Seguir o O MINHO

Desporto

Já há data para o combate que pode sagrar Pedro Carvalho campeão mundial de MMA

Bellator

em

Foto: DR

A organização do Bellator Featherweight Grand Prix anunciou hoje que o combate entre o vimaranense Pedro Carvalho e o campeão do Mundo de MMA, Patrício ‘Pitbull’, disputar-se-à no próximo dia 12 de novembro, na Arena Mohegan Sun, em Connecticut, nos Estados Unidos.


O embate entre titãs, que pode consagrar o atleta de Guimarães como novo campeão do mundo, estava originalmente marcado para 24 de março, mas foi adiado por tempo indeterminado devido às restrições sanitárias causadas pelo novo coronavírus.

Apesar de contar para os quartos de final do torneio mundial, o circuito atribui o título a quem derrota o atual campeão – Patrício Freire, de 32 anos, mantém esse estatuto desde  abril de 2017.

Carvalho procura conquistar o seu primeiro título absoluto após ter entrado no circuito Bellator em abril de 2018. 

O vimaranense de 25 anos luta na Bellator, a segundo mais importante organização do mundo desta modalidade, na categoria de -67 quilos, e na qual ainda não perdeu um único combate.

De Guimarães ao topo do MMA. “Ser o melhor do mundo é o plano A, B e C” de Pedro Carvalho

“Vou enfrentar um dos melhores de sempre da Bellator. Lutar contra o Patrício é a melhor forma de mostrar que eu sou o melhor do mundo. Na Bellator não há ninguém maior do que ele para bater. Estou super feliz, porque depois de o vencer ninguém vai poder duvidar de mim”, disse Pedro Carvalho a O MINHO em julho deste ano.

Anúncio

Futebol

Treinador do Boavista quer conquistar primeiro triunfo em Famalicão

Vasco Seabra

em

Foto: DR

O treinador Vasco Seabra manifestou hoje uma “confiança muito grande” nos futebolistas do Boavista, que procuram conquistar no domingo o primeiro triunfo na I Liga, no terreno do Famalicão, em encontro da quinta jornada.

“Queríamos já ter vencido, mas, independentemente disso, não sentimos absolutamente nada sobre o quer que seja. Mais do que o tempo ou o deixar de ter tempo, centramo-nos nos caminhos e comportamentos que controlamos para chegar às vitórias. Essas são as nossas únicas convicções”, salientou o técnico, em conferência de imprensa.

Os dois empates e as duas derrotas amealhadas representam o pior arranque dos ‘axadrezados’ desde o regresso à elite em 2014/15 e estão aquém das metas traçadas para esta época, embora Vasco Seabra garanta que os resultados vão aparecer.

“Nós temos sempre a responsabilidade de jogar para vencer e a pressão é diária, mesmo que estejamos com vitórias ou com outros resultados para trás. Há um foco muito grande no jogo, no trabalho com a equipa e nas coisas que temos de melhorar defensiva e ofensivamente para sermos mais competentes e competitivos”, apontou.

Exemplo dessa evolução passa por “finalizar parte das oportunidades criadas”, já que o Boavista mostra alguma ansiedade natural de querer vencer”, e “procurar sofrer menos”, em função de um dos piores registos defensivos da prova, com 10 tentos encaixados.

“A ideologia de um jogo positivo e de um futebol atrativo é uma falsa questão. Se nos dissessem que jogar de outra forma garantia que iríamos ganhar mais vezes, jogaríamos sempre assim. A nossa convicção é de que, com a nossa forma de jogar, estamos mais compactos, capazes e consistentes para vencer de forma continuada”, defendeu.

Vasco Seabra regressa a Vila Nova de Famalicão, onde trabalhou em 2017/18, e espera um oponente “difícil, com qualidade individual e coletiva, que mudou ligeiramente a forma de jogar face à época passada e apresenta maior variabilidade”.

“Propomo-nos a estar competitivos e a trabalhar cada dia mais do que no anterior para estarmos mais fortes a cada jogo. É essa a imagem que queremos dar e o facto que queremos consumar”, finalizou o técnico, que assistiu à recuperação do avançado Yusupha Njie, ao invés do defesa Adil Rami e do médio Angel Gomes.

Já o guarda-redes Rafael Bracali, que falhou o desaire caseiro frente ao Vitória de Guimarães (1-0) por ter estado em contacto com uma pessoa infetada com covid-19, recebeu autorização da Direção-Geral da Saúde (DGS) para reintegrar os treinos.

O Boavista, 17.º e penúltimo colocado, com dois pontos, visita o Famalicão, oitavo, com cinco, no domingo, às 17:30, no Estádio Municipal de Famalicão, em duelo da quinta jornada da I Liga, com arbitragem de Tiago Martins, da associação de Lisboa.

Continuar a ler

Futebol

Ricardo Soares enfrenta baixas do Moreirense como “oportunidade para crescer”

I Liga

em

Foto: DR

O treinador Ricardo Soares frisou hoje que as sete baixas clínicas do Moreirense configuram “uma situação anormal”, embora estejam a proporcionar ao clube da I Liga de futebol “oportunidades para crescer”.

“Gostava de ter os jogadores todos, porque a competitividade interna aumenta. Se há coisas positivas que isto nos traz é que me está a preparar para ser melhor no futuro e reagir mais rápido à adversidade”, apontou o técnico, em conferência de imprensa.

Kewin, Abdu Conté, Anthony D’Alberto, Pedro Amador, Sori Mané, André Luís e Derik Lacerda estão lesionados, ao contrário de Ibrahima Camará, que teve um teste negativo para o novo coronavírus e foi autorizado hoje a reintegrar os treinos dos minhotos.

