Seguir o O MINHO

Braga

Braga-Miami com escala em Hong Kong: ‘Ergueu’ casinos, hoje cria lojas Starbucks

Arquiteto bracarense reside em Miami e é responsável pelo design das lojas Starbucks na América Latina

em

“Hoje é feriado em Portugal, não é?”. Foram as primeiras palavras de uma conversa de quase 40 minutos com o arquiteto bracarense que já conquista o Mundo através do design e prepara-se agora para travar nova vitória com recurso à fotografia captada através de drone.


José Macedo, 36 anos, natural de Braga, deixou as trouxas na cidade aos 18 anos, depois de estudar no colégio D. Pedro V e nas escolas André Soares e Carlos Amarante, e formou-se em arquitetura na Universidade de Coimbra. Passou por Brasil, Hong Kong, Macau e assentou arraial minhoto na Flórida, EUA, onde presentemente desenha as lojas drive thru da marca Starbucks, depois de um convite da administração por ter sido distinguido com o trabalho do ano na Ásia, onde já trabalhava para a cadeia norte-americana.

José Macedo. Foto: DR

De Braga para o Mundo. O arquiteto manteve durante vários anos um programa na Rádio Universitária do Minho (RUM), onde falava de arquitetura e de música indie. Ao mesmo tempo, licenciou-se em Coimbra, onde conseguiu um estágio de intercâmbio com o Brasil. Esteve lá dos 24 aos 26, regressando a Braga para abraçar um projeto que lhe deu a primeira visibilidade. “Fui um dos cinco arquitetos a acompanhar a obra do novo Hospital de Braga”, revela a O MINHO.

Construção do Hospital de Braga. Foto: bysteel / dst

Aos 28, surge a oportunidade de trabalhar numa das maiores empresas de design no mundo (AEDAS), que emprega cerca de 900 arquitetos. Destino? Hong Kong e mais um continente para a lista de moradas. Na Ásia, conquistou experiência nos projetos em “grandes escalas”. “Desenhei resorts, hóteis, centros comerciais”, apresenta.

Aos 32, voltou a fazer as malas, mas desta vez sem mudar de continente.

Os casinos de Macau esperavam pela pena do bracarense, que se divertia na adolescência a tocar guitarra ritmo numa banda de post rock, mas seria a capacidade na arquitetura que fez com que rodasse o planeta Terra.

Na outrora província do Império de Portugal, José começou a trabalhar no lado do cliente. “Tratam melhor os arquitetos”, expõe. “Deixei as empresas de arquitetura e comecei a desenhar hotéis e casinos com clientes próprios”, acrescenta. Num desses projetos, surgiu o primeiro contacto com representantes da Starbucks. Um convite surgiu, José regressou a Hong Kong, e os drive thrus da marca nunca mais foram os mesmos.

Nos últimos quatro anos, o arquiteto desenhou os diferentes edifícios da marca de cafés no sudeste asiático e na Austrália. Uma dessas lojas, na Tailândia, valeu-lhe um prémio interno na empresa, pelo melhor design. E um convite, que surgiu no início de 2019, para se instalar em Miami, na Flórida, onde hoje é responsável por criar o lado visual das lojas da América Latina.

Fotografia 2D pelos ares com publicações em várias revistas

Ainda em Hong Kong, e a o mesmo tempo em que iniciou a colaboração com a empresa norte-americana, José Macedo desenvolveu uma paixão que se tornou num caso sério de mediatismo. Fotografia 2D com recurso a drone.

O investimento “mais caro” que realizou – num drone fotográfico -, já lhe valeu cobertura de órgãos de comunicação social como a Time Out Hong Kong (ler aqui), Perspective Magazine e o semanário Expresso (acesso pago). Tem, atualmente, uma exposição desse género de fotografia patente na galeria de arte Bamboo Scenes, em Hong Kong.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por (@josemacedo) a

“Comecei a tirar fotos por brincadeira e a publicar nas redes sociais”, diz. À distância de vários likes e comentários, chegaram os incentivos para tirar cada vez mais fotografias nesse prisma. E não só o fez como o tornou num estilo.

