Seguir o O MINHO

País

Homem acusado da morte do triatleta Luís Grilo vai sair em liberdade

Alteração da medida de coação

em

Foto: DR / Arquivo

O homem acusado da morte do triatleta Luís Grilo, em coautoria com a mulher da vítima, Rosa Grilo, vai ser hoje posto em liberdade, disse à agência Lusa fonte judicial.

Contactado pela Lusa, o advogado do arguido, Ricardo Serrano Vieira, confirmou a alteração da medida de coação decidida pelo coletivo de juízes que está a julgar o processo no tribunal de Loures, acrescentando que se estava a deslocar para o Estabelecimento Prisional da Polícia Judiciária para ir buscar o seu constituinte, que se encontra em prisão preventiva.

A acusação do Ministério Público atribui a António Joaquim a autoria do disparo sobre Luís Grilo, na presença de Rosa Grilo, no momento em que o triatleta dormia no quarto de hóspedes na casa do casal, na localidade de Cachoeiras, Vila Franca de Xira (distrito de Lisboa).

O crime terá sido cometido para poderem assumir a relação amorosa e beneficiarem dos bens da vítima – 500.000 euros em indemnizações de vários seguros e outros montantes depositados em contas bancárias tituladas por Luís Grilo, além da habitação.

O corpo foi encontrado com sinais de violência e em adiantado estado de decomposição, mais de um mês após o desaparecimento, a cerca de 160 quilómetros da sua casa, na zona de Benavila, concelho de Avis, distrito de Portalegre.

Anúncio

País

Rui Rio avança com “lista própria” ao Conselho Nacional no congresso de Viana

Marcado para 07, 08 e 09 de fevereiro

em

Foto: DR

O reeleito presidente social-democrata, Rui Rio, afirmou no sábado que no congresso do partido vai apresentar uma “lista própria” ao Conselho Nacional, porque há dois anos a tentativa de “unidade” com o opositor, então Pedro Santana Lopes, “não correu bem”.

“Relativamente ao congresso [o 38.º, marcado para 07, 08 e 09 de fevereiro, em Viana do Castelo], vou ceder a todos os que se zangaram comigo por ter feito unidade com Pedro Santana Lopes, que não correu bem. Desta vez, há uma lista própria e os congressistas vão votar”, disse, em resposta aos jornalistas na sala de um hotel do Porto onde fez o discurso de vitória nas eleições diretas do partido.

Para Rio, o resultado de sábado é “inequivocamente claro” e significa que voltou “a ganhar as eleições para presidente do PSD”, para além de ser, do seu ponto de vista, “suficiente para a unidade” no partido.

“Se queria ter mais [percentagem de votos]? Queria ter, como é lógico. Mas isso não é politicamente relevante. Só faltava, após três meses [de campanha eleitoral para as diretas], ainda ver se falta mais um voto aqui ou acolá”, avisou.

Rio observou ainda que “uma coisa” é o presidente do PSD “querer a unidade e dar passos nesse sentido” e “outra coisa é os outros quererem”.

“Aí não consigo fazer milagres”, notou.

Em 2018, após as diretas que opuseram Rui Rio e Pedro Santana Lopes, levando o primeiro a vencer com 54% e o segundo a obter perto de 46%, os dois chegaram a acordo para listas de unidade aos órgãos nacionais do partido, algo que o presidente reeleito agora recusa.

Em janeiro de 2018, Rui Rio foi eleito presidente do PSD com 22.728 votos, correspondentes a 54,1%, contra os 19.244 (45,85%) de Pedro Santana Lopes.

A distância entre aqueles dois candidatos, nas oitavas eleições diretas da história do partido, foi de 3.484 votos.

Rio foi este sábado reeleito com 53,02% dos votos (16.420), derrotando o ex-líder parlamentar Luís Montenegro, que teve 46,98% (14.547), anunciou o Conselho de Jurisdição Nacional do partido pelas 23:20.

