Seguir o O MINHO

Braga

Jovem institucionalizada em Braga raptada pelo pai e obrigada a manter relações sexuais com recluso

Três dos oito arguidos no processo pelos crimes de rapto e violação

em

Foto: Ilustrativa

O Tribunal de Coimbra condenou hoje três homens a penas entre os quatro e os oito anos de prisão por crimes de rapto e violação, num processo em que estavam acusados de forçar um casamento entre um recluso e uma jovem institucionalizada.

Segundo a acusação do Ministério Público, uma jovem de 19 anos que estava institucionalizada em Braga foi obrigada a casar-se e a manter relações sexuais com um homem de 29 anos, que estava a cumprir pena na penitenciária de Coimbra e que aproveitou uma saída precária no natal de 2017 para consumar o casamento, com o envolvimento de familiares, entre eles o pai, também recluso.

O tribunal deu hoje a acusação como parcialmente provada e condenou três dos oito arguidos no processo pelos crimes de rapto e violação, absolvendo-os do crime de casamento forçado, que não foi provado.

De acordo com o acórdão, o relacionamento forçado entre o arguido José Adolfo e a jovem, que mantinha namoro com um rapaz contra a vontade do seu pai, não configura um casamento, mas sim um “ajuntamento imposto”.

O arguido José Adolfo foi condenado, em cúmulo jurídico, a oito anos de prisão pelos crimes de rapto reincidente e violação da jovem, que não consentiu as relações sexuais que existiram entre eles.

Ao pai da vítima, Agostinho Santos, o tribunal aplicou uma pena de cinco anos e seis meses de prisão efetiva pelos crimes de rapto reincidente.

Tomás Garcia, considerado “o patriarca” da comunidade onde os factos se desenvolveram, foi também condenado pelo crime de rapto reincidente com uma pena de quatro anos de prisão.

Os outros cinco arguidos, entre eles os pais de José Adolfo, foram absolvidos dos crimes de rapto, casamento forçado e violação em coautoria de que estavam acusados pelo Ministério Público.

O tribunal censurou a conduta dos três arguidos, que não mostraram arrependimento, por, apesar de várias condenações judiciais, “nada ter sido capaz de os afastar da criminalidade”.

Anúncio

Braga

Circuito turístico “Braga e Bom-Jesus Tour” já está disponível

Turismo

em

Foto: DR/Arquivo

Os TUB – Transportes Urbanos de Braga retomam esta terça-feira, e até o dia 30 de setembro, o circuito turístico ‘Braga e Bom-Jesus Tour’.

O circuito que funciona em parceria com a Carristur dispõe de oito viagens diárias, entre as 10:00 e as 17:00, com uma duração aproximada de uma hora.

O circuito tem inicio na Avenida Central e percorre os principais pontos de interesse turístico da cidade. No percurso destaca-se uma paragem junto ao Posto de Turismo, bem como uma paragem junto ao pórtico do Bom Jesus.

O circuito permite, ainda, fazer a ligação ao funicular do Bom Jesus, à Estação Central de Camionagem e à Estação do Caminho de Ferro. Este serviço dispõe de um sistema áudio que está disponível em seis línguas: português, inglês, espanhol, alemão, francês e italiano.

O preço dos bilhetes é de 12 euros para adultos e 6 euros para as crianças. Grupos com quatro ou mais pessoas usufruem de desconto de 10%. Os bilhetes podem ser adquiridos a bordo ou nos agentes identificados para o efeito.

O bilhete permite, ainda, realizar a viagem de ida e volta no funicular do Bom Jesus, bem como, viajar em toda a rede dos Transportes Urbanos de Braga.

Continuar a ler

Braga

Sede da AIMInho em Braga à venda por 1,5 milhões

Preço inicial era de 2,36 milhões

em

Foto: DR/Arquivo

O edifício-sede da extinta Associação Industrial do Minho, em Braga, vai ser novamente posto à venda, desta vez, por 1,5 milhões de euros. No primeiro leilão, os credores pediam 2,36 milhões, sendo 2,06 milhões (85 por cento da avaliação feita ao prédio) o valor mínimo; mas não apareceu ninguém para o adquirir por esse valor.

