Seguir o O MINHO

Guimarães

Nem a chuva desmobilizou milhares de pessoas no cortejo do Pinheiro, em Guimarães

Festas Nicolinas

em

Cortejo do Pinheiro / Festas Nicolinas. Foto: Município de Guimarães

Milhares de pessoas voltaram a sair às ruas de Guimarães para o cortejo do Pinheiro, que marca o arranque das Festas Nicolinas, as mais antigas daquele concelho minhoto.

Este é, habitualmente, o mais participado número nicolino, sendo igualmente o mais difundido por todo o país.

Cortejo do Pinheiro / Festas Nicolinas. Foto: Município de Guimarães

O cortejo arrancou por volta das 23:15 das Cancelas da Veiga/Campo de S. Mamede com chegada à Praça D. Domingos da Silva Gonçalves (junto ao Monumento ao Nicolino).

Cortejo do Pinheiro / Festas Nicolinas. Foto: Município de Guimarães

O “Pinheiro” segue enfeitado com lanternas e um festão com as cores escolásticas (verde e branco), pousado em carros puxados por juntas de bois, levando à sua frente uma representação da figura da deusa Minerva, deusa da sabedoria (que na realidade é desempenhada por um homem travestido com um traje de soldado romano).

Guimarães: 13 intoxicações alcoólicas e jovem agredida na abertura das Nicolinas

Cortejo do Pinheiro / Festas Nicolinas. Foto: Município de Guimarães

O cortejo é liderado pela figura máxima deste dia, um membro da Comissão de Festas, o Chefe de Bombos.

Cortejo do Pinheiro / Festas Nicolinas. Foto: Município de Guimarães

É ele quem conduz e lidera todo o cortejo do “Pinheiro”, e atrás de si e da sua “boneca” – que usa para marcar o ritmo dos bombos – seguem os estudantes, novos e velhos, rufando nas caixas o toque do Pinheiro e batendo forte nos bombos ao ritmo marcado pelo Chefe de Bombos.

Cortejo do Pinheiro / Festas Nicolinas. Foto: Município de Guimarães

Nicolinas

As Festas Nicolinas são consideradas as Festas mais antigas de Guimarães e representam um testemunho intangível do património cultural vimaranense.

Cortejo do Pinheiro / Festas Nicolinas. Foto: Município de Guimarães

Têm a sua origem na devoção religiosa dedicada a São Nicolau que era oriundo da Ásia Menor e terá vivido nos séc. III e IV. Julga-se que terá sido Bispo em Mira, Turquia.

Este culto, desenvolvido entre o povo, foi mais tarde apropriado pelos estudantes que constituíram uma capela em honra de São Nicolau (entre 1661 e 1663) na Igreja Nossa Senhora da Oliveira, e aí sediaram a sua irmandade.

Programa

– 29 de novembro – Pinheiro;
– 29 de novembro a 7 de dezembro – Novenas;
– 1 de dezembro – Missa de S. Nicolau;
– 4 de dezembro – Posses/Magusto;
– 5 de dezembro – Pregão;
– 6 de dezembro – Maçazinhas e Danças de São Nicolau;
– 7 de dezembro – Baile da Saudade;

 

Notícia atualizada às 23:09 com retificação de erro no itinerário do cortejo do Pinheiro

Populares