Seguir o O MINHO

Ponte de Lima

Ponte de Lima: Falta de mão de obra impulsiona mecanização da vindima

A visão romântica da vindima comunitária que preenche a alma minhota está prestes a mudar. A colheita “cacho a cacho” dá lugar à sucção de uma máquina com cerca de cinco metros de altura e outros cinco de comprimento.

em

Foto: Fernando André Silva / O MINHO

A visão romântica da vindima comunitária que preenche a alma minhota está prestes a mudar e a colheita “cacho a cacho” dá lugar à sucção de uma máquina com cerca de cinco metros de altura e outros cinco de comprimento.


A falta de mão de obra e a instabilidade do clima levaram a que Francisco Rosas, proprietário de uma das maiores vinhas do concelho de Ponte de Lima, decidisse enveredar pelo recurso a uma máquina agrícola automotriz para fazer a colheita dos bagos de uva. O agricultor já recorre pelo quinto ano consecutivo a esta “força laboral” e, a O MINHO, confessa não saber o que fazer se a mesma lhe faltar.

Francisco Rosas. Foto: Fernando André Silva / O MINHO

Quinta de Codeçosa. Foto: Fernando André Silva / O MINHO

Antigo industrial e atualmente proprietário da Quinta da Codeçosa, pertencente a Sociedade Agrícola Santa Rita, da qual é gestor, Francisco Rosas tem cerca de 50 hectares de vinha divididos entre as freguesias de Calvelo (Ponte de Lima) e Marrancos (Vila Verde). Durante as últimas semanas, dedicou-se a uma vindima mecânica, com recurso a uma máquina agrícola automotriz especializada em, com recurso a vibração, vindimar os bagos de uvas da casta Loureiro.

O funcionamento é simples: a máquina emite uma vibração enquanto passa pelas folhas da videira, acabando por fazer com que as uvas caiam para um tapete rolante que as descarrega posteriormente num reservatório para o efeito. Um dos poucos senãos é que, pelo menos, um quinto das uvas já se transformam em vinho, muito antes de estarem nas cubas de fermentação.

Funcionamento de uma automotriz de vindima automática. Fonte: Universidade de Évora

Automotriz de vindima. Foto: Fernando André Silva / O MINHO

“Estaria em pânico se estivesse dependente de pessoal”

“Eu estaria em pânico se hoje estivesse dependente de pessoal e, mesmo que arranjasse, já estaria em pânico para a vindima do próximo ano”, confidencia o agricultor, que apenas vindima 3% da vinha de forma manual, por serem uvas de casta Vinhão, mais frágeis e que não aguentam a vibração da máquina. Os restantes 97% de uvas, de casta Loureiro, são recolhidas com recurso à automotriz.

“Vindimei o Vinhão com uma senhora de 75 anos, que não dava muito rendimento mas estava cheia de boa vontade. Mas como a senhora me pediu, eu quero-a aqui, e assim foi. Mas cada vez há menos gente, é impossível ter dezenas de pessoas para vindimar 50 hectares em poucos dias”, refere.

Vinhão ainda é colhido à mão. Foto: Fernando André Silva / O MINHO

Outra das vantagens da mecanização é contrariar a dependência do clima: “No Minho, ao contrário do Alentejo, estamos sempre entre a maturação da uva e o cutelo da chuva. Muitas vezes as uvas estão a ficar maduras mas começa a chover. Não vindimamos à chuva porque a água afeta o grau do vinho. Outras vezes ainda não choveu mas estamos à espera que amadureçam. A máquina dá-nos elasticidade em rapidez para fugir a esses dois cutelos”.

A máquina e um condutor vindimam seis hectares por dia

Em termos financeiros, Francisco Rosas garante ser “equivalente”, até porque se há uma redução nos custos com a mão de obra, há um aumento exponencial em termos de aluguer da máquina, combustível e manutenção. “Há uma necessidade de investimento, sobretudo no combustível porque ela gasta imenso. Em dois dias gastamos 200 litros, ou seja, 100 litros de gasóleo por dia, mas com a máquina dá para vindimar cerca de seis hectares nesse mesmo dia”, aponta.

