Seguir o O MINHO

País

Portugal Fashion volta em outubro com desfiles ao ar livre e por via digital

Moda

em

Foto: Divulgação

Os ‘designers’ Alexandra Moura, Alves/Gonçalves, Hugo Costa, Maria Gambina, Miguel Vieira, Katty Xiomara, Sophia Kah e a marca Ernest W. Baker vão participar no próximo Portugal Fashion, no Porto, entre 15 e 17 de outubro, anunciou hoje esta estrutura.


Em ano de celebrar o 25.º aniversário, e após o evento ter sido suspenso em março passado por causa da pandemia da covid-19, a organização do Portugal Fashion (PF) assume que quer regressar, nos dias 15, 16 e 17 de outubro, ao seu quartel general da Alfândega do Porto, com um modelo de apresentação “reinventado” e com a missão de “proteger o talento nacional”, criando um “modelo híbrido”, onde se vão conjugar, ora desfiles ao ar livre, com a premissa das distâncias exigidas pela Direção-Geral da Saúde, ora desfiles ‘online’ apresentados digitalmente.

“A crise sanitária motiva uma reinvenção profunda do evento, consubstanciada em novos modelos de organização dos desfiles, novas formas de comunicação das criações e novos modos de interação com o público”, explicou a diretora do PF, Mónica Neto.

Além das alterações impostas pela covid-19, o PF vai ser diferente nesta edição, “em função do momento difícil que a moda portuguesa atravessa, à semelhança de muitas outras atividades económicas e culturais”, acrescenta Mónica Neto, referindo que o impacto socioeconómico da pandemia está a “penalizar fortemente a fileira moda” e que, por isso, o Portugal Fashion tem o “dever acrescido de apoiar e dar esperança a criadores e marcas”.

É nesta edição do 25.º aniversário, que vão desfilar as novas coleções primavera-verão 2021 de criadores e marcas como Alexandra Moura, Alves/Gonçalves, David Catalán, Hugo Costa, Luís Onofre, Maria Gambina, Marques’Almeida, Miguel Vieira, Katty Xiomara, Sophia Kah, entre outros, bem como vai ser a estreia da Ernest W. Baker, marca de ‘menswear’ na qual se revela o talento dos jovens ‘designers’ Reid Baker e Inês Amorim.

A marca portuguesa Ernest W. Baker, que é uma homenagem ao avô homónimo de Reid, fez parte, em julho último, do calendário oficial da Semana de Moda de Paris, e está à venda em Itália, Canadá, Japão, Hong Kong, China e Coreia do Sul, revela a organização.

“Hoje, talvez como nunca nestes 25 anos de Portugal Fashion, é nossa obrigação proteger o talento nacional. E não me parece que haja melhor maneira do que esta de assinalar o nosso 25.º aniversário”, considera Mónica Neto.

Para amortecer os efeitos da crise sanitária e económica na fileira da moda, o PF destaca ainda três iniciativas direcionadas para a promoção de vendas e a dinamização de negócios, designadamente o protocolo com a Câmara Municipal do Porto, acordos com plataformas de ‘e-commerce’ e a parceria com a Lupabiológica.

O PF e a Câmara Municipal do Porto assinaram um protocolo que define o “apoio institucional” da autarquia ao evento, garantindo recursos acrescidos para reforçar a posição daquela organização no ecossistema de moda nacional e internacional, fortalecendo “dinâmicas da cidade/região enquanto ‘hub’ de inovação, empreendedorismo, manufatura, exportações, criatividade e cultura”, explica a estrutura.

A 46.ª edição, de 13 de março passado, do PF na Alfândega do Porto, foi interrompida, no âmbito da prevenção da pandemia de covid-19. À data, fonte oficial da iniciativa explicou à Lusa que o cancelamento esteve sempre em cima da mesa, e a decisão acabou por ser tomada com o acordo da Direção-Geral da Saúde, tendo em conta as medidas decretadas, entretanto, pelo Governo.

O PF é um projeto da responsabilidade da Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE), que conta com o apoio dos seus parceiros estratégicos e é cofinanciado pelo Portugal 2020, no âmbito do Compete 2020 – Programa Operacional da Competitividade e Internacionalização, com fundos provenientes da União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.

