Seguir o O MINHO

Desporto

José Gonçalves vai estrear-se na Volta a França

Ciclista de Roriz, Barcelos, foi anunciado como um dos oito ciclistas da equipa Katusha Alpecin

em

Foto: Facebook de Katusha Alpecin

O ciclista português José Gonçalves garantiu, esta sexta-feira, “estar perto da melhor forma” para a estreia na Volta a França, mas espera “ficar ainda melhor” para o arranque da mais importante prova velocipédica mundial.


O corredor, de 30 anos, foi hoje anunciado como um dos oito ciclistas da equipa Katusha Alpecin que vão alinhar este ano na emblemática prova francesa, no mesmo dia em que se sagrou campeão nacional de contrarrelógio em elites, em Melgaço.

“É sempre motivador quando ganhamos. Estou e tentar estar na melhor forma física e já estou muito perto”, disse ciclista, natural de Roriz, Barcelos.

José Gonçalves vincou que vai prosseguir com “a melhor preparação possível para o Tour”, considerando que mostrou [nos campeonatos nacionais] “estar bem”, mas prometendo “trabalhar nos próximos dias para ficar ainda melhor”.

Depois de quatro presenças na Volta a Espanha e duas na Volta a Itália – tendo como melhor classificação o 14.º posto alcançado em 2018 na corrida italiana -, o corredor português vai estrear-se na ‘Grande Boucle’, juntando-se a Rui Costa, cuja participação na edição de 2019 do Tour foi confirmada na quarta-feira pela equipa UAE-Emirates.

Na 106.ª edição da Volta a França, além de José Gonçalves, a Katusha Alpecin vai apresentar o russo Ilnur Zakarin, que em 2017 foi terceiro no Giro e quinto na Vuelta, o dinamarquês Mads Würtz Schmidt, o belga Jens Debusschere, o britânico Alex Dowsett, o austríaco Marco Haller e os alemães Nils Politt e Rick Zabel.

A Volta a França vai partir de Bruxelas, em 06 de julho, e termina nos Campos Elísios, em Paris, três semanas depois.

Anúncio

Desporto

Português é campeão do mundo de motonáutica em Fórmula 2

Motonáutica

em

Foto: DR

O português Duarte Benavente sagrou-se hoje campeão do mundo de motonáutica em Fórmula 2, ao vencer a derradeira prova realizada em Vila Velha de Ródão.

Duarte Benavente, que ocupava a ‘pole position’ fez um arranque ‘canhão’, não dando qualquer hipótese ao seu mais direto adversário, o lituano Edgaras Riabko, que ocupava o segundo lugar da grelha da partida.

O piloto português cedo começou a ganhar vantagem em relação ao lituano, que foi incapaz de se aproximar de Benavente que, volta após volta, ia ganhando terreno ao seu mais direto adversário no campeonato do mundo de motonáutica.

Nas primeiras palavras à imprensa, Duarte Benavente dedicou o título de campeão mundial ao presidente da Federação Portuguesa de Motonáutica (FPM), Paulo Ferreira, e à sua família.

“Ele [Paulo Ferreira] foi muito importante no enorme apoio que me deu”, afirmou.

O piloto português, que até hoje era o vice-campeão do mundo da modalidade, realçou as dificuldades sentidas neste campeonato.

“Este ano num campeonato tão difícil tivemos que fazer três corridas em quatro semanas, não se podia cometer nenhum erro”, afirmou.

Benavente adiantou ainda que o título conquistado em Vila Velha de Ródão, no distrito de Castelo Branco, é o culminar de muito trabalho.

“Os sonhos são sonhos, mas nós temos os nossos objetivos. A realidade é que queremos lutar e queremos competir sempre ao mais alto nível. Temo-lo feito ao longo de muitos anos. Acho que fiz uma corrida com cabeça, mas ao mais alto nível”, concluiu.

Já o presidente da Federação Portuguesa de Motonáutica (FPM), Paulo Ferreira, visivelmente emocionado, disse que este resultado é o culminar do trabalho realizado ao longo dos últimos dois anos.

“Já cá está [o título mundial]. Conseguimos, foi muito trabalho. Foram dois anos aqui a lutar. Mais uma vez o Duarte [Benavente] a provar que é um dos melhores pilotos do mundo”, afirmou.

Este responsável sublinhou que a partir de agora, nada vai ser como dantes na motonáutica.

“Espero bem que este título traga ainda mais gente para a modalidade. Agora temos de celebrar. Trabalhei muito para termos este título. É a primeira vez que temos um campeão do mundo [nas classes rainhas] em Portugal. Hoje é um dia muito especial para a motonáutica”, concluiu.

Classificação do Grande Prémio de Portugal II:

1. Duarte Benavente, Por, 20 pontos

2. Edgaras Riabko, Lit, 15 pontos (a 26,609 segundos)

3. Owen Jelf, GB, 12 pontos (a 29,201)

4. Sami Selio, EAU, 9 (a 30,433)

5. Giacomo Sacchi, Mon, 7 (a 40,400)

6. Johan Osterberg, Sue, 5 (a uma volta)

7. Hector Sanz, Esp, 4 (a uma volta)

8. Colin Jelf, GB, 3 (a uma volta)

9. Bimba Sjoholm, Sue, 2 (a 12 voltas).

Classificação final do campeonato do mundo de Fórmula 2

1. Duarte Benavente, Por, 55 pontos

2. Edgaras Riabko, Lit, 42

3. Owen Jelf, GB, 34

4. Giacomo Sacchi, Mon, 19

5. Sami Selio, EAU, 18

6. Johan Osterberg, Sue, 16

7. Uvis Slakteris, Let, 12

8. Colin Jelf, GB, 8

9. Hector Sanz, Esp, 8

10. Nikita Lijcs, Let, 7

11. Bimba Sjoholm, Sue, 7

Continuar a ler

Futebol

Bracarense Diogo Dalot cedido ao AC Milan

Mercado de transferências

em

Foto: AC Milan / Twitter

O defesa Diogo Dalot vai atuar esta época na Liga italiana de futebol ao serviço do AC Milan, confirmou este domingo o clube italiano, que garantiu o empréstimo do internacional sub-20 português junto do Manchester United.

Diogo Dalot vai usar a camisola número cinco nos ‘rossoneri’, informou o emblema de Milão no sítio oficial da Internet, num curto comunicado em que não são adiantados mais detalhes sobre este acordo de empréstimo.

Nascido em Celeirós, Braga, em 1999, Diogo Dalot foi formado nas escolas do F. C. Porto, tendo atuado pela primeira vez na equipa principal dos ‘dragões’ em 2017, ano em que se sagrou campeão nacional, sendo transferido na temporada seguinte para o Manchester United (35 jogos, um golo).

Continuar a ler

Desporto

Pedro Sousa perde a final do ‘challenger’ de Split

Ténis

em

Foto: DR

O tenista português Pedro Sousa, primeiro cabeça de série, perdeu hoje a final do ‘challenger’ de Split, na Croácia, ao perder com o argentino Francisco Cerundolo, em três ‘sets’.

Pedro Sousa, 113.º do mundo, perdeu com Cerundolo, 223.º, por 4-6, 6-3, 7-6 (7-4), em uma hora e 51 minutos.

Esta foi a 14.ª final de Pedro Sousa no circuito ‘challenger’, tendo já vencido sete torneios.

Continuar a ler

Populares