Em termos de velocidade, o recurso há máquina faz com que economize um terço do tempo gasto em “modo manual”, fazendo em seis dias aquilo que a mão humana faz em 18. “Não sabia o que fazer hoje se não tivesse esta máquina, e não sou o único. Ouvi um produtor de vinhos do Porto a dizer que ou se mecaniza ou as uvas ficam nas vinhas. Julgo que lá já andam a fazer estudos nos socalcos para conseguir fazer vindima mecânica”, revela.

Vindima na Quinta da Codeçosa. Foto: O MINHO

Instinto visionário

Criada há mais de 15 anos, a vinha foi construída a pensar numa possível mecanização futura, concebendo espaçamentos de três metros entre fileiras de videiras. Cada videira, está separada cerca de 1.5 metros entre si.

Francisco Rosas reivindica um “instinto visionário” de quando fundou a vinha, após ter herdado a quinta do pai: “Tive a visão de implementar a quinta e as vinhas de forma a que a mecanização fosse possível. Não fui visitar vinhas lá fora que já recorriam à vindima mecanizada, mas fui aprendendo e deixei o espaçamento necessário. Agora já se começa a ter essa visão e eu, apesar de não ser da área, já tive essa visão há mais de 15 anos”.

“Compassos” têm três metros de espaçamento entre si. Foto: Fernando André Silva / O MINHO

Mas a colheita de uvas com recurso a uma automotriz, sobretudo uma das de maior porte, ainda é olhada com desconfiança, dado o facto de apanhar mais vegetação e de, muitas vezes, esmagar as uvas durante o processo de recolha, o que leva a uma urgência na fermentação do mesmo, não havendo grande tempo para repouso da uva.

“A máquina obriga a processar as uvas no imediato. Tem que se adicionar logo os produtos para processar senão fica oxidado e inicia fermentação no local. Um quinto do que lá está já é vinho. A vindima mecânica não se compadece com as filas de uma adega, que são a antítese da qualidade”, aponta.

“Estou condicionado com a Adega de Ponte de Lima [onde Francisco entrega as uvas para o fabrico do vinho] porque não posso descarregar todos os depósitos em simultâneo, logo tenho de separar em tinões. Alguns produtores têm galeras em inox em que a máquina despeja de uma vez só, mas eu não posso levar uma galera deste tamanho para a adega, tem de ser faseado”.

Adega cooperativa tem de se adaptar

Celeste Patrocínio, presidente do conselho de administração da Adega Cooperativa de Ponte de Lima, diz não ter nada contra a vindima mecânica, assegurando que “a adega é que tem de se adaptar” a esta nova realidade.

A responsável revela que a cooperativa foi admitida num programa de inovação, por isso “tem que inovar” e que não existe qualquer “lei da rolha” sobre esse assunto. “Estamos inseridos numa região de minifúndio, onde a maior parte das vinhas só têm um ou dois hectares, e não recorrem à vindima mecanizada, mas há outros produtores que sim e não temos nada contra eles”, assegura.

Celeste Patrocínio. Foto: Fernando André Silva / O MINHO

“Somos a favor da qualidade das uvas e eles estão autorizados a entregar, mas a mecânica é cega, tanto traz uvas como folhas ou pedaços de vide. O bago não vem com a perfeição de como quando é tirado à mão”, explica, dando o revés da medalha. Todavia, não se mostra preocupada com esta evolução. “Temos de nos preparar e aprofundar o assunto, mas isso não nos assusta”.

De forma a mitigar uma menor qualidade do vinho produzido, a adega disponibiliza mão de obra para retirar as vides e as folhas das cargas que provêm de vindima mecânica.

“O vinho está na moda e o cultivo da vinha é fascinante. É importante ter amor à terra e o fascínio por fazer o vinho. Quem entra nisto fica, mais vindima mecânica, menos vindima mecânica”, vinca Celeste Patrocínio.

Francisco Rosas diz “ter boas uvas”, e se são boas, “o vinho vai ser bom”. “Vão com um bocado mais de folha, é verdade, mas não há nada que a adega não possa resolver. Por outro lado, a adega tem de compensar a diferença de peso em não ir o engaço (caules dos cachos), que estimo que seja cerca de 4% que vão nas outras cargas”.

