Seguir o O MINHO

Braga

Braga-Miami com escala em Hong Kong: ‘Ergueu’ casinos, hoje cria lojas Starbucks

Arquiteto bracarense reside em Miami e é responsável pelo design das lojas Starbucks na América Latina

em

“Hoje é feriado em Portugal, não é?”. Foram as primeiras palavras de uma conversa de quase 40 minutos com o arquiteto bracarense que já conquista o Mundo através do design e prepara-se agora para travar nova vitória com recurso à fotografia captada através de drone.

José Macedo, 36 anos, natural de Braga, deixou as trouxas na cidade aos 18 anos, depois de estudar no colégio D. Pedro V e nas escolas André Soares e Carlos Amarante, e formou-se em arquitetura na Universidade de Coimbra. Passou por Brasil, Hong Kong, Macau e assentou arraial minhoto na Flórida, EUA, onde presentemente desenha as lojas drive thru da marca Starbucks, depois de um convite da administração por ter sido distinguido com o trabalho do ano na Ásia, onde já trabalhava para a cadeia norte-americana.

José Macedo. Foto: DR

De Braga para o Mundo. O arquiteto manteve durante vários anos um programa na Rádio Universitária do Minho (RUM), onde falava de arquitetura e de música indie. Ao mesmo tempo, licenciou-se em Coimbra, onde conseguiu um estágio de intercâmbio com o Brasil. Esteve lá dos 24 aos 26, regressando a Braga para abraçar um projeto que lhe deu a primeira visibilidade. “Fui um dos cinco arquitetos a acompanhar a obra do novo Hospital de Braga”, revela a O MINHO.

Construção do Hospital de Braga. Foto: bysteel / dst

Aos 28, surge a oportunidade de trabalhar numa das maiores empresas de design no mundo (AEDAS), que emprega cerca de 900 arquitetos. Destino? Hong Kong e mais um continente para a lista de moradas. Na Ásia, conquistou experiência nos projetos em “grandes escalas”. “Desenhei resorts, hóteis, centros comerciais”, apresenta.

Aos 32, voltou a fazer as malas, mas desta vez sem mudar de continente.

Os casinos de Macau esperavam pela pena do bracarense, que se divertia na adolescência a tocar guitarra ritmo numa banda de post rock, mas seria a capacidade na arquitetura que fez com que rodasse o planeta Terra.

Na outrora província do Império de Portugal, José começou a trabalhar no lado do cliente. “Tratam melhor os arquitetos”, expõe. “Deixei as empresas de arquitetura e comecei a desenhar hotéis e casinos com clientes próprios”, acrescenta. Num desses projetos, surgiu o primeiro contacto com representantes da Starbucks. Um convite surgiu, José regressou a Hong Kong, e os drive thrus da marca nunca mais foram os mesmos.

Nos últimos quatro anos, o arquiteto desenhou os diferentes edifícios da marca de cafés no sudeste asiático e na Austrália. Uma dessas lojas, na Tailândia, valeu-lhe um prémio interno na empresa, pelo melhor design. E um convite, que surgiu no início de 2019, para se instalar em Miami, na Flórida, onde hoje é responsável por criar o lado visual das lojas da América Latina.

Fotografia 2D pelos ares com publicações em várias revistas

Ainda em Hong Kong, e a o mesmo tempo em que iniciou a colaboração com a empresa norte-americana, José Macedo desenvolveu uma paixão que se tornou num caso sério de mediatismo. Fotografia 2D com recurso a drone.

O investimento “mais caro” que realizou – num drone fotográfico -, já lhe valeu cobertura de órgãos de comunicação social como a Time Out Hong Kong (ler aqui), Perspective Magazine e o semanário Expresso (acesso pago). Tem, atualmente, uma exposição desse género de fotografia patente na galeria de arte Bamboo Scenes, em Hong Kong.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por (@josemacedo) a

“Comecei a tirar fotos por brincadeira e a publicar nas redes sociais”, diz. À distância de vários likes e comentários, chegaram os incentivos para tirar cada vez mais fotografias nesse prisma. E não só o fez como o tornou num estilo.

“Percebi que o meu estilo era mais de cima para baixo, isto é, em plano 2D, como os arquitetos veem a planta. Por isso é que tiro assim as fotos”.

Depois, o passatempo passou a um projeto que começou a crescer: “uma galeria (Bamboo Scenes) propôs comprar os direitos de exibição de oito fotos, e ainda lá estão expostas”.

