Seguir o O MINHO

Braga

Confirmados mais três utentes infetados no Asilo S. José em Braga

Covid-19

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Mais três utentes do lar Asilo S. José, em Braga, acusaram positivo nos testes de despistagem ao novo coronavírus, que provoca a doença Covid-19, confirmou a O MINHO fonte da instituição.


Segundo Maria Luísa, diretora-técnica, os três doentes são pessoas muito limitadas, sem condições de mobilidade, pelo que permanecem no lar em devido isolamento profilático, enquanto são medicados.

Para além destes três casos, um outro utente do lar permanece internado no Hospital de Braga, depois de ter acusado positivo no domingo, conforme noticiou O MINHO em primeira mão.

A responsável explica a O MINHO que já foram realizados outros 60 testes de despistagem cujo resultado ainda não foi anunciado. Foram ainda pedidos mais 80 testes, para cobrir os 106 utentes da instituição, mas “existe dificuldades nos laboratórios” para a demanda de testes a nível nacional.

“Inicialmente pedimos 150 testes para cobrir utentes e colaboradores, mas apenas foram disponibilizados 60. Estamos a aguardar que cheguem os outros 80”, explica, salientando que a Câmara de Braga tem “sido prestável” nesta situação.

Visivelmente transtornada com toda a situação, a responsável admite que este está a ser um problema gravíssimo a nível mundial: “A sociedade não estava preparado para esta guerra mundial e com certeza todos os profissionais de saúde, dos lares, todos estão a dar o máximo que conseguem para evitar a propagação nos lares, que são as pessoas mais frágeis”.

Maria Luísa explica que os utentes que apresentaram sintomas de Covid-19 (e que são cerca de meia centena, como noticiou O MINHO em primeira mão), foram a prioridade para os 60 testes já realizados.

Cerca de 50 utentes de lar em Braga com “febres altas”. Há já um caso positivo de Covid-19

Cerca de 3 mil infetados em Portugal

O número de casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus, que causa a doença Covid-19, subiu para 2.995 casos em Portugal, mais 633 do que ontem, anunciou esta quarta-feira a Direção-Geral da Saúde (DGS).

1.517 casos são no Norte do país, 992 na Grande Lisboa e 365 no Centro. Algarve tem 62 casos confirmados, Açores 17 e Madeira 16. O Alentejo regista doze casos. Há ainda 14 portugueses no estrangeiro com confirmação de infeção.

Há 1.591 casos suspeitos que aguardam resultado laboratorial e 22 pacientes dados como curados.

A nível nacional existem 276 casos internados, 61 em estado grave/crítico.

Foram confirmados 43 óbitos, mais 10 do que ontem.

 

Anúncio

Braga

Mulher encontrada morta em caminho de terra em Braga

Polícia Judiciária está no local a fazer perícias

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO (Arquivo)

Uma mulher de 69 anos foi encontrada morta, na manhã desta quarta-feira, junto ao Caminho da Ordem, num caminho em terra a poucas dezenas de metros da estrada, em Dume, no concelho de Braga.

A Polícia Judiciária esteve no local a fazer perícias e está a investigar se haverá crime ou não.

O alerta foi dado por volta das 07:40, tendo os meios de socorro sido ativados para paragem cardiorrespiratória.

Ao que O MINHO apurou, a mulher estava caída no caminho em terra com ferimentos no rosto.

A vítima morava na Rua António José Lisboa, em Real, a cerca de 300 metros do local onde foi encontrada morta.

Chegados ao local, os Bombeiros Sapadores de Braga e a VMER não chegaram a fazer manobras de reanimação e alertaram as autoridades.

A PSP também esteve no local a isolar a área para a Polícia Judiciária recolher os indícios.

O corpo já foi removido pelos Sapadores para o Instituto de Medicina Legal.

Notícia atualizada às 11h48 com mais informação.

Continuar a ler

Braga

Agride vizinho com sachola em Vila Verde

Desavenças antigas na origem da agressão

em

Foto: DR / Arquivo

Um homem de 68 anos foi agredido à sacholada por um vizinho num terreno agrícola em Gondomar, Vila Verde. Segundo o Correio da Manhã (CM), que avança a notícia, desavenças antigas estarão na origem da agressão, que aconteceu na manhã de terça-feira.

A vítima foi transportada para o Hospital de Braga com ferimentos ligeiros na cara.

A GNR identificou o presumível agressor.

Os dois vizinhos ter-se-ão desentendido junto a uns terrenos agrícolas, no lugar de Meixoeira.

Ainda de acordo com o CM, na sequência da discussão, o alegado agressor, com 65 anos, terá na sachola e atacado o outro na cabeça.

Continuar a ler

Braga

PS de Vila Verde põe “divergências de lado” e apoia PSD nas “medidas” anti-covid

Covid-19

em

Foto: José Morais

O vereador do PS de Vila Verde, José Morais, manifestou hoje apoio ao executivo camarário liderado por António Vilela (PSD), para fazer face à segunda vaga da pandemia de covid-19.

Num vídeo publicado nas redes sociais e enviado às redações, o candidato à presidência da autarquia em 2017 manifesta “apoio total para aplicar as medidas necessárias”, deixando de lado questões antigas de divergências.

“Temos divergências políticas? Sim, temos. Porém, nesta luta estamos do mesmo lado. Neste combate, não há lugar para diferenças partidárias, religiosas, clubísticas ou quaisquer outras”, diz José Morais, apelidando esta nova vaga como “mais forte do que a primeira”.

“Infelizmente, Vila Verde é, neste momento, um dos concelhos sujeito às medidas mais restritivas aplicadas no país, mas sejamos sérios, a situação agravou-se em Vila Verde mas também se agravou no distrito, na região, no país e no mundo inteiro”, refere o vereador.

Apesar do apoio, lamenta que alguns “responsáveis políticos vão dizendo que está tudo bem, que está tudo controlado”.

“Não nos iludamos: Temos pela frente dias muito difíceis. Reconhecê-lo é o primeiro passo para o sucesso neste combate”, afirma.

“Sabemos que não é fácil encontrar o equilíbrio entre saúde e economia, mas estamos obrigados a fazê-lo. Andarmos na rua como se nada se passasse, não é solução, mas ficarmos todos fechados em casa, meses a fio, também não”, diz.

“Muitos concidadãos nossos já estão a passar muito mal e a situação tornar-se-ia insustentável. De que viveriam, por exemplo, feirantes, comerciantes, agentes culturais, pequenos empresários e outros, que não têm rendimentos garantidos?”, questiona.

“Não podemos deixar ninguém ficar para trás. Se cada um de nós for responsável nos seus comportamentos, sairemos vencedores neste combate. O caminho não é fácil, mas juntos conseguiremos”, finaliza o vereador.

Continuar a ler

Populares