Seguir o O MINHO

Região

Viajar na autoestrada até Valença vai custar mais cinco cêntimos em 2019

Aumentos em linha com a inflação

em

Fotos: DR

As viagens entre Lisboa e o Porto, via Autoestrada do Norte (A1), vão subir 15 cêntimos, em 2019, e o percurso entre a capital e o Algarve, pela Autoestrada do Sul (A2), vai aumentar 25 cêntimos, foi hoje anunciado. Na A3, que liga o Porto a Valença, o aumento será de cinco cêntimos (em 2018 foi de 20 cêntimos).


De acordo com concessionária Brisa, num comunicado hoje divulgado, “as portagens da Brisa Concessão Rodoviária vão ter uma atualização média de 0,94% das suas tarifas, relativamente a 2018”.

“Nos percursos de longa distância, o valor absoluto das atualizações, para 2019, é sempre inferior ao igual ao verificado em 2018”, refere a empresa, dando como exemplo uma viagem Lisboa/Porto na A1, que custará mais 15 cêntimos em 2019 (em 2018 o aumento foi de 45 cêntimos), ou Lisboa-Algarve, que custará mais 25 cêntimos a partir de terça-feira (o mesmo valor que aumentou, de 2017 para 2018).

Nas mesmas autoestradas haverá ainda aumentos de cinco cêntimos em dois sublanços: na A1, no sublanço Espinho/Carvalhos, e na A2, no sublanço Fogueteiro/Coina.

O valor de 0,94% de atualização média, esclarece a Brisa, “tem como referência, conforme legalmente estipulado, a taxa de inflação homóloga – no continente, sem habitação – de outubro”.

A Brisa sublinha que, “na classe 1 [que abrange os veículos ligeiros de passageiros], apenas 18 das 93 taxas de portagem (19% no total) foram atualizadas” e que, “na maioria dos percursos, o impacto dessas atualizações é mínimo”.

No mesmo comunicado, a Brisa refere que, em 2019, vai “investir 74 milhões de euros nas autoestradas: 59 milhões na conservação e melhoria de utilização da infraestrutura gerida pela empresa e 15 milhões para aumentar para dez o atual número de áreas Colibri Via Verde”.

Anteriormente, a empresa pública Infraestruturas de Portugal (IP) tinha anunciado que iria aumentar as portagens em 22% da sua rede, em 2019, em valores que oscilam entre os cinco e os 25 cêntimos.

No respeito à Classe 1 de veículos, de acordo com a empresa, há várias concessões que mantêm os valores das portagens: A4 – Túnel do Marão, A4 – Autoestrada Transmontana, A23 entre Torres Novas e Abrantes, A21 – Ericeira-Venda do Pinheiro, A19 Litoral Oeste, A13 e A13-1 – Pinhal Interior, A16 – Grande Lisboa, A4, A41 e A42 – Grande Porto.

Entre as vias que terão alterações de preço, estão a A25, da Concessão Beiras Litoral e Alta, com uma subida de 25 cêntimos na Classe 1, e a A29, com um aumento de cinco cêntimos. A A7 e a A11 sobem 5 e 10 cêntimos, respetivamente.

A A22, no Algarve, irá custar mais 15 cêntimos, aumento igual ao que irá registar-se na A24.

Na A28 a Classe 1 sobe 10 cêntimos e, na A33, aumenta cinco cêntimos, o mesmo crescimento verificado na A8.

Estes valores referem-se ao total da viagem, na estrada em causa.

Anúncio

Guimarães

Ministro inaugura sede do MIT Portugal na UMinho em Guimarães

Tecnologia

em

Foto: Twitter

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, vem segunda-feira à Universidade do Minho, em Guimarães, para a inauguração da sede do Programa MIT Portugal. Este programa junta o MIT – Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos EUA, o Governo português e várias entidades nacionais.

A cerimónia – diz o Gabinete da Reitoria – decorre pelas 18h00, no edifício 1 do campus de Azurém, prevendo-se uma visita às novas instalações e as intervenções de Manuel Heitor, do reitor da UMinho, Rui Vieira de Castro, e do diretor do MIT Portugal e presidente da Escola de Engenharia da UMinho, Pedro Arezes.

Face ao contexto pandémico, a sessão vai ser acompanhada por um número reduzido de convidados, nomeadamente da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), do AIR Centre – Centro Internacional de Investigação do Atlântico, da Agência Espacial Portuguesa, da Agência Nacional de Inovação, de universidades e de empresas.