A sede de Braga, sita em São Lázaro, com cave, rés-do-chão e dois andares. Fonte ligada ao processo disse ao «Minho» que, a operação de venda do pavilhão da Associação Industrial do Minho (AIMinho), que a Câmara de Viana do Castelo quer comprar por 1,3 milhões, está apenas dependente da aprovação da Assembleia Municipal e, posteriormente, do Tribunal de Contas.

Já no que toca ao prédio que alberga o extinto IEMinho, Centro de Incubação de Empresas, de Soutelo, Vila Verde a mesma fonte adiantou que o processo de alienação, a cargo do administrador judicial, Nuno Albuquerque, aguarda registo na plataforma eletrónica e-leilão.

Até ao momento, apenas um automóvel foi vendido em leilão por 3.400 euros. O leilão eletrónico para venda do património ficou deserto. O processo tem sido conduzido pelo administrador judicial, o advogado Nuno Albuquerque.

Continuar a ler

Braga

UMinho acolhe Instituto Europeu da Inovação e da Tecnologia em Portugal

EIT Digital Braga Satellite

em

GNRation, Braga. Foto: Divulgação

A Universidade do Minho (UMinho) vai acolher o Instituto Europeu da Inovação e da Tecnologia, fazendo com que Portugal se integre “de uma forma mais plena no vasto ecossistema de inovação europeu”, informou hoje aquela instituição.

Em comunicado enviado à Lusa, a UMinho explica que a EIT Digital Braga Satellite “é o primeiro centro partilhado do EIT a abrir em Portugal” e tem como parceiros a UMinho, o DTx – Digital Transformation CoLab, o INESC TEC – Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência, o BGI – Building Global Innovators e as empresas WaveCom e Bright Pixel e irá servir todo o país.

A EIT Digital, aponta o texto, tem um orçamento anual que ronda os 100 milhões de euros, sendo uma “organização europeia de inovação digital e educação empresarial de vanguarda, orientada para a transformação digital na Europa”.

Segundo a academia, as principais tarefas do projeto, liderado pelo antigo reitor da UMinho, António Cunha, serão “o envolvimento de parceiros do sistema científico e da indústria, a procura proativa de oportunidades de inovação colaborativa, com impacto efetivo, por empresas e universidades em Portugal, potenciar atividades em rede entre as comunidades empresariais e académicas em Portugal e o ecossistema EIT Digital, distribuído por toda a Europa”.

A ETI vai ser uma das oito comunidades de inovação do Instituto Europeu da Inovação e Tecnologia, que tem dez centros partilhados por toda a Europa, com o “objetivo de aumentar o investimento em I&D, intensificar a partilha de conhecimentos entre as universidades e a indústria, desenvolver as aptidões digitais em todos os setores e promover a oferta de Portugal aos investidores e aos talentos”.

Para atingir aqueles desideratos, a EIT “promove o investimento em tecnologias digitais baseadas em pesquisa, privilegiando os desafios estratégicos e sociais da Europa, nomeadamente nos setores da indústria, finanças, saúde e tecnologia digitais”.

A instituição minhota destaca ainda que a EIT Digital “proporciona ao mercado inovações digitais revolucionárias e gera talento empresarial para o crescimento económico e a melhoria da qualidade de vida na Europa”

Ao todo, mobiliza 200 entidades europeias, entre elas PME, start-ups, universidades e centros de investigação.

“Concentra-se no empreendedorismo e destaca-se na integração da formação, investigação e negócios ao aproximar estudantes, investigadores, engenheiros, desenvolvedores de negócios e empresários/empreendedores”, lê-se.

A EIT Digital dispõe de uma rede pan-europeia de Centros Partilhados em Berlim, Budapeste, Eindhoven, Estocolmo, Helsínquia, Londres, Madrid, Paris e Trento e ainda um centro em Silicon Valley (EUA).

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Vamos Ajudar?

Reportagens da Semana

Populares