Seguir o O MINHO

Braga

E se houver um incêndio seguido de derrame de químicos? Hospital de Braga testou socorro

Simulacro

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

O Hospital de Braga relizou, esta quarta-feira, um simularo com o objetivo de testar a eficiência dos processos de emergência em situação de crise.

O cenário foi o seguinte: no armazém de produtos químicos da hemodiálise, devido a um curto-circuito no frigorífico, tem início um pequeno incêndio. Pela quantidade de produtos inflamáveis, sente-se uma pequena explosão. Nesse momento, na sala de preparação dos ácidos, solta-se um tubo dando a origem a um derrame, em grande quantidade. Perante este cenário de incêndio seguido de derrame de químocos, é necessária, por segurança, a evacuação dos utentes do piso 2 do mesmo lado do edifício.

Este exercício assemelhou-se o mais possível a um cenário real e contou com o envolvimento dos Serviços Municipais da Proteção Civil, ANEPC – Proteção civil Distrital, PSP, Polícia Municipal, Bombeiros Voluntários de Braga e Bombeiros Sapadores de Braga.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

O simulacro – explica o hospital – serviu para avaliar a capacidade de resposta dos diferentes serviços envolvidos perante o cenário de incêndio em dois pisos da Consulta Externa do Hospital.

“Além de ser uma exigência legal e de fazer parte do processo de acreditação, a realização de simulacros visa testemunhar a eficiência dos processos de emergência em situação de crise ou de catástrofe e testar a resposta dos profissionais e das estruturas de segurança”, explica o Hospital de Braga.

E conclui: “Este simulacro é encarado por todas as entidades envolvidas como um momento de formação e uma oportunidade de verificação dos processos e circuitos idealizados”.

Populares