Seguir o O MINHO

País

Programa de literacia põe alunos e professores a dar notícias pelo Instagram

“Literacia para os Media e Jornalismo”

em

Foto: DR / Arquivo

Um grupo de alunos da Caparica divulga notícias da escola, do bairro e do mundo numa página no Instagram, graças ao programa “Literacia para os Media e Jornalismo” que pretende chegar a todas as escolas do país.

Um grupo de jornalistas, especialistas em media e 100 professores do 3.º ciclo e secundário estiveram envolvidos num projeto de literacia mediática dirigidos aos alunos. No passado ano letivo, cinco agrupamentos de escolas, de diferentes regiões do país, avançaram com projetos-piloto.

No Agrupamento de Escolas da Caparica surgiu um dos projetos. Três professores e dezenas de alunos criaram uma página na rede social Instagram com fotografias e histórias da escola mas também com notícias do bairro e do mundo.

“Fomos à rua 15 e falámos com Lídia, que mora na primeira casa desta rua, há cerca de cinquenta anos”. É assim que começa uma das publicações da página de fotojornalismo “aec_oualgoassim” (que são as iniciais de Agrupamento de Escolas de Caparica e o nome do projeto chamado ‘ou algo assim’).

“Com recursos muito pequenos é possível fazer projetos muito interessantes”, sublinhou o professor universitário e especialista em media António Granado, durante o Encontro Nacional “Literacia Jornalismo – Práticas pedagógicas com os media e acerca dos media”, a decorrer na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

António Granado foi um dos formadores das oficinas que decorreram entre janeiro e abril deste ano com 20 professores da região de Lisboa e Vale do Tejo.

Os projetos de media nas escolas são uma forma de alertar para as ‘fake news’ (informações falsas).

“Só conseguimos resolver o problema das ‘fake news’ com a educação”, defendeu António Granado, lembrando que “haverá sempre pessoas interessadas em escrever notícias falsas”.

As cinco sessões entre académicos, jornalistas e professores de todo o país tiveram como objetivo disponibilizar aos docentes metodologias e recursos que pudessem depois desenvolver com os seus alunos.

Alguns professores admitiram ter dificuldades em lançar projetos como um jornal escolar, recordou António Granado, sublinhando a importância de os jornalistas estarem mais presentes nas escolas.

Hoje foi dia de fazer uma avaliação do projeto-piloto, que nasceu de uma parceria entre a Direção Geral de Educação e o Sindicato de Jornalistas.

Nove em cada 10 professores consideraram que as atividades desenvolvidas nas oficinas tinham sido úteis para os seus alunos e para a atividade letiva. No final, todos consideraram que o projeto tem de continuar e ser alargado a outras escolas.

A presidente do Sindicato de Jornalistas, Sofia Branco, vê o projeto como “legado para o futuro” e necessário na defesa do jornalismo.

“Os alunos e alunas não foram o nosso público direto, mas são o destinatário deste projeto”, lembrou Sofia Branco, vaticinando que “o jornalismo não sobreviverá sem eles”.

“Não há nenhuma democracia forte com uma comunicação social fraca”, alertou o Presidente da República numa mensagem gravada que foi transmitida.

Marcelo Rebelo de Sousa lembrou que é preciso sensibilizar para a importância da comunicação social e que é junto dos mais novos que se criam “hábitos de leitura, o apreço por jornais e a consideração pela rádio e televisão”.

Este projeto de intervenção tem como objetivo dar ferramentas a pelo menos dois professores da disciplina de cidadania em cada um dos 812 agrupamentos de escolas.

Anúncio

País

De sábado para domingo muda a hora

Hora de Inverno

em

Foto: DR / Arquivo

Portugal atrasa os relógios na madrugada de sábado para domingo e entra, por cinco meses, na hora de inverno.

Os relógios atrasam 60 minutos. Às 02:00, no continente, passa a ser 01:00 em Portugal Continental.

A hora de inverno estende-se até 29 de março de 2020.

As mudanças de hora, descritas no portal do Observatório Astronómico de Lisboa, entidade que regula a hora legal portuguesa, estão definidas por legislação nacional e comunitária e acontecem no último domingo de outubro (hora de inverno) e no último domingo de março (hora de verão).

