Seguir o O MINHO

País

Marcelo afasta possibilidade de novo estado de emergência

Covid-19

em

Rui Ochoa / Presidência / Divulgação / Arquivo

O Presidente da República afastou hoje a possibilidade de aprovação de um novo estado de emergência, considerando que Portugal está “muito, muito, muito longe” da situação que levou a que a medida fosse tomada no ano passado.

A aprovação do estado de emergência “não é uma questão que se coloca”, assegurou Marcelo Rebelo de Sousa, recordando que, quando não renovou o último estado de emergência no final de abril, o país estava naquelas fasquias “que estão muito, muito, muito longe das fasquias atuais, quer em números de internados em cuidados intensivos quer em internados em geral”.

O chefe de Estado fez estas declarações no final de uma cimeira da Cotec em Málaga (sul de Espanha) dedicada ao tema da “economia intangível” em que a questão da pandemia de covid-19 também foi tratada.

Por outro lado, o Presidente disse aguardar a “iniciativa” do Governo, mas avisou desde já que o vai “acompanhar” na decisão de serem tomadas novas medidas contra a pandemia, nomeadamente a possibilidade de o uso de máscaras voltar a ser obrigatório na rua.

“Vamos ter a reunião do Infarmed na sexta-feira e, em função daquilo que for exposto no mesmo dia, terei a audiência habitual com o senhor primeiro-ministro e veremos se há ou não da parte do Governo a ideia de adotar algumas medidas”, disse Marcelo Rebelo de Sousa.

O chefe de Estado recordou que novas iniciativas contra o aumento de contágios da covid-19 fazem parte da “iniciativa do Governo”, que “está em plenas funções, o parlamento também, uma vez que ainda não foi formalmente dissolvido”.

“O que eu disse ontem [terça-feira] foi que, se o Governo tomar a iniciativa, eu não o deixo de acompanhar”, disse Marcelo Rebelo de Sousa.

Populares