Anúncio

País

Preço das casas sobe na UE e zona euro no 2.º trimestre, Portugal acima da média

Economia

em

Foto: O MINHO / Arquivo

O preço das habitações aumentou no segundo trimestre 5,0% na zona euro e 5,2% na União Europeia (UE), face ao período homólogo, com Portugal a subir acima da média (7,8%), segundo divulga hoje o Eurostat.

De acordo com o boletim do gabinete estatístico europeu, face aos primeiros três meses do ano, o preço das habitações progrediu 1,7% na zona euro e 1,5% na UE, tendo Portugal registado um aumento abaixo da média (0,8%).

Entre os Estados-membros, as maiores subidas homólogas dos preços das casas foram observadas no Luxemburgo (13,3%), na Polónia (10,9%) e na Eslováquia (9,7%), tendo o indicador recuado na Hungria (-5,6%) e em Chipre (-2,9%).

Face ao primeiro trimestre, entre abril e junho, os preços das habitações conheceram as maiores subidas no Luxemburgo (4,4%), em Itália (3,1%) e na Áustria (2,5%), com a Hungria (-7,4%), a Estónia (-5,8%), a Letónia (-2,3%), a Bulgária (-1,1%) e a Irlanda (-0,1%) a registarem recuos.

Em relação à Hungria, o Eurostat assinala que os dados são uma estimativa provisória, com um elevado grau de incerteza.

Continuar a ler

País

Norte com crescimento de 95% nas exportações e 20% nos desempregados

Relatório

em

Foto: DR / Arquivo

As exportações na região Norte cresceram 95% entre abril e julho, num sinal de retoma após o confinamento devido à covid-19, mas o número de desempregados aumentou 20% face ao período homólogo de 2019, revela hoje um relatório.

De acordo com o Norte Conjuntura, o boletim trimestral da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento da Região Norte (CCDR-N), a que a Lusa teve acesso, entre abril e julho, as exportações da região “dispararam em 95% entre abril e julho de 2020, atingindo o valor de 2.040 milhões de euros e superando o crescimento da média nacional (em torno de 71%)”.

“Em sentido contrário, há a registar um aumento acentuado do número de desempregados inscritos nos Centros de Emprego da região, que aumentou 20,0% no 2.º trimestre de 2020 face ao trimestre homólogo de 2019”, descreve o relatório que apresenta as tendências da evolução económica na região.

Esta variação do número de inscritos nos centros de emprego “foi, ainda assim, inferior à observada à escala nacional (30,6%)”, acrescenta.

“O elevado número de trabalhadores (20,1% da população empregada da região) em regime de ‘lay-off’ permitiu atenuar significativamente a quebra potencial no emprego”, observa.

O número de trabalhadores da região abrangidos por este regime “era de 337 mil no 2.º trimestre de 2020, correspondendo a 41% do total de Portugal continental”.

“Estima-se que a redução do emprego da Região do Norte teria sido de 22,1% (em vez da redução de 2,5% efetivamente transmitida pelas estatísticas oficiais), caso não tivessem sido adotadas estas medidas”, assinala o documento.

Quanto às exportações, a CCDR-N considera “mais impressionante” que o valor das exportações em julho – três meses após o fim do confinamento obrigatório [devido à pandemia] – tenha “superado o valor de janeiro, altura em que os efeitos negativos da crise ainda não se faziam sentir verdadeiramente”.

Comparado com 2019, o balanço desta recuperação “continua negativo”: no 2.º trimestre de 2020, a queda das exportações “foi de 29,4% face ao período homólogo (em Portugal a redução foi de 30,6%)”.

“Os sinais do primeiro mês do 3.º trimestre de 2020 são mais otimistas”, pois em julho o valor das exportações “era apenas inferior em 6,9% ao do mês homólogo de 2019”, destaca a CCDR-N.

A queda das exportações “até abril e a rápida recuperação que se seguiu até julho de 2020” foram “um padrão observado na grande maioria dos bens exportados, independentemente do perfil tecnológico ou do setor de atividade”.

A área ligada aos automóveis, tratores, ciclos, outros veículos terrestres, suas partes e acessórios “foi, inequivocamente, a mais afetada pelo encerramento internacional dos mercados”.

Entre janeiro e abril, as exportações nesta área “baixaram 83,0%, passando de 249 milhões para 42 milhões de euros”.