“Podíamos ter mais que cinco pontos, mas os jogadores têm dado uma grande resposta, sinal da capacidade de trabalho e da união existente dentro do clube. A cada jornada que passa temos mais certezas de que será um campeonato difícil e competitivo. Só com muito trabalho, dedicação e compromisso conseguiremos a manutenção”, alertou.

Ricardo Soares valorizou a coesão defensiva revelada pelo Moreirense, “o que não é necessariamente jogar baixo, mas começar logo na frente a defender”, tendo em vista uma “equipa que cresça a partir desta base e seja mais competente no futuro”.

“O futebol é ganhar, o resultado está sempre presente na minha cabeça e temos de evoluir para estarmos mais próximos da vitória. Este é o ADN que queremos. É certo que faremos mais e melhor, mas há um tempo para isso e não ultrapassaremos etapas. Sabemos o que estamos a fazer, como estamos e como isto vai acabar”, garantiu.

Sem vencer há três jornadas seguidas, após o triunfo na ronda inaugural diante do Farense (2-0), os ‘cónegos’ vão receber o Marítimo, que tem “muita qualidade individual, defende com muita gente e é forte nos duelos e bolas paradas”.

“Não queremos ser surpreendidos por alguma dinâmica e respeitamos muito o Marítimo, mas vamos a jogo com o pensamento de entrar para ganhar. Todas as equipas têm coisas muito boas e outras menos boas. Encontraremos a melhor forma para atacar os espaços concedidos e transformar o jogo em sucesso para nós”, analisou.

O Moreirense, 12.º colocado, com cinco pontos, recebe o Marítimo, sétimo, com seis, no domingo, às 15:00, no Estádio Comendador Joaquim de Almeida Freitas, em Moreira de Cónegos, em duelo da quinta jornada da I Liga, com arbitragem de Artur Soares Dias, da associação do Porto.

Continuar a ler

Futebol

Reviravolta dita derrota do Vizela em casa

II Liga

em

Foto: Académica / Twitter

Três golos nos últimos 20 minutos garantiram hoje à Académica a vitória no reduto do Vizela, por 3-1, para a sétima jornada da II Liga de futebol, num jogo em que os vizelenses acabaram com nove elementos.

Com este importante e merecido triunfo, o segundo consecutivo no campeonato, a Académica ascendeu provisoriamente ao segundo lugar, agora com 14 pontos, enquanto o Vizela, que somou a segunda derrota seguida, mantém os oito e tem em risco o atual oitavo lugar.

Os locais, com um jogo muito combativo, entraram a ganhar, por Cassiano, na cobrança de uma grande penalidade, aos 16 minutos, por alegada mão de Silvério na área da Académica.

A reação dos ‘estudantes’ não tardou e uma maior agressividade a meio campo permitiu várias recuperações de bola no meio campo contrário e duas oportunidades claras para chegar ao empate: Bouldini, aos 39 minutos, acertou no poste, e Bruno Teles, aos 42, viu o empate ser-lhe negado pelo guarda-redes Pedro Silva.

A Académica acentuou as melhorias no seu jogo após o intervalo e a expulsão do central vizelense Matheus Costa, aos 69 minutos, precipitou a reviravolta no marcador.

O brasileiro cometeu falta para grande penalidade sobre Bouldini, que só marcou na recarga. Traquina, pouco depois, ameaçou o segundo dos estudantes, que chegaria com naturalidade aos 84 minutos, num remate forte e colocado de Bruno Teles à entrada da área.

Tavinho perdeu a cabeça e viu dois amarelos no espaço de oito minutos, deixando o Vizela reduzido a nove elementos no primeiro dos cinco minutos de descontos, o tempo suficiente para o suplente Leandro Sanca, em lance de contra-ataque, voltar a marcar para Académica, fixando o resultado.

Ficha de Jogo

Jogo disputado no Estádio do Futebol Clube de Vizela.

Vizela – Académica, 1-3.

Ao intervalo: 1-0.

Marcadores:

1-0, Cassiano, 16 minutos (grande penalidade).

1-1, Bouldini, 71.

1-2, Bruno Teles, 84.

1-3, Leandro Sanca, 90+3.

Equipas:

– Vizela: Pedro Silva, Koffi Kouao, Matheus Costa, Aidara, Kiki Afonso (Ofori, 83), Marcos Paulo, Zag (Ericson, 57), Samu, Francis Cann (Fernando Cardozo, 66), Cassiano (Diogo Ribeiro, 83) e Kiko Bondoso (Tavinho, 66).

(Suplentes: Ivo Gonçalves, João Pedro, Ofori, Marcelo, Ericson, Tavinho, André Soares, Fernando Cardozo e Diogo Ribeiro).

Treinador: Álvaro Pacheco.

– Académica: Mika, Fabiano (Fábio Vianna, 89), Rafael Vieira, Silvério, Bruno Teles, Dias, Guima (Mimito, 85), Fabinho (Filipe Chaby, 68), Traquina, Bouldini e João Mário (Leandro Sanca, 85).

(Suplentes: Daniel Azevedo, Fábio Vianna, Pedro Pinto, Diogo Pereira, Zourdini, Filipe Chaby, Dani, Leandro Sanca e Mimito).

Treinador: Fernando Alexandre.

Árbitro: João Bento (AF Santarém).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Aidara (21), Zag (32), Koffi Kouao (73), Tavinho (82 e 90+1) e Fabiano (88).

Cartão vermelho direto para Matheus Costa (69) e por acumulação de amarelos para Tavinho (90+1).

Assistência: Jogo realizado à porta fechada devido à pandemia de covid-19.

Continuar a ler

Populares