Sobre este projeto, José adianta a O MINHO que irá tentar explorar a junção da fotografia à arquitetura, mas “ainda sem saber como”. “Não sei o que irá sair daqui, mas quero juntar o útil ao agradável, o trabalho ao passatempo”.

Gerês e a região de Braga não escaparam ao enquadramento do arquiteto.

Bom Jesus. Foto: José Macedo

Praia da Caniçada, Gerês. Foto: José Macedo

Lago do Bom Jesus. Foto: José Macedo

Regresso a Portugal

José Macedo não sabe se irá aproveitar o incentivo do Governo para que emigrantes regressem ao país, mas tem a certeza que quer retornar a Braga (ou a outra cidade do país), a breve prazo.

“A América é espetacular, vim um pouco reticente porque diziam que em Miami era só show off, mas encontrei outra cidade, onde há sempre sol e boas energias, com um espírito mais latino do que americano”, diz. Todavia, “família e amigos” pesam na equação, e o regresso a Portugal será inevitável.

“Não tenho convites ou projetos em mente mas sei que quero regressar a Portugal quando surgir a oportunidade”, garante. Lamenta, no entanto, que não existam as mesmas oportunidades no país.

“Saímos da escola a pensar que queremos ser um Siza Vieira ou um Souto Moura, mas, hoje em dia, com a velocidade da sociedade, é complicado, sobretudo em Portugal, onde é muito difícil criar um ambiente bom dentro das empresas porque há muitos arquitetos e ninguém quer perder o lugar”.

“A situação em Portugal não é a melhor mas se surgir um bom contrato e uma boa oportunidade, que me permita continuar a viajar, aceito na hora”.

West Kowloon Terminus

De Hong Kong, traz ainda a obra mais emblemática que que esteve envolvido. A West Kowloon Terminus, estação de comboios rápidos que liga Hong Kong à capital chinesa (Pequim).

West Kowloon Terminus. Foto: Divulgação

“Foi um desafio interessante porque envolveu um trabalho conjunto de arquitetura e engenharia, de forma a que existisse sustentabilidade”, conta. “Um desenho arrojado e uma grande construção”.

Essa é uma das obras que José Macedo utiliza para tentar explicar aos jovens arquitetos portugueses que devem procurar oportunidades no exterior de foram a alargar os horizontes.

“Acho que devem sair porque a oportunidade de trabalhar em projetos de grande dimensão não existe em Portugal”.

Notícia atualizada às 19h34

Anúncio

Braga

Cães errantes atacam trabalhadora e matam ovelhas em Braga

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Uma trabalhadora de uma empresa, em Navarra, Braga, terá sido atacada, esta manhã, por uma matilha de cães errantes que se desloca pelo lado nordeste do concelho, apurou O MINHO junto de fonte dos bombeiros.

Ao final da tarde, ovelhas e patos caíram numa vala depois de terem sido atacados por, ao que tudo indica, a mesma matilha, já na freguesia vizinha de Crespos, havendo necessidade de resgate em grande ângulo por parte dos bombeiros, conforme apurou O MINHO no local.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Eram cerca das 17:00 da tarde desta quinta-feira quando proprietários de um rebanho de ovelhas, na Rua Bouça do Couço, freguesia de Crespos, alertou as autoridades para a queda deste numa vala com quatro metros de profundidade, depois de a matilha de cães ter perseguido os animais.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Quatro das ovelhas do rebanho estavam já mortas, uma gravemente ferida e 15 com algumas escoriações, mas estáveis. Foram todas resgatadas da vala, assim como três patos que também fugiram dos canídeos.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

No local estiveram os Bombeiros Sapadores de Braga com sete bombeiros e duas viaturas. O presidente da Junta de Crespos disse, ao Jornal de Notícias, que os cães já estão sinalizados há algum tempo e que já foi feita uma denúncia à AGERE, empresa municipal responsável pela recolha de animais errantes para que sejam transportados para o canil.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

A GNR de Braga registou a ocorrência.

Continuar a ler

Braga

Semana da Inclusão assinalada em Braga com 33 atividades

Responsabilidade social

em

Foto: DR / Arquivo

A 4.ª edição da Semana para a Inclusão, de 25 a 03 de dezembro, vai ser assinalada em Braga com exposições, tertúlias, visitas acessíveis, livros, música e uma “conversa” sobre a sexualidade na deficiência, num total de 33 atividades.

Apresentado, esta quinta-feira, o programa, desenvolvido pela Biblioteca Lúcio Craveiro (BLC) em parceria com mais 17 associações da cidade, pretende “sensibilizar a comunidade” para a obrigação de “incluir e integrar” o cidadão com necessidades especiais.

