Seguir o O MINHO

Alto Minho

Victor Mendes à frente de Abel Baptista em inquérito do jornal O MINHO

em

O jornal O MINHO realizou um inquérito entre sexta-feira, dia 14, e terça-feira, dia 18, onde perguntava aos seus leitores para mostrarem a sua preferência entre Abel Baptista e Víctor Mendes, enquanto candidatos da área do CDS à Câmara Municipal de Ponte de Lima, nas eleições legislativas de 2017.

Responderam à pergunta cerca de 1.800 leitores, tendo 998 demonstrado preferência por o atual presidente do município, Victor Mendes, enquanto 780 votaram pelo ex-deputado, Abel Baptista.

Para a realização do inquérito, em que o voto era totalmente secreto, foi utilizada a ferramenta PlayBuzz, aplicação especializada em questionários, utilizada, entre outros, pelo jornal inglês The Sun.

Abel Baptista apresentou a sua candidatura independente à Câmara de Ponte de Lima no passado sábado, enquanto Víctor Mendes, escolhido pela líder Assunção Cristas, será o candidato do CDS.

Nas eleições legislativas de 2013, o CDS teve um total de 14.982 votos.

Caso as votações nos partidos nesse ato eleitoral se mantivessem inalteradas, se admitíssemos uma divisão de votos entre Victor Mendes e Abel Baptista de acordo com o resultado do inquérito de O MINHO, os resultados nas próximas eleições autárquicas seriam:

Víctor Mendes/CDS – 8.390 votos (30.40%)/ 3 vereadores

Abel Baptista/lista independente – 6.592 votos (23.89%)/ 2 vereadores

PSD – 4.374 votos (15,85%)/ 1 vereador

Movimento 51 – 3.325 votos (12,05%)/ 1 vereador

PS – 2.560 votos (9,28%)

PCP/PEV – 1.035 votos (3,75%);

Brancos – 801 votos (2,90%);

Nulos – 514 votos (2,90%) .

A data das eleições legislativas de 2017 será anunciada durante o próximo ano pelo Presidente da República.

logo Facebook Fique a par das Notícias de Ponte de Lima. Siga O MINHO no Facebook. Clique aqui

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Viana do Castelo

Pastelaria de Viana deu 108 mil euros na raspadinha: “Fiquei bastante feliz”

Sorte

em

Foto: Cedida a O MINHO

108 mil euros. 1.500 euros todos os meses durante seis anos. Foi este o prémio obtido por um senhor numa raspadinha comprada na Pastelaria Londrina, no Largo de São Domingos em Viana do Castelo.

A proprietária, Joaquina Barreiro Dias, manifestou a O MINHO a sua satisfação pela entrega deste prémio.

“Fiquei bastante feliz”.

E se o movimento da Londrina aumentou durante o dia de hoje, a verdade é que o estabelecimento vai dando prémios com alguma frequência.

“Ainda no Natal demos 20 mil euros a um cliente”, recorda Joaquina Dias.

A O MINHO, manifestou o seu sonho secreto: “a minha maior felicidade era entregar o primeiro prémio do Euromilhões”.

Continuar a ler

Alto Minho

Alto Minho lamenta “ausência” do ICNF na apresentação contra fogos

Comissão Distrital de Proteção Civil pediu esclarecimentos

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO / Arquivo

O presidente da Comissão Distrital de Proteção Civil de Viana do Castelo, Miguel Alves, lamentou, hoje, a “ausência” do ICFN na apresentação do plano de combate a fogos e adiantou ter sido decidido pedir esclarecimentos àquele organismo.

“No conjunto de 100 pessoas que estiveram hoje aqui, a debater o presente e o futuro do combate aos incêndios no distrito de Viana do Castelo, o ICNF não esteve presente para nos ajudar a resolver problemas, sobretudo, num contexto do Parque Nacional na Peneda Gerês (PNPG) e das matas nacionais que temos no distrito”, afirmou o também presidente da Câmara de Caminha.

O socialista, que é ainda presidente do Conselho Regional do Norte falava aos jornalistas no final da reunião que decorreu hoje, à porta fechada, em Arcos de Valdevez, para a apresentação do Plano Operacional Distrital no âmbito do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais/2019.

“É com mágoa que digo que, nesta reunião em que tínhamos instituições de todo o distrito, não tínhamos o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF). É uma pena. Gostávamos de colocar várias questões ao ICNF. Temos o Parque Nacional na Peneda Gerês (PNPG), que está sempre sob risco, temos matas nacionais, zonas de cogestão. É uma pena que, ultimamente, não tenhamos a oportunidade de debater estas questões com o ICNF, disse.

O presidente da Comissão Distrital de Proteção Civil de Viana do Castelo adiantou ter sido decidido “escrever uma carta aos dirigentes do ICNF para encontrar uma solução para resolver essa lacuna”.

