Seguir o O MINHO

Braga

Utente de lar em Braga morre com Covid-19. Neto fala em “negligência” e reclama “justiça”

em

Uma utente do lar Asilo de São José, em Braga, morreu, esta quarta-feira, infetada com o novo coronavírus, que causa a Covid-19, disseram a O MINHO  fontes hospitalar, do lar e da família. De acordo com as informações conhecidas, este é o terceiro utente de um lar de Braga que morre face à nova doença, depois de dois óbitos no lar Resisénior.


Hannelor Fischer Cruz, 78 anos, professora de origem austríaca bastante conhecida na sociedade civil de Braga, não resistiu aos sintomas provocados pela infeção, acabando por morrer no Hospital de Braga durante a madrugada desta quarta-feira.

A docente de música terá começado a sentir os primeiros sintomas na passada segunda-feira da outra semana, mas apenas no sábado foi transportada para a urgência hospitalar, por suspeitas do novo vírus.

Miguel Fischer Cruz, neto da falecida, mostra-se revoltado pela demora nos serviços daquela instituição para idosos em chamar os serviços do INEM, uma vez que, segundo diz, esta apresentava sintomas e queixas desde há três dias, antes de ser internada.

Já havia um utente infetado, mas lar diz que contraiu no hospital

Recorde-se que há um utente daquele lar internado no Hospital de Braga há mais de uma semana, por, alegadamente, ter contraído a infeção fora da instituição, ou pelo menos assim asseguram os responsáveis, apontando até que o vírus deverá ter sido contraído durante os tratamentos de hemodiálise realizados no hospital bracarense.

A O MINHO, o familiar admite que não se sabe se o óbito ocorreria na mesma, caso a avó fosse transportada logo na quinta-feira, mas acusa o lar de “negligência” por ter ignorado os alertas da utente e do próprio neto.

“Ela começou a dizer-me que se sentia mal no passado dia 16 e eu contactei os serviços médicos do lar, mas disseram-me que não havia motivo para alarme e que todos os idosos estavam em isolamento desde o passado dia 06 de março, desde que foi decretado pelo Governo a proibição de visitas a estas instituições”, refere. A última vez que Hannelore saiu do lar foi no dia 05 de março, para ir a um cabeleireiro.

Os sintomas começaram com febre e tosse seca. No dia seguinte, terça-feira, a febre permaneceu e começou com dificuldades respiratórias, o mesmo se verificando na quarta-feira.

“Na quinta-feira ela ligou-me desesperada, como nunca tinha feito antes, a pedir-me para ligar aos enfermeiros porque tinha a certeza que estava com o vírus”, conta o neto.

Miguel terá ligado para o lar de seguida, mas, segundo o próprio, terão dito que “o antibiótico para a febre ainda não tinha tido efeito”, algo que inquietou o neto por saber que, caso fosse Covid, aquele remédio não surte efeito.

Internada de urgência na ala dos infetados com Covid-19

No sábado, Miguel recebeu um contacto do lar, informando que a avó ia ser encaminhada para o Hospital de Braga via INEM e que iriam tentar fazer “o melhor possível”.  Ainda não tinha sido feito o teste de despistagem, mas a equipa médica avançou que havia uma probabilidade forte de ela ter contraído Covid-19.

“Ainda no sábado, colocaram logo a minha avó na unidade de infetados, embora o lar diga que ela não tinha acusado positivo”, diz Miguel.

No Hospital de Braga, uma enfermeira terá dito que os níveis de toxicidade do corpo de Hannelore estavam “acima do normal”, pelo que deveria ter sido hospitalizada anteriormente.

A partir daí, Miguel nunca mais soube nada da avó, até esta quarta-feira, quando lhe ligaram do hospital a dizer que tinha falecido, infetada com o novo coronavírus.

Confirmados mais três utentes infetados no Asilo S. José em Braga

Não tinha quaisquer problemas de saúde, afirma o neto

“A minha avó tinha plena saúde, não tinha problemas respiratórios, tinha alguns problemas de azia no estômago, só tomava umas capas protetoras. Fazia análises de dois em dois meses e estava sempre tudo bem”, assegura o neto.

“Agora não posso fazer um funeral, porque agora sai do hospital e vai para o crematório, é cremada as 3:30 da tarde, amanhã, em Braga, e nem posso estar lá dentro, sequer, tenho de esperar na rua”, lamenta.