Segundo a diretora da biblioteca, Aida Alves, o objetivo é promover o trabalho em rede depois de muitas das instituições terem percebido que “trabalham muito sobre a sua própria missão e o seu plano de atividades em vez de haver um cruzamento entre si”.

Aida Alves salientou que “a biblioteca tem-se vindo a posicionar naquele que é o seu papel de mediador e que tem a obrigação de difundir informação e gerar conhecimento”.

No total, durante aquela semana vão ser desenvolvidas 33 atividades: seis exposições, três tertúlias, duas visitas acessíveis, quatro apresentações de livros e uma revista, um recital de poesia, cinco ações de sensibilização e formação, sete oficinas e workshops e sete espetáculos de teatro dança e música.

A salientar do programa é a conversa sobre a sexualidade na deficiência: “Uma lacuna nos direitos das pessoas com deficiência e um tema tabu que deve ser esclarecido”, explica a organização.

A 25 de Novembro, portadores de trissomia 21 e outros síndromes ou deficiências vão transformar a BLC numa cozinha improvisada para um Downcooking – Estrelas na cozinha e showcooking.

Dia 26, a destacar a apresentação da peça “Mulheres”, um trabalho da Academia de Teatro do TIN.Bra: “Uma peça que tem um impacto reflexivo muito grande em quem vem assistir e tem que ver com a condição da mulher”, explicou a diretora.

A referir ainda a realização das visitas acessíveis, a 29 de novembro, com o objetivo “melhorar a experiência turística dos visitantes com necessidades específicas”, sendo que os participantes vão ter informação turística e cultural em áudio, imagem e legenda.

Será ainda assinado um protocolo entre a BLC e a ACARE, ADOC, AIA e APCB.

“Cada uma das entidades tem comunidades diferentes e nós propomo-nos a desenvolver com eles o compromisso de continuar a trabalhar para dar resposta às necessidades umas da outras. Eles poderão contar com a biblioteca para várias atividades”, concluiu Aida Alves.

Continuar a ler

Braga

Programa de habitação de Braga quer incentivar a requalificação de imóveis privados

Programa Nacional de Apoio ao Acesso à Habitação

em

Foto: O MINHO (Arquivo)

A câmara de Braga quer incentivar a requalificação de imóveis privados usando o Programa Local de Habitação (PLH), pretendendo candidatar-se ao financiamento do “1.º Direito” – Programa Nacional de Apoio ao Acesso à Habitação.

Segundo informação veiculada hoje pela autarquia à Lusa, com o PLH, a câmara “passará a dispor de uma ferramenta programática de caráter estratégico, passível de vir a ser enquadrada com a estratégia municipal de planeamento, ordenamento e reabilitação urbana”, que terá em conta o “aumento de 10% da população em seis anos”.

O PLH de Braga vai desenvolver-se em duas fases: uma primeira de diagnóstico (a decorrer até final do primeiro trimestre de 2020) e a segunda consistirá na apresentação de um plano pormenorizado, com as iniciativas a serem desenvolvidas nesta área.

“Temos de ser criativos e capazes de responder às novas necessidades da população. Este Programa será um documento muito importante para que o município possa reforçar a sua política de apoio à habitação”, referiu quarta-feira, o presidente da autarquia na apresentação do programa, Ricardo Rio.

O autarca destacou que, com este programa, “vai ser possível conhecer ao pormenor a realidade local e as suas necessidades habitacionais, de forma a desenvolver estratégias concretas para responder aos desafios que esta área coloca”.

Um dos vetores do programa é o incentivo à requalificação de imóveis por iniciativa privada: “Os proprietários privados da cidade também vão poder recorrer a incentivos com o objetivo de requalificarem os seus imóveis e de os colocarem no mercado de arrendamento”, afirma a autarquia.

Além da candidatura ao programa “1.º Direito”, o (PLH) servirá como ferramenta para outros instrumentos de política de habitação que apoiam na resolução das carências habitacionais previstos na Nova Geração de Políticas de Habitação (NGPH), como o Porta de Entrada – Programa de Apoio ao Alojamento Urgente, Porta 65 – Jovem, IFRRU 2020, Casa Eficiente 2020, entre outros.

A autarquia desafia ainda os munícipes a “reportar e identificar situações de vulnerabilidade” através do seu portal da Internet, onde podem contribuir para um “diagnóstico mais aprofundado, reportando e identificando situações de habitação indigna, quer estas respeitem ao próprio cidadão ou agregado familiar a que pertence, quer a outros cidadãos ou agregados que eventualmente tenha conhecimento”

Continuar a ler

Populares