Seguir o O MINHO

Braga

Decoradoras de Braga abrem loja com seis salas em prédio em Lisboa

Casa do Passadiço

em

Foto: Instagram de Casa do Passadiço

A Casa do Passadiço, atelier de decoração sediado num palacete, com o mesmo nome, em Braga, abriu uma segunda loja, desta vez em Lisboa, com seis salas que se estendem ao longo de um, também, prédio antigo, em plena Avenida da Liberdade, onde outrora se situou o salão do cabeleireiro Eduardo Beuaté.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Our store in Lisbon looking beautiful and ready for Christmas season 💫💫 Photo: João Bessone

Uma publicação partilhada por Casa do Passadiço – Interiors (@casadopassadico) a

Desde 1992 que Catarina Rosas e as duas filhas, Cláudia e Catarina Soares Pereira, gerem o atlier de trabalho de decoração de interiores a partir do palacete do século XVIII (18), no Largo São João do Souto, no coração de Braga.

Desde setembro que no número 166, em Lisboa, a decoração das empresárias passa pelo mais extravagante, como é caso de alguns artigos da reconhecida artesã Joana Vasconcelos ou de gravuras assinadas por Almada Negreiros. Há também decoração menos complexa, como é o caso de pequenos objetos como livros, velas ou cerâmicas.

O espaço já atraiu diversas revistas internacionais de moda e decoração, entre as quais a revista Vogue.

Esta nova loja não será um passo arrojado para a Casa do Passadiço, tendo já decorado mais de 20 locais para a marca italiana Aquazzura, incluíndo um palácio, em Florença, residências em Londes e Nova Iorque, para além de gelatarias e marisqueiras em Lisboa.

Casa do Passadiço, Lisboa. Foto: Divulgação

A produção é feita na Casa do Passadiço, em Braga, com material 100% português. O espaço no centro da urbe bracarense foi comprado pelos avós das atuais proprietárias, no século XVIII, e serviu, durante o século XIX (19), como local de passagem para transeuntes que evitavam dar uma grande volta para chegar à Rua do Souto.

Casa do Passadiço, em Braga. Foto: CM Braga

Sobre o palacete, além da sua escadaria, que o historiador Alberto Feyo considerou como uma das “mais grandiosas da cidade”, destaca-se também pela sua capela e jardins com árvores centenárias. Desde há 26 anos que é também um centro nevrálgico de decoração de interiores de luxo.

Populares