Automotriz. Foto: Fernando André Silva / O MINHO

Investir na vinha

De volta à vinha de Francisco Rosas, o produtor explica como iniciou a paixão pela viticultura. “A quinta era do meu pai. Herdei, olhei e questionei-me o que poderia fazer para que a quinta não me desse prejuízo. Deu-me um clique e pensei que tinha de fazer algo em escala grande. Resisti a mexer nas casas, resisti a fazer uma marca de vinho, e decidi rentabilizar a quinta pela dimensão. Assim aconteceu, tive coragem de resistir a uma marca pessoal de vinhos, porque entendo que essa ação requeria investimentos maiores. Implementar a vinha foi uma estratégia para rentabilizar a quinta”, diz.

“As pessoas estão cada vez mais voltadas para a viticultura, há empresários com outra mentalidade, todos os vinhos nacionais são fantásticos, podemos orgulhar-nos dos nossos vinhos, o nosso país tem uma diversidade quase igual à Itália, temos tanta diversidade de castas e de solos, a combinação do clima com as caraterísticas de solo e uma diversidade enorme, desde xistosos, arenosos, graníticos, e ainda a influência atlântica que produz o bom vinho Loureiro”, revela.

Adega Cooperativa de Ponte de Lima: Há 60 anos a ‘tirar’ o melhor vinho Loureiro do país

Investir no Loureiro

O vinho Loureiro é a identidade vitícola da região de Ponte de Lima. Francisco investiu nessa casta porque é “o acreditar no futuro”. “Quando se fala muito em Alvarinho, considera-se uma casta nobre, mas o Loureiro é tão nobre de igual forma”, assegura. “No Loureiro, em termos de produtores privados, têm surgido bastantes ultimamente e são dinâmicos a promover o nome Loureiro. No estrangeiro perguntavam por vinho verde aos profissionais do vinho maduro. Agora já se assiste ao Esporão a comprar cá vinhas, a Ermelinda Freitas, o João Portugal Ramos, porque sabem que o mercado quer vinho verde”, conta.

Produtor de moscatel compra Quinta do Minho à Super Bock e vai produzir vinho verde

Preparação para uma vinha mecanizada 

“Existem várias tipos de máquinas. Há uma pequena rebocável, uma média e a automotriz, que é a que uso. E o minifúndio pode adaptar-se à rebocável”, garante. Para preparar uma vinha para a mecanização, o “ideal é que as vinhas tenham uma desfolha e as varas bem metidas antes de passar com a máquina”, aconselha. Arames bem esticados, boas prisões desses arames e postes consistentes são outros dos requisitos para uma “viajem ao futuro” para todos os produtores que lá querem chegar. E começam a ser cada vez mais.

Anúncio

Alto Minho

Jovem detido por suspeita de atear incêndios em Ponte de Lima estava inocente

Justiça

em

Foto: Ilustrativa / DR

O jovem de 24 anos que foi detido pela Polícia Judiciária de Braga acusado da prática de dois crimes de incêndio florestal no concelho de Ponte de Lima está inocente, referem os três juízes responsáveis pelo julgamento.


No acórdão da audiência, a que O MINHO teve acesso, é determinado pela juiz-presidente que todas as acusações imputadas ao jovem sejam retiradas, considerando-o absolvido da prática dos crimes.

Os incêndios ocorreram no passado dia 18 de setembro de 2019, em Vilar das Almas e em Gaifar, consumindo uma quantidade significativa de mato, eucaliptos e pinheiros.

Na altura, o jovem agora absolvido deu o alerta para o incêndio de Gaifar, algo que funcionou contra ele uma vez que a acusação do Ministério Público indicou esse alerta como uma das provas para o suposto ato criminoso.

A outra prova da acusação era a posse de um isqueiro por parte do jovem, mas este sempre refutou que fosse uma ‘arma de crime’ por ser fumador e precisar do isqueiro para poder acender os cigarros.

No acórdão, o coletivo sublinha que a acusação ou a PJ nunca conseguiram provar que o jovem “tenha usado um isqueiro e pegado fogo a ervas de mato seco que deram origem aos dois incêndios”.