Miguel mostra-se indignado com as sucessivas declarações de responsáveis do lar desde o passado domingo, quando O MINHO noticiou em primeira mão que existiam vários utentes com sintomas de Covid-19 dentro do lar, e que uma utente tinha sido hospitalizada por, ao que tudo indicava (e agora confirmado), estar infetada com o vírus.

Cerca de 50 utentes de lar em Braga com “febres altas”. Há já um caso positivo de Covid-19

O lar mandou-me f****

“Ignoraram os meus alertas, desmentiram o que os jornais escreviam, e agora ligam a dizer que ela morreu, para tratar do funeral. Já tenho aqui a certidão de óbito e depois hei-de receber um pote com as cinzas”, diz Miguel, visivelmente revoltado.

Lar de Braga confirma utente infetado mas diz que “contraiu no hospital há oito dias”

“A minha avó não era lorpa, era uma professora catedrática, foi mulher de médico de clinica geral durante 40 anos, percebe de medicina e dizia-me que estava infetada com Covid e o lar mandou-me f****, desculpando a expressão. E agora a minha avó morreu”.

O MINHO contactou a diretora-técnica do Asilo São José, que confirmou o óbito por Covid, mas não quis prestar declarações nesta altura.

O MINHO também confirmou junto de fonte hospitalar credível que Hannelore está sinalizada como vítima mortal de Covid-19.

Figura acarinhada na sociedade civil bracarense

Hannelore, até pelo seu nome peculiar, era uma figura conhecida na sociedade bracarense. Nascida em Viena de Áustria, em 1943, mudou-se ainda em criança para Braga, onde concluiu o Curso Geral de Piano e Superior de Canto no Conservatório Calouste Gulbenkian. Enveredou pelo ensino de Música.


Panis Angelicus (Cesar Frank), Interpretado pela Soprano Hannelore Fischer Cruz e pelo Grupo Coral da Associação Cultural e Recreativa de Dume – Braga, no Concerto de Páscoa em 17 de Abril de 2010

Lecionou Educação Musical no segundo ciclo da EB 2 e 3 André Soares, Canto na Academia de Guimarães e na Academia de Barcelos e foi professora de Técnica Vocal na Universidade do Minho.

Cerca de 3 mil infetados em Portugal

O número de casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus, que causa a doença Covid-19, subiu para 2.995 casos em Portugal, mais 633 do que ontem, anunciou esta quarta-feira a Direção-Geral da Saúde (DGS).

1.517 casos são no Norte do país, 992 na Grande Lisboa e 365 no Centro. Algarve tem 62 casos confirmados, Açores 17 e Madeira 16. O Alentejo regista doze casos. Há ainda 14 portugueses no estrangeiro com confirmação de infeção.

Há 1.591 casos suspeitos que aguardam resultado laboratorial e 22 pacientes dados como curados.

A nível nacional existem 276 casos internados, 61 em estado grave/crítico.

Foram confirmados 43 óbitos, mais 10 do que ontem.

Anúncio

Braga

GNR de Braga condenado por desviar 105 euros de carteira encontrada na rua

Justiça

em

Foto: DR / Arquivo

O Tribunal de Braga condenou a um ano e seis meses de prisão, com pena suspensa durante dois anos, um militar da GNR de Braga que, em 2018, se apoderou de 105 euros de uma carteira encontrada na via pública, avança o Jornal de Notícias (JN).

O militar da GNR de Braga ficou ainda obrigado a, no prazo de seis meses, doar mil euros à Liga Portuguesa Contra o Cancro.

Na sentença, de acordo com o JN, o juiz lembrou que o arguido pertence a uma instituição militar, o que agrava o crime.

A advogada Mariana Agostinho disse àquele jornal diário que vai ponderar eventual recurso. Se não o fizer, o militar, que se encontra suspenso da GNR, será de imediato alvo de um processo disciplinar.

O arguido negou em julgamento a intenção de ficar com o dinheiro, dizendo que o colocou num envelope numa gaveta para o entregar.

Foi denunciado pela mulher que encontrou a carteira e a entregou, em outubro de 2018, no posto da GNR de Braga, com documentos e 105 euros.

Segundo a acusação, citada pelo JN, o militar elaborou um “auto de achado”, mas só ele próprio assinou e sem mencionar o que se encontrava na carteira.

Posteriormente, ainda de acordo com aquele jornal, a cidadã, que ficou com o nome da dona da carteira, voltou à GNR a perguntar pelo destino do dinheiro e concluiu que o mesmo desaparecera e não constava dos registos.

Desencadeou-se, então, um processo interno, com a consequente participação criminal.

