Seguir o O MINHO

Vitória SC

Vitória B sofre golo nos descontos e está quase condenado

30.ª jornada da II Liga

em

Foto: DR/Arquivo

O Arouca empatou hoje no terreno do Vitória SC B (2-2), com um tento de Malele aos 90+2 minutos, num jogo da 30.ª jornada da II Liga portuguesa de futebol em que as equipas alternaram o domínio.

Numa partida quase sempre mal jogada, os vimaranenses estiveram sempre na frente do marcador, com golos de Aziz (33 minutos) e João Correia (60), mas a turma arouquense, melhor na segunda parte, reagiu através de Bukia (53) e do avançado suíço, nos instantes finais.

A turma minhota venceu apenas um dos últimos 14 jogos e continua no 18.º lugar, com 28 pontos, a seis da primeira equipa acima da zona de despromoção – o Académico de Viseu, 15.º classificado -, enquanto o Arouca é 13.º, com 36, mais dois do que o Varzim, 16.º.

Numa primeira metade pouco intensa, o Vitória B teve mais bola, ameaçou o golo num lance em que o guarda-redes Stefanovic se opôs a Aziz e a Rincón, aos 19 minutos, e inaugurou o marcador quando Aziz emendou, de cabeça, um primeiro cabeceamento de Hélder Ferreira.

O Arouca ainda falhou uma ocasião na primeira parte, quando Deyvison cabeceou ao lado, aos 26 minutos, mas só melhorou após o intervalo, com o recém-entrado Bukia a empatar com um remate de fora da área ao ângulo superior esquerdo.

Os vitorianos ripostaram e chegaram de novo à vantagem, com João Correia, isolado por Mimito, a colocar a bola entre as pernas de Stefanovic, mas a equipa treinada por Quim Machado continuou a insistir no ataque e empatou num cabeceamento de Malele, após antecipação ao guarda-redes André Costa.

Anúncio

Futebol

Reformulação das competições europeias não retira vagas a Portugal

Portugal está no sexto lugar do ‘ranking’ da UEFA

em

Foto: Divulgação/FPF

A próxima reformulação das competições europeias de futebol, com a introdução da Europa Conference League, não irá alterar as vagas destinadas à participação portuguesa, caso Portugal consiga manter o atual sexto posto no ‘ranking’ da UEFA.

O organismo que rege o futebol europeu decidiu avançar para a criação de uma nova prova sob a sua égide, anunciada em 2018, numa tentativa de dar mais competição às federações-membro para o período entre 2021 e 2024.

Neste momento, Portugal discute com a Rússia o sexto lugar da hierarquia, uma vez que esse posto atribui diretamente duas vagas para a Liga dos Campeões, uma para a fase de acesso à prova mais importante de clubes da UEFA e outras três para a Liga Europa.

Em comunicado, a UEFA escreve que “espera mudanças que melhorem o equilíbrio competitivo, o apelo comercial da Liga Europa e garantam níveis mais altos de participação dos campeões nacionais”, assim como “uma representação mais ampla das associações nacionais no futebol europeu de clubes ao longo da temporada”.

A Liga Europa, que vai ter o vencedor da prova a entrar diretamente na Liga dos Campeões no ano seguinte, passa do atual formato de 48 equipas para 32, igualando o modelo da ‘Champions’, com oito grupos de quatro equipas, seguida das fases a eliminar (oitavos de final, ‘quartos’, ‘meias’ e final), sendo que a ronda dos 16 avos de final deixa de existir, passando a disputar-se um ‘play-off’ entre os terceiros classificados da fase de grupos da prova mais importante de clubes e os segundos classificados da Liga Europa para aceder aos ‘oitavos’.

O mesmo acontece para a nova competição da UEFA, com os terceiros classificados da Liga Europa e disputarem igualmente um ‘play-off’ com as equipas que terminarem em segundo lugar nas ‘poules’ da Europa Conference League, com o vencedor da competição a entrar também de forma direta para a fase de grupos da Liga Europa na edição seguinte.

Esta nova estrutura para as competições europeias garantirá que, pelo menos, 34 federações nacionais da UEFA estejam representadas na fase de grupos de uma ou mais competições, havendo um mínimo de 14 campeões nacionais na fase de grupos da Liga dos Campeões, entre oito e 11 campeões nacionais na fase de grupos da Liga Europa e entre nove e 12 campeões nacionais na fase de grupos da Europa Conference League.

Todas as associações-membro da UEFA terão acesso às três competições de clubes e as suas quotas permanecerão inalteradas.