As três testemunhas da acusação, que sustentavam as provas de que teria sido o jovem a cometer o crime, também não conseguiram provar que foi o jovem, uma vez que não houve prova ocular, ou seja, não viram nada, apenas tinham suspeitas. Entre eles estava um militar da GNR.

Patrícia Amorim, advogada com escritório próprio na Avenida António Feijó, em Ponte de Lima, defendeu o jovem, indicando que “é perfeitamente normal a posse de um isqueiro num fumador” e que isso “não pode servir de prova”.

“Ele alertou a GNR de que havia um incêndio perto de onde residia, como é o dever de qualquer cidadão. Um elemento da GNR referiu que o meu cliente poderia ter apagado o incêndio por estar perto dele, mas a juiz diz que o normal não é um popular apagar o incêndio, mas sim chamar as autoridades competentes”, indicou a advogada a O MINHO.

“O meu cliente sempre negou a prática dos factos e narrou o seu trajecto de forma credível naquele fim de tarde e início de noite, sempre teve uma postura coerente ao longo de todo o processe e isso contribuiu para a absolvição”, acrescentou.

O jovem esteve, desde final de setembro, obrigado a apresentações diárias no posto da GNR de Freixo e à obrigação de não transportar isqueiro, algo que, embora sendo fumador, cumpriu. Essas medidas obrigatórias foram agora extintas.

Continuar a ler

Alto Minho

Ecovia de Ponte de Lima em mau estado. Câmara promete intervir

Mobilidade

em

Foto: DR

A ecovia na margem direita do rio Lima, designadamente na passagem por debaixo do arco da ponte medieval, está em mau estado, dificultando a circulação de pessoas com mobilidade reduzida. A Câmara promete fazer melhoramentos.


Via muito esburacada.

A situação foi exposta a O MINHO por João Araújo, que tem de movimentar-se num carrinho elétrico e experimentou muitas dificuldades a passar naquela zona.

“Fiquei desiludido com o estado da via. Tenho que me revoltar contra estas situações”, referiu munícipe em e-mail enviado à nossa redação.

João Araújo expôs a O MINHO a dificuldade de passar nesta zona da ecovia.

Contactada por O MINHO, a Câmara de Ponte de Lima reconhece o mau estado da via, mas assinala que não recebeu formalmente queixas de munícipes.

O município adiantou, ainda, que aquela zona será intervencionada, bem como outras, mas sem revelar datas.

Continuar a ler

Alto Minho

Ciclovia de Ponte de Lima está a derreter com o calor. Autarquia já avisou empreiteiro

Investimento de 1,5 milhões

em

Foto: Carlos Martins / Facebook

A ciclovia de Ponte de Lima tem um problema de construção, nomeadamente “uma diluição da camada superior do piso”, que tem levado os ciclistas a usarem a estrada. A Câmara diz que já avisou o empreiteiro para corrigir o defeito antes de entregar a obra.


A situação foi denunciada pelo PS de Ponte de Lima, nas redes sociais, questionando “por que motivo há uma diluição da camada superior do piso da ciclovia com as consequências negativas que este facto acarreta”.

Em resposta a um comentário de um utilizador, o PS acrescentava que “o que acontece, infelizmente, é que os ciclistas têm dificuldade em circular na ciclovia visto que os pneus colam no piso que está a desfazer-se (derreter) talvez fruto do aquecimento provocado pelas temperaturas que se têm feito sentir”.

Ponte de Lima aprova ciclovia urbana de 1,5 milhões com votos contra da oposição

Questionada por O MINHO, a Câmara de Ponte de Lima referiu que a obra ainda não foi entregue pelo empreiteiro.

O município adiantou, ainda, que o defeito já tinha sido detetado e o empreiteiro foi avisado para o corrigir.

A construção da ciclovia e vias pedonais de acesso à zona urbana foi adjudicada por concurso público à Predilethes Construções, Lda, empresa de Ponte de Lima.

Notícia atualizada às 13h15 com a indicação da empresa a quem foi adjudicada a obra.

Continuar a ler

Populares