viana do Castelo, que se escusou a qualquer comentário.

Continuar a ler

Região

Juiz manda prender jovem traficante que abastecia Barcelos, Esposende e Famalicão com droga

Tráfico de Droga

em

Foto: DR

O Tribunal de Famalicão aplicou prisão preventiva a um homem de 27 anos detido na quarta-feira pela GNR em Grimancelos, Barcelos, por tráfico de estupefacientes, anunciou hoje aquela força.

Na operação, a GNR apreendeu 1.547 doses de haxixe, 274 doses de cocaína e cinco gramas de canábis, além de uma balança de precisão, um computador portátil e duas facas.

Segundo a GNR, o suspeito tem antecedentes criminais e vendia cocaína, haxixe e canábis nos concelhos de Barcelos, Vila Nova de Famalicão e Esposende.

Continuar a ler

Populares