Continuar a ler

Futebol

Welthon para “algumas semanas” devido a entorse no joelho direito

Avançado do Paços de Ferreira emprestado pelo Vitória

em

Foto: Twitter

O avançado Welthon, que representa o Paços de Ferreira por empréstimo do Vitória SC, sofreu uma entorse no joelho direito e vai parar “algumas semanas”, confirmou hoje fonte ligada ao clube da I Liga de futebol.

Welthon foi substituído ao intervalo do jogo em que o Paços acabaria venceu o Tondela (1-0), na última jornada do campeonato, com problemas no joelho direito, confirmando-se que as queixas que motivaram a assistência ainda em campo, em duas ocasiões, resultaram de uma entorse.

Fonte do clube pacense disse à agência Lusa que o jogador vai ser sujeito a uma ressonância para avaliar a extensão da lesão, adiantando que o tempo de paragem deverá ser “prolongado”, estimando que se prolongue por “algumas semanas”.

Os centrais André Micael e Marco Baixinho, também aos cuidados do departamento médico, continuam em tratamento às lesões musculares que os têm mantido afastados da competição, embora o regresso de Baixinho esteja mais perto, prevendo-se a sua reintegração nos trabalhos da equipa na próxima semana.

A paragem nos campeonatos para dar lugar aos trabalhos das seleções também acabou por desfalcar o plantel pacense, com Oleg e Dadashov a integrarem as seleções da Moldávia e do Azerbaijão, respetivamente. Matchoi está ao serviço dos sub-17 de Portugal.

Continuar a ler

I Liga

Ivo Vieira antecipa Dérbi do Minho com “bom futebol” e quer Vitória “equilibrado”

11.ª jornada

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães/O MINHO

O treinador do Vitória SC, Ivo Vieira, disse hoje esperar momentos de “bom futebol” frente ao SC Braga, no domingo, na 11.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, e pediu equilíbrio aos seus jogadores.

“O Vitória é uma equipa que cria bom futebol e o Braga também procura jogar bem, [exibir] um futebol de ataque. Nós e o Braga estamos nesse lote das cinco ou seis equipas que mais procuram a baliza do adversário e dar qualidade do jogo, pelo menos nesta fase do campeonato”, reiterou o técnico, na conferência de imprensa de antevisão ao encontro marcado para as 20:00, em Guimarães.

https://twitter.com/VitoriaSC1922/status/1193157589766475776

Atual quinta classificada, com 16 pontos, a formação vitoriana tem quatro de vantagem para o rival minhoto, 11.º da tabela, mas o técnico madeirense afirmou que o seu plantel precisa de conjugar a organização em campo com a vontade de vencer para somar os três pontos e alcançar um “conforto” de sete pontos sobre um “adversário direto” na luta pelos lugares cimeiros.

“O cerne da questão é sermos equilibrados dentro do jogo e querermos tanto vencer como os nossos adeptos. Vamos querer tanto como eles, mas isso, dentro do jogo, não pode ultrapassar a nossa organização e os nossos equilíbrios. A intensidade e a vontade vão lá estar, mas o discernimento também tem de estar”, frisou.

O Vitória SC, prometeu Ivo Vieira, vai “procurar a baliza do adversário o mais possível”, à semelhança de outras partidas já disputadas nesta época, mas também apresentar-se ciente do poderio bracarense no ataque organizado, com “jogadores rápidos e possantes”, quer no contra-ataque, momento, a seu ver, “bem trabalhado” pelo conjunto treinado por Ricardo Sá Pinto.

O treinador dos vimaranenses concordou ainda que a sua equipa tem “tido grandes desempenhos em jogos de grande dimensão”, até porque os jogadores costumam aí ter mais tempo para decidir face aos encontros em que têm de ultrapassar formações recuadas, mas admitiu que os resultados não têm correspondido.

O duelo entre vitorianos e ‘arsenalistas’ em Guimarães mobilizou pelo menos 20.000 adeptos nas últimas três épocas, com Ivo Vieira a reconhecer que o jogo é “diferente” pelo “entusiasmo” com que se vive.

“Independentemente do número de pontos [das equipas], seria sempre um jogo fundamental para os vitorianos ganharem”, observou.

Habituado a mudar o ‘onze’ face ao número de jogos a que o Vitória está sujeito desde o início da época – já realizou 22, repartidos por I Liga, Taça de Portugal, Taça da Liga e Liga Europa -, o técnico vai fazê-lo novamente devido à suspensão de Mikel Agu (cinco amarelos), mas considerou que o rendimento não tem oscilado face à “qualidade dos jogadores” e ao trabalho durante a semana.

Continuar a ler

Populares