Seguir o O MINHO

Barcelos

Relação confirma 10 anos de prisão para mulher que afogou o filho em Barcelos

em

Foto: DR/Arquivo

O Tribunal da Relação de Guimarães confirmou a pena de 10 anos de prisão para uma mulher que em 2016 se atirou ao rio em Barcelos com o filho de seis anos ao colo, provocando a morte da criança.

Por acórdão hoje consultado pela Lusa, a Relação nega provimento ao recurso da arguida, que pedia a condenação por homicídio privilegiado, face ao quadro de “desespero” em que atuou.

Face à “depressão grave” que atravessa, a arguida vai cumprir a pena numa unidade de saúde mental não prisional, podendo posteriormente ingressar num estabelecimento prisional se o seu estado de saúde evoluir favoravelmente.

A arguida, de 37 anos, tinha sido condenada pelo Tribunal de Braga por homicídio simples mas recorreu para a Relação, pedindo a condenação por homicídio privilegiado, punível com pena de prisão de um a cinco anos.

Alegou que agiu “em desespero”, para pôr termo a uma vida de sofrimento, decorrente da forma como o companheiro a tratava a ela e ao filho mais velho do casal.

Um sofrimento agudizado pela suspeita de infidelidade por parte do companheiro.

Por isso, quis matar-se e matar também o filho mais velho, por antever que, sem ela, a criança teria um futuro de sofrimento, por estar convencida que este não suportaria a sua ausência.

O Ministério Público (MP) no Tribunal da Relação de Guimarães, baseado no desespero da arguida potenciado pela depressão grave, com redução da pena, pediu a condenação por homicídio privilegiado, numa pena entre os quatro e os cinco anos de prisão.

No entanto, e por acórdão hoje consultado pela Lusa, a Relação manteve a pena de 10 anos de prisão.

A Relação admite que o estado de desespero da arguida lhe diminui a culpa, mas não o suficiente para que seja condenada por homicídio privilegiado.

Os juízes desembargadores referem que a situação denuncia a “vontade obstinada da arguida de libertação imediata de uma situação externa tida como existencialmente insuportável, a qualquer preço, mesmo que essa libertação implicasse o sacrifício da vida do filho, não obstante a morte deste não ser sequer representada como a saída para o estado de sofrimento em que ela se encontrava”.

Os factos ocorreram a 17 de junho de 2016, quando a arguida, tendo ao colo o filho mais velho, de seis anos, galgou o gradeamento da ponte rodoviária que liga Barcelos a Rio Côvo e se atirou ao rio Cávado.

Pouco depois, a mulher foi resgatada da água por um popular, que utilizou o seu barco.

O filho acabou por morrer, só tendo sido resgatado da água no dia seguinte.

A mulher está desde então internada na Casa de Saúde do Bom Jesus, em Braga.

A arguida estava acusada pelo Ministério Público de homicídio qualificado, mas o Tribunal de Braga acabou por desqualificar o crime, face à sua “imputabilidade diminuída”, tendo em consideração o estado depressivo em que se registaram os factos.

Para o tribunal, o facto de ela se ter lançado ao rio com aquele filho “traduz um intuito meramente de proteção” da criança.

O casal tem outro filho, que a mãe acabou por “poupar”, por alegadamente perceber que “o pai gostava dele”.

Anúncio

Barcelos

Droga: Traficante detido e consumidores identificados em Barcelos

Em Alvelos

em

Foto: GNR

Um homem, de 44 anos, foi detido por tráfico de estupefacientes, esta segunda-feira, em Alvelos, Barcelos, anunciou hoje o Comando Territorial de Braga da GNR.

Em comunicado, a fonte indica que a detenção ocorreu durante uma operação de prevenção criminal, na qual os militares detetaram, na via pública, um homem já referenciado por tráfico, o qual acabaram por deter em flagrante a fazer uma transação.

Fruto disso, foram-lhe apreendidas 30 doses de cocaína, 13 doses de heroína e 38 euros em dinheiro. Foram ainda identificados dois consumumidores.

O detido foi constituído arguido e os factos remetidos ao Tribunal Judicial de Vila Nova de Famalicão.

Continuar a ler

Barcelos

Dois anos e quatro meses de prisão, suspensos, por tentativa de homicídio numa rixa em Barcelos

Na zona do Largo da Porta Nova, no centro da cidade

em

Foto: DR / Arquivo

Dois anos e quatro meses de prisão, suspensos na sua execução. Foi esta a pena aplicada pelo Tribunal de Braga a um homem de Barcelos, José Miranda, que foi julgado pela prática de um crime de homicídio qualificado, na forma tentada.

O arguido fica, ainda, obrigado a pagar seis mil euros à vítima, Luís Ferreira, que é assistente (ofendido), no caso. Tem, ainda, de se sujeitar a um plano de reinserção social que será coordenado pelos técnicos da Direção-Geral de Reinserção Social.

O coletivo de juízes deu como provada a acusação que dizia que, na noite do crime, em dezembro de 2014, José Miranda e cinco amigos tentaram forçar diálogo com três amigas de Luís Ferreira, entre as quais a namorada, que estavam nas cercanias de um café-bar.

As mulheres rejeitaram a tentativa de conversa e o Luís Ferreira interveio pedindo ao José Miranda para se afastar. De seguida, o arguido partiu uma garrafa de cerveja contra a parede, colocando-a em riste e disse ao Luís Ferreira: “Tu ficas já aqui, filho da puta!”, espetando-lhe a garrafa na têmpora. Este facto obrigou-o a internamento hospitalar, causando-lhe uma ferida que resultou numa cicatriz de 7 centímetros.

Na ocasião, José Miranda apresentava uma taxa de alcoolémia de 1,44 g/l.

Continuar a ler

Barcelos

Consternação em Barcelos pela morte de jovem em acidente com ambulância

Diana Rego tinha 25 anos

em

Foto: DR

Diana Rego, de 25 anos, não resistiu aos ferimentos depois de ter colidido com uma ambulância e embatido contra o muro de uma habitação, ao final da manhã deste sábado, na freguesia de Cossourado, em Barcelos.

Mulher de 25 anos morre em colisão com ambulância em Barcelos

A jovem, natural de Panque, seguia ao volante da sua viatura, a caminho da freguesia de Silva, onde trabalhava numa pastelaria, quando, por razões desconhecidas, entrou em despiste, colidindo com uma ambulância INEM alocada aos Bombeiros de Barcelos, que circulava na direção oposta.

Foto: Vitor Vasconcelos / O MINHO

Após embater na ambulância, acabou por embater frontalmente contra uma parede, perdendo a vida quase de imediato.

Familiares da jovem receberam acompanhamento de uma equipa de psicólogos do INEM.

Foto: Vitor Vasconcelos / O MINHO

No auxílio estiveram os Bombeiros de Barcelos, meios do INEM e a GNR.

A Estrada Nacional 204 esteve cortada ao trânsito para as operações de socorro, sendo reaberta ao início da tarde deste sábado.

Foto: Vitor Vasconcelos / O MINHO

Ainda não há data para as cerimónias fúnebres.

Continuar a ler

Populares