Já entre abril e julho, as exportações destes bens “aumentaram de 42 para 215 milhões de euros”, um “crescimento de 406,6%”.

O Norte Conjuntura avisa que esta “análise da participação da Região do Norte no comércio internacional de mercadorias baseia-se em dados apurados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), tendo como critério de afetação regional a localização da sede do operador responsável por cada fluxo de mercadorias”.

Por isso, “os resultados analisados correspondem a dados definitivos até 2019, preliminares para 2020”, estando “sujeitos a revisão”.

Quanto aos indicadores de turismo, “refletem uma evolução favorável, ainda que se situem bastante aquém de 2019”, com o número de hóspedes a aumentar “exponencialmente entre abril e julho”, mas a ficar a “menos de metade do valor homólogo do ano transato”.

Uma evolução positiva “foi registada no salário médio mensal líquido dos trabalhadores por conta de outrem, que atingiu na região 909 euros no 2.º trimestre de 2020”.

Em Portugal, “o salário médio mensal líquido cresceu 4,8%, em termos reais, atingindo 956 euros”.

Continuar a ler

País

Com a ‘geringonça’ “vamos continuar a empobrecer alegremente

Política

em

Foto: DR / Arquivo

O empresário Pedro Ferraz da Costa diz que se a ‘geringonça’ continuar a condicionar a política do Governo, Portugal continuará a empobrecer e lamenta que o PS esteja muito diferente do partido liderado por Mário Soares ou António Guterres.

“Se continuarmos com uma política condicionada pela existência da ‘geringonça’ vamos ter imensa dificuldade em sair desta situação. Vamos continuar a empobrecer alegremente e a baixar o nosso lugar no ‘ranking’ dos países europeus” advertiu, em entrevista à Agência Lusa.

O presidente do Fórum para a Competitividade lamenta que o Governo se posicione tão à esquerda e diz mesmo que está mais à esquerda “do que o Partido Socialista (PS) alguma vez foi”.

“O PS de hoje não tem nada a ver com o dos tempos do Dr. Mário Soares ou do engenheiro António Guterres”, sublinha.

O empresário diz mesmo que nos contactos que existem com o Governo, sempre que há soluções que possam ser vistas como um apoio às empresas surge “imediatamente uma resistência e um travão”.

Pedro Ferraz da Costa diz que o Governo segue uma política “anti empresa” e exemplifica-o com o facto de se pretender tornar novamente mais rígido o mercado de trabalho ou por se manter uma política fiscal demasiado penalizadora sobre a classe média que torna os empregos “muito pouco estimulantes”.

“É muito mais barato para uma empresa pagar bem em Espanha do que em Portugal, porque a fatia que aqui vai para a Segurança Social e para o IRS é brutal”, explica.

Também ao nível do IRC, as críticas vão para o peso excessivo dos impostos: “Temos um IRC progressivo, em que as empresas de maior dimensão pagam mais impostos, quando devíamos ambicionar ter empresas maiores às que temos hoje”.

Ferraz da Costa sublinha que Portugal é dos países da União Europeia em que as empresas mais pequenas apresentam uma produtividade muito baixa, de apenas 40% da média europeia, mas que nas empresas maiores essa produtividade representa 80% da média. Um fator que, segundo o empresário, justifica que os salários médios sejam mais altos nas empresas de maior dimensão.

“Os salários médios nas empresas maiores em Portugal são quase quatro vezes o que são nas mais pequenas. Se tivéssemos mais empresas médias e grandes tínhamos um salário médio de mais 150 euros por mês. É uma diferença muito significativa”, assegura.

O líder do Fórum para a Competitividade aponta estes fatores para que não haja mais empresas de maior dimensão em Portugal e afasta a ideia de que são os empresários que não querem abrir mão de parte do capital das empresas e, dessa forma, tentar crescer.

“É quase impossível acumular capital. Bastava termos mecanismos mais generosos de dedução dos lucros que fossem reinvestidos, como existe, por exemplo em Espanha e já era completamente diferente. Há muito poucas condições para investir e é por isso que as pessoas investem fundamentalmente com base em financiamento bancário, porque também não há mercado de capitais”.

“Se continuarmos com esse tipo política vai ser muito difícil. Não me parece que as coisas vão melhorar”, conclui.

Continuar a ler

Populares