“Percebi que o meu estilo era mais de cima para baixo, isto é, em plano 2D, como os arquitetos veem a planta. Por isso é que tiro assim as fotos”.

Depois, o passatempo passou a um projeto que começou a crescer: “uma galeria (Bamboo Scenes) propôs comprar os direitos de exibição de oito fotos, e ainda lá estão expostas”.

Sobre este projeto, José adianta a O MINHO que irá tentar explorar a junção da fotografia à arquitetura, mas “ainda sem saber como”. “Não sei o que irá sair daqui, mas quero juntar o útil ao agradável, o trabalho ao passatempo”.

Gerês e a região de Braga não escaparam ao enquadramento do arquiteto.

Bom Jesus. Foto: José Macedo

Praia da Caniçada, Gerês. Foto: José Macedo

Lago do Bom Jesus. Foto: José Macedo

Regresso a Portugal

José Macedo não sabe se irá aproveitar o incentivo do Governo para que emigrantes regressem ao país, mas tem a certeza que quer retornar a Braga (ou a outra cidade do país), a breve prazo.

“A América é espetacular, vim um pouco reticente porque diziam que em Miami era só show off, mas encontrei outra cidade, onde há sempre sol e boas energias, com um espírito mais latino do que americano”, diz. Todavia, “família e amigos” pesam na equação, e o regresso a Portugal será inevitável.

“Não tenho convites ou projetos em mente mas sei que quero regressar a Portugal quando surgir a oportunidade”, garante. Lamenta, no entanto, que não existam as mesmas oportunidades no país.

“Saímos da escola a pensar que queremos ser um Siza Vieira ou um Souto Moura, mas, hoje em dia, com a velocidade da sociedade, é complicado, sobretudo em Portugal, onde é muito difícil criar um ambiente bom dentro das empresas porque há muitos arquitetos e ninguém quer perder o lugar”.

“A situação em Portugal não é a melhor mas se surgir um bom contrato e uma boa oportunidade, que me permita continuar a viajar, aceito na hora”.

West Kowloon Terminus

De Hong Kong, traz ainda a obra mais emblemática que que esteve envolvido. A West Kowloon Terminus, estação de comboios rápidos que liga Hong Kong à capital chinesa (Pequim).

West Kowloon Terminus. Foto: Divulgação

“Foi um desafio interessante porque envolveu um trabalho conjunto de arquitetura e engenharia, de forma a que existisse sustentabilidade”, conta. “Um desenho arrojado e uma grande construção”.

Essa é uma das obras que José Macedo utiliza para tentar explicar aos jovens arquitetos portugueses que devem procurar oportunidades no exterior de foram a alargar os horizontes.

“Acho que devem sair porque a oportunidade de trabalhar em projetos de grande dimensão não existe em Portugal”.

Notícia atualizada às 19h34

Anúncio

Braga

Hospital de Braga está a recrutar enfermeiros

Emprego

em

Foto: DR / Arquivo

O Hospital de Braga abriu concurso público para a constituição de bolsa de recrutamento de enfermeiros.

O processo de recrutamento tem em vista o preenchimento de necessidades que possam vir a ocorrer, tratando-se de regime celebração de contratos de trabalho sem termo, a termo resolutivo certo e/ou a termo resolutivo incerto, correspondente a uma carga horária semanal de 35 horas, em regime de trabalho por turnos.

A seleção decorrerá em duas fases. A primeira é de avaliação curricular, tendo em conta as dimensões das habilitações académicas, formação profissional na área de Enfermagem, experiência profissional, bem como outros elementos relevantes; a segunda fase decorrerá a entrevista profissional.

As candidaturas devem ser feitas através de formulário online.

Os requisitos e outras informações podem ser consultados no site do Hospital de Braga.