Ideias inovadoras

O Programa MIT Portugal nasceu em 2006 e envolve o MIT, o Governo português, além de academias e centros de investigação nacionais, associações e a indústria.

Tem como objetivo impulsionar ideias inovadoras e projetos de I&D sobre desafios complexos da sociedade e do planeta, alavancando o desenvolvimento e a competitividade económico-social de Portugal.

Para o período 2020/2023 aposta em quatro áreas: alterações climáticas, sistemas terrestres (Oceanos e Espaço), transformação digital e cidades sustentáveis, todas elas com abordagens e metodologias ancoradas em ciência de dados.

A sua próxima Conferência Anual ocorre a 15 de outubro, em Lisboa, com oradores de vários países.

Continuar a ler

Braga

Número de casos ativos de covid no concelho de Braga sobe para 231

Covid-19

em

Foto: O MINHO

O concelho de Braga registou vinte novas infeções pelo novo coronavírus desde a passada quinta-feira.

Estes dados, apurados por O MINHO junto de fonte local da saúde, foram atualizados às 09:30 deste sábado.

Durante o mesmo período, não houve casos de recuperações do SARS CoV-2, totalizando o concelho 1.393 casos recuperados desde o início da pandemia.

Em termos acumulados, são já 1.698 casos de pessoas infetadas com a doença.

Lamentam-se ainda 74 óbitos, número que permanece igual desde o passado dia 16 de junho.

Existem, atualmente, 231 casos ativos de covid-19 em todo o concelho de Braga.

O número de pessoas em isolamento sob vigilância da autoridade de saúde permanece em atualização, mas registava 439 há dois dias.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Funeral do bispo de Viana realiza-se quarta-feira depois de dois dias de cerimónias

D. Anacleto Oliveira

em

Foto: Divulgação / Diocese de Viana do Castelo

O funeral do bispo de Viana do Castelo, Anacleto Oliveira, que morreu na sexta-feira num acidente de viação, realiza-se na quarta-feira, no cemitério das Cortes, Leiria, depois de dois dias de cerimónias fúnebres, anunciou hoje a diocese vianense.

O funeral será realizado às 15:00 de quarta-feira no cemitério das Cortes, terra natal de Anacleto Oliveira. Nessa manhã, a partir das 10:00, o corpo do bispo estará em câmara ardente na Sé Catedral de Leiria, informou a diocese de Viana do Castelo, em comunicado hoje divulgado.

Segundo a mesma fonte, as cerimónias fúnebres terão início na segunda-feira e vão seguir as restrições impostas para controlo da covid-19.

“A despedida de D. Anacleto Oliveira decorrerá entre os dias 21 e 22 de setembro, com o fim de evitar constrangimentos desnecessários, e sempre seguindo as normas de saúde prescritas”, refere a entidade.

O bispo de Viana do Castelo, Anacleto Oliveira, de 74 anos, morreu na sequência do despiste do automóvel que conduzia na Autoestrada 2 perto de Almodôvar, no distrito de Beja.

Anacleto Oliveira celebrou, em agosto, 50 anos de ordenação e 10 anos como bispo de Viana do Castelo.

Fonte da GNR indicou que o óbito foi declarado no local, tendo o corpo sido encaminhado para o serviço de Medicina Legal do hospital de Beja, e que o bispo era o único ocupante do veículo ligeiro de passageiros.

De acordo com o anúncio feito hoje pela diocese, a Sé Catedral “acolherá os restos mortais de D. Anacleto” no final da tarde de segunda-feira, sendo o acolhimento assinalado com orações antes do fecho da igreja.

Na terça-feira, “a parte da manhã será destinada à oração livre e espontânea dos fiéis”, que terão de respeitar uma entrada controlada e condicionada na igreja, e às 15:00 será celebrada uma missa presidida pelo arcebispo primaz de Braga, Jorge Ferreira da Costa Ortiga.

A cerimónia contará ainda com a presença dos restantes bispos da Conferência Episcopal Portuguesa, do presbitério da diocese de Viana do Castelo e dos representantes dos diversos movimentos eclesiais, assim como autoridades civis e militares, segundo os lugares disponíveis na Sé Catedral, explica o comunicado.

A diocese pede ainda a “toda a família diocesana” que realize “todas as manifestações de carinho decorram com a maior serenidade e responsabilidade”.

O colégio de consultores da diocese de Viana do Castelo elegeu, entretanto, monsenhor Sebastião Pires Ferreira como administrador diocesano interino até à nomeação, pelo papa Francisco, de um novo bispo de Viana do Castelo.

Continuar a ler

Populares