Após este episódio, o militar devolveu o dinheiro à proprietária.

Continuar a ler

Braga

Distrito de Braga continua sob aviso amarelo. Termómetros sobem aos 37º

Meteorologia

em

Foto: DR / Arquivo

Treze distritos de Portugal continental estão hoje sob aviso amarelo devido à previsão de tempo quente, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Os distritos de Braga, Vila Real, Bragança, Guarda, Coimbra, Leiria, Castelo Branco, Santarém, Portalegre, Lisboa, Setúbal, Évora e Beja estão sob aviso até às 21:00 de hoje devido à persistência de valores elevados da temperatura máxima.

Em Braga os termómetros vão subir aos 37º.

O aviso amarelo é emitido pelo IPMA sempre que existe uma situação de risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica.

O IPMA prevê a continuação de tempo quente, com uma subida gradual a partir de hoje e pelo menos até sexta-feira.

Durante esta semana a temperatura máxima deverá variar entre 30 e 35 graus Celsius no litoral, devendo atingir valores entre 35 e 40 graus nas regiões do interior.

Também a temperatura mínima apresenta tendência para uma subida gradual, com valores que deverão ser superiores a 20 graus em grande parte do território continental, em especial no interior e no sotavento algarvio, e que são classificadas como noites tropicais.

De acordo com o IPMA, os valores de temperatura estão acima do habitual para a época do ano e esta persistência poderá levar a uma situação de onda de calor em diversos locais do país, em especial no interior.

Na origem do tempo quente está, segundo o IPMA, um “anticiclone localizado a nordeste dos Açores, que se estende em crista até ao Golfo da Biscaia, em conjunto com um vale depressionário desde o norte de África até à Península Ibérica, origina o transporte de uma massa de ar quente do norte de África a qual será responsável pela persistência de valores elevados de temperatura ao longo da semana”.

O IPMA prevê para hoje além do tempo quente, céu pouco nublado ou limpo, apresentando períodos de maior nebulosidade nas regiões do interior durante a tarde.

Aguarda-se também vento em geral fraco do quadrante norte, soprando temporariamente moderado a partir do início da tarde, e sendo por vezes forte nas terras altas até meio da manhã e a partir do final da tarde.

A previsão aponta ainda para a possibilidade de formação de neblina ou nevoeiro matinal em alguns locais da faixa costeira ocidental e pequena subida de temperatura.

As temperaturas mínimas vão oscilar entre os 16 graus Celsius (na Guarda, Leiria, Setúbal, Évora e Beja) e os 22 (em Faro e Portalegre) e as máximas entre os 28 (em Aveiro) e os 38 (em Santarém).

Continuar a ler

Braga

Polícia Municipal bloqueia entradas na praia de Adaúfe. Condutores revoltados

Estado de Alerta

em

Foto: Carlos Dobreira

A Polícia Municipal de Braga bloqueou a entrada na praia fluvial de Adaúfe, em Braga, ao início da tarde deste domingo, causando alguma revolta nos condutores que para lá se dirigiam, confirmou O MINHO junto de Nuno Ribeiro, coordenador daquela autoridade.

Depois de no dia anterior a polícia ter levado a cabo ações de sensibilização junto de pessoas que se aglomeravam e consumiam álcool fora dos espaços permitidos, hoje decidiram adotar uma medida preventiva após perceberem que a lotação máxima de banhistas estava a ser excedida, segundo as normas em vigor durante o corrente Estado de Alerta.

Banhistas aglomerados consomem álcool na praia de Adaúfe em Braga. Polícia teve de intervir

“Como medida preventiva, decidimos colocar uma equipa da PM em prevenção durante toda a tarde naquele espaço e bloqueamos a entrada com uma viatura-reboque para impedir que mais automobilistas acedessem à praia”, explicou.

“Alguns condutores ficaram revoltados mas têm de compreender que estamos a fazer cumprir as regras”, sublinhou, acrescentando que “não houve identificações nem multas”.

Os agentes voltaram a realizar ações de sensibilização junto dos banhistas que hoje estavam “mais bem comportados”, não existindo situações de consumo de álcool fora do bar nem grandes aglomerados, apesar da praia estar lotada.

Praias fluviais de Braga e Fafe atingem lotação máxima logo ao início da manhã

Recorde-se que, desde as 10:00 horas desta manhã de domingo, a aplicação Info Praia dava Adaúfe como já tendo atingido a lotação máxima de banhistas, conforme previamente assinalado em decreto-lei pelo Conselho de Ministros.

Continuar a ler

Populares