Continuar a ler

Braga

Feira do Livro virtual de Braga regista cinco mil visitas

Cultura

em

Foto: Divulgação

A Feira do Livro de Braga, que arrancou virtualmente na sexta feira, dia 03, contou já com a visita de mais de cinco mil pessoas. A este número juntam-se ainda 500 pessoas que assistiram, nestes primeiros seis dias, às várias sessões do programa cultural promovido pelo Município e pelo mecenas do evento, o dstgroup.

Fonte da empresa municipal InvestBraga adiantou, hoje, que a programação cultural da 29.ª edição conta com várias “Conversas em streaming” com autores nacionais e estrangeiros, passatempos, ofertas de livros e também iniciativas da responsabilidade do patrocinador principal, há mais de 25 anos, o dstgroup, dirigido por José Teixeira.

Nesta edição digital, e para o mundo, é possível visitar entre livrarias, editoras e alfarrabistas, 20 expositores presentes na feira através de um Virtual Tour, e adquirir diversos os produtos a partir da plataforma de vendas online, Dott, que conta com mais de cinco mil livros.

A viagem virtual pela feira inicia-se numa «street view» das avenidas onde a feira tinha usualmente lugar e é nesse espaço que é possível entrar em cada um dos stands dos diferentes expositores para consultar os seus catálogos de livros. Nessa fase, os  visitantes são direcionados para a loja online da Feira, onde podem efetuar todo o processo de compra dos produtos escolhidos. A entrega das encomendas fica, por sua vez, a cargo dos CTT.

De referir que a Feira do Livro é uma organização do Município de Braga e da InvestBraga em estreita colaboração com a Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva, com a The Book Company | Booktailors, os CTT e a DOTT e com o mecenato da dst group.

A feira virtual está disponível desde o dia 3 e prolonga-se até ao dia 03 de setembro de 2020.

Continuar a ler

Braga

Advogados querem que brasileira detida na Cairense deixe de se apresentar na PSP

Provas de que se prostituía são “meras conjeturas”

em

Imagem via Google Maps

O Tribunal Central Administrativo do Norte rejeitou um recurso do SEF e confirmou a decisão do Administrativo de Braga de suspender a expulsão de uma cidadã brasileira, a qual não chegou a sair de Portugal, devido à interposição de uma providência cautelar.

A imigrante havia sido detida, em dezembro, com outras sete mulheres, numa operação policial na Residencial Cairense em Braga. Agora, o seu advogado de defesa, João Magalhães que representa, ainda, outra cidadã brasileira detida na mesma noite na Cairense, pediu à juíza que anule a obrigatoriedade de as duas se apresentarem semanalmente na PSP.

‘Rusga’ em ‘casa de alterne’ de Braga termina com identificação de 28 mulheres e 50 clientes

No requerimento, o jurista lembra que, e conforme o MINHO noticiou, o Administrativo de Braga já considerara, na sua sentença, não ter ficado provado que a mulher trabalhasse no alterne ou na prostituição já que foi encontrada a tomar café naquela unidade hoteleira.

O Tribunal do Norte, a segunda instância, confirmou esta versão e diz que o SEF a expulsou com base em “meras conjeturas, não demonstradas e apenas com provas indiciárias”.

Embora o advogado não o especifique, a verdade é que, se a medida de coação de apresentações semanais na Polícia não for revogada, as duas imigrantes terão de ali se deslocar ao longo de vários anos, já que, como é sabido e não se prevê que tenha alteração a breve prazo, um processo no Tribual Administrativo de Braga pode durar seis a dez anos a ser decidido, por falta de juízes e de salas.

“É inaceitável e inconcebível que o Estado Português e o Tribunal continue a tratar a aqui Requerente , como uma prostituta. Quando, na verdade, a mesma, tem uma Sentença do Tribunal Administrativo Fiscal de Braga e um Acórdão do Tribunal Central Administrativo do Norte, que prova, inegavelmente, que a mesma não se encontra em território português a prostituir-se. Encontrando-se sim, à procura de emprego, na tentativa de se estabilizar profissional e economicamente”, lê-se no requerimento.

Continuar a ler

Populares