Continuar a ler

País

Estradas com novos sinais de trânsito e de informação a partir de abril de 2020

em

Fonte: Diário da República

Novos sinais de trânsito e de informação, nomeadamente para indicar zonas de residência e de circulação de veículos com emissões reduzidas de poluentes, vão entrar em vigor em abril de 2020.

As alterações ao regulamento de sinalização de trânsito, esta terça-feira publicadas em Diário da República, indicam que a partir de 1 de abril de 2020 não podem ser colocados sinais novos que não estejam de acordo com as normas agora aprovadas.

O novo regulamento cria sinais de trânsito a indicar zonas de residência ou de coexistência de viaturas e peões, assim como zonas de emissões reduzidas, onde só podem circular veículos menos poluentes.

Entre os sinais de perigo, surgem a aproximação de uma passagem para velocípede, o aviso de que a via pode ser atravessada por linces-ibéricos e por anfíbios.

Fonte: Diário da República

Fonte: Diário da República

Já nos novos sinais de obrigação destacam-se os que indicam uma via obrigatória para motociclos e uma via reservada a veículos com alta taxa de ocupação.

Passam a estar igualmente previstos sinais de alerta, no pavimento da estrada, dos limites de velocidade em locais onde “possam ocorrer situações de especial perigosidade”, em complemento com a sinalização vertical existente, designadamente a que indica a proibição de circulação acima de 30 quilómetros por hora.

Quanto às marcas de sinalização no pavimento, foram introduzidas as suas dimensões com vista “à sua uniformização”.

Fonte: Diário da República

Fonte: Diário da República

Fonte: Diário da República

“Respondendo à evolução social introduzem-se novos sinais de informação, novos símbolos de indicação turística, geográfica, ecológica e cultural, bem como novos quadros com a representação gráfica dos sinais dos condutores, dos agentes reguladores do trânsito e a representação gráfica dos sinais luminosos”, frisa o decreto regulamentar.

Nas alterações feitas, as mais significativas desde 1998, são distinguidos os sinais de trânsito, os sinais dos agentes de trânsito e os sinais dos condutores, “clarificando-se que os sinais de trânsito incluem a sinalização temporária e compreendem os sinais verticais, as marcas rodoviárias e os sinais luminosos”.

A revisão do regulamento de sinalização de trânsito visa “o aperfeiçoamento e a atualização da sinalização rodoviária em conformidade com o Código da Estrada” e estão alinhadas com o Plano Estratégico Nacional de Segurança Rodoviária — PENSE 2020.

Segundo o decreto regulamento, os sinais de trânsito que não estejam conformes com as alterações mantêm-se válidos até à sua substituição por os novos sinais agora publicados, devendo essa substituição ter lugar até ao dia 01 de janeiro de 2030.

 

Continuar a ler

País

Primeira reunião do parlamento na XIV legislatura realiza-se na sexta-feira

Anunciou a Conferência de Líderes

em

Foto: DR / Arquivo

A primeira reunião da Assembleia República na XIV legislatura realiza-se na sexta-feira, com sessões às 10:00 e às 15:00, decidiu hoje a conferência de líderes.

“Às 10:00 será feita a verificação de mandatos e depois retomados os trabalhos às 15:00 para a eleição do Presidente da Assembleia da República, da Mesa e do Conselho de Administração da Assembleia da República”, informou o porta-voz da conferência de líderes, o social-democrata Duarte Pacheco.

O deputado do PSD informou ainda que, depois da primeira reunião parlamentar, será convocado nova conferência de líderes que decidirá sobre os trabalhos da nova legislatura e marcará a data do debate do programa de Governo.

Questionado sobre a duração da reunião – cerca de uma hora -, Duarte Pacheco explicou que, sendo a última conferência de líderes da legislatura, houve uma parte dedicada a despedidas.

“Sendo a última conferência de líderes e havendo deputados que não continuam em funções quer por sua vontade quer por vontade dos eleitores, houve um momento de despedida entre todos. Independentemente das diferenças políticas, o relacionamento pessoal que soubemos construir ao longo deste mandato mereceu esta palavra de regozijo dos próprios deputados a começar pelo Presidente da Assembleia da República”, afirmou.

Continuar a ler

Populares