Questionado sobre se a diferença de cerca de dois mil votos relativamente a Montenegro pode levar os seus opositores a tentar infernizar o partido, Rio assegurou que, se fosse o perdedor, um voto bastava para que não o fizesse.

“Para mim, um voto a mais de quem ganhasse, era suficiente, se tivesse perdido, para ninguém infernizar a vida de ninguém. Para mim, bastava um voto e eu respeitava”, garantiu.

Quanto à composição das listas para as autárquicas de 2021 e para as eleições regionais nos Açores, o presidente reeleito do PSD frisou contar “com todos que estejam pela estabilidade e com lealdade”.

“Todos têm lugar, desde que obedeçam a este princípio”, frisou.

“Com seriedade e lealdade cabem todos sem exceção”, acrescentou.

Rui Rio descreveu que aceita, “desde pequenino, todas as diferenças de opinião, porque enriquecem”.

“O que não aceito é quando não há diferenças de opinião e se inventam para criar problemas”, notou.

Rio lembrou ainda os três principais objetivos aos quais está “amarrado”, e que foram os que serviram de mote à sua candidatura.

O reeleito presidente começou por referir o “reforço da implantação autárquica e regional nos Açores”.

Relativamente às eleições regionais nos Açores, marcadas para outubro, Rio afirmou que o PS tem naquela região, “há 24 anos, um poder tentacular”.

“Penso que estamos em condições de disputar as eleições taco-a-taco”, frisou.

Rio recordou ainda o compromisso com a abertura do PSD à sociedade civil e com uma “oposição construtiva e credibilizadora”.

“Acredito que servimos o país tanto no governo como na oposição”, destacou.

O presidente do PSD, Rui Rio, e o antigo líder parlamentar Luís Montenegro disputaram no sábado eleições diretas para a liderança do partido, numa inédita segunda volta em que podiam votar 40.604 militantes com as quotas em dia.

O atual presidente do PSD foi o candidato mais votado na primeira volta das diretas, realizada há uma semana, com 49,02% dos votos expressos, enquanto o antigo líder parlamentar social-democrata conseguiu 41,42%.

Miguel Pinto Luz, o terceiro candidato mais votado, obteve 9,55% (3.030 votos) e ficou fora da segunda volta.

Continuar a ler

País

Montenegro saúda Rio pela vitória e pede-lhe que “devolva unidade” ao PSD

Eleições PSD

em

Foto: DR / Arquivo

O candidato à liderança do PSD Luís Montenegro reconheceu hoje a derrota nas eleições diretas e disse que já telefonou ao presidente Rui Rio a saudá-lo pela vitória, pedindo-lhe que tenha “a capacidade de devolver a unidade ao partido”.

“Aqui não há nenhum equívoco e nenhuma dúvida ele é o vencedor destas eleições, é credor do nosso cumprimento”, afirmou Luís Montenegro, que reclamou representar os votos de cerca de 47% dos militantes do PSD.

Continuar a ler

País

Oficial: Rui Rio reeleito presidente do PSD

Será empossado no congresso em Viana do Castelo

em

Foto: Twitter

Rui Rio foi reeleito presidente do Partido Social Democrata (PSD), após ter vencido a segunda volta das eleições internas, realizadas este sábado.

Eleições PSD: Resultados e variações

Rio foi reeleito com 53,02% dos votos, derrotando o ex-líder parlamentar Luís Montenegro, que teve 46,98%, anunciou o conselho de jurisdição nacional do partido.

O anúncio foi feito pelo presidente do conselho de jurisdição, Nunes Liberato, na sede nacional dos sociais-democratas, em Lisboa, cerca das 23:20.

Esta eleição foi decidida numa segunda volta das diretas no PSD, o que aconteceu pela primeira vez na história do partido.

O congresso onde Rui Rio e a nova comissão política nacional do PSD vão tomar posse terá lugar em Viana do Castelo, entre 07 e 09 de fevereiro.

(notícia atualizada às 00h02)

Continuar a ler

Populares