Miguel Alves adiantou que o dispositivo distrital, no nível de empenhamento máximo (Nível IV), “terá 98 equipas (incluindo equipas de combate, logísticas, vigilância, de ataque inicial, entre outras), compostas por 474 operacionais e 102 veículos”.

No distrito existem 12 corporações de bombeiros, uma delas municipal. No total a região dispõe de 635 bombeiros voluntários registados.

“Somos o distrito com menos corporações de bombeiros voluntários, menos bombeiros e ocupamos o nefasto primeiro lugar do distrito onde há mais ocorrências por bombeiro, a relação do número de ocorrência por bombeiro é a maior de todo o país”, referiu Miguel Alves.

Adiantou que, apesar de “não ser o dispositivo que a região queria, a área ardida tem vindo a diminuir desde 2016, ano em que foram contabilizados 31.500 hectares, contra os 1.628 hectares, em 2018”.

“Este ano já vamos em 1.281 hectares e 327 ocorrências e ainda não entramos no período mais difícil”, especificou, adiantando estar “mais preocupado este ano, do que em 2018”.

Miguel Alves referiu-se, entre outros fatores, a “um afrouxamento no alarme social e no cuidado nas limpezas, parecendo que já se vão esquecendo os incêndios terríveis de 2017”.

“Se estamos à espera que os nossos bombeiros, que são 635 para dez municípios, 208 freguesias, uma área de 222.000 hectares que vão resolver os problemas todos, quando tudo estiver a acontecer estamos completamente errados e é bom que tenhamos noção disso”, sublinhou.

Continuar a ler

Alto Minho

Alto Minho tem o dispositivo “possível” para a época crítica de fogos

Distrito de Viana do Castelo tem cerca de 635 bombeiros voluntários

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO /Arquivo

O primeiro Comandante Operacional Distrital (CODIS) de Viana do Castelo, Marco Domingues, disse hoje que o dispositivo de combate aos incêndios no Alto Minho, “é o possível”, admitindo que o distrito “tem o maior número de ocorrências por corporação”.

“Se é o dispositivo suficiente, dependerá do número e da simultaneidade das ocorrências. Somos o distrito do país com um dos dispositivos mais reduzidos, senão o mais reduzido e aquele que tem maior número de ocorrências por corporação de bombeiros. É o dispositivo com que contamos, em que confiamos e com o qual vamos trabalhar”, afirmou.

No total, o distrito de Viana do Castelo tem cerca de 635 bombeiros voluntários.

Marco Domingues, que falava aos jornalistas no final de uma reunião da Comissão Distrital de Proteção Civil de Viana do Castelo, que decorreu hoje, à porta fechada, em Arcos de Valdevez, referiu que, este ano, a região “contará em permanência, no ‘nível IV’, entre julho e setembro, com 22 equipas bombeiros, compostas por 89 operacionais nas corporações do Alto Minho”.

“Nestas equipas já incluímos as cinco que virão do distrito de Lisboa, mais duas equipas de combate a incêndios nascentes. Há ainda 12 Equipas de Intervenção Permanente (EIP) nas corporações de bombeiros do distrito”, referiu Marco Domingues aos jornalistas, no final da reunião de apresentação do Plano Operacional Distrital no âmbito do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais/2019.

O responsável pelo Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Viana do Castelo adiantou que no ‘nível IV’, no “total das valências (vigilância, fiscalização e combate) a região terá um total 98 equipas, compostas por 474 operacionais e 102 veículos”.

Àquele dispositivo juntam-se ainda “26 equipas de sapadores florestais, dez equipas do Corpo Nacional de Agentes Florestais do Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF) e três equipas AFOCELCA -Agrupamento Complementar de Empresas”.

Este ano, “o dispositivo contará também com a Unidade Local de Covas, em Vila Nova de Cerveira, composta por 18 operacionais e três veículos e que funcionará, em caso de necessidade, em articulação com o CDOS na vigilância, combate e rescaldo de incêndios”.

Uma equipa do Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) da GNR e a Brigada de Proteção Ambiental da PSP, também integram o dispositivo distrital “dotado de um meio aéreo permanente, estacionado no Centro de Meios Aéreos de Arcos de Valdevez, e que será reforçado com um segundo meio aéreo médio com capacidade de transporte de 12 operacionais”.

Está ainda previsto “o apoio das Juntas de Freguesias, dotadas de ‘kits’ de intervenção primária de combate a fogos florestais e das equipas logísticas de apoio ao combate”.

No Alto Minho existem 12 corporações de bombeiros, sendo que Viana do Castelo é o único concelho a dispor de um corpo profissional na região.

Além da capital do Alto Minho, apenas Caminha possui duas corporações de bombeiros voluntários, uma situada na sede do concelho e a outra em Vila Praia de Âncora.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Patrocinado

Reportagens da Semana

Populares