Seguir o O MINHO

Desporto

Piloto de Braga vai conduzir um Tesla P100D Electric GT (e está garantido na Falperra)

Estreia mundial da viatura totalmente elétrica

em

Ricardo Gomes – piloto de automóveis bracarense – e o Team Acrescentar revelaram este sábado,  o seu projeto desportivo  para a nova época de Montanha, com o Tesla P100D Electric GT, o primeiro carro de competição elétrico da marca norte-americana, construído e desenvolvido pela SPV Racing.

De acordo com a Team Acrescentar, também de Braga, o piloto foi escolhido “para a estreia mundial” desta viatura de motorização totalmente elétrica, com uma potência de 778cv, transmissão integral automática e uma capacidade de aceleração que o leva dos 0 aos 100 Km/h em apenas 2,1 segundos.

Ricardo Gomes Foto: Divulgação / Team Acrescentar

Ainda de acordo com a equipa, “a versatilidade de Ricardo Gomes foi fator crucial para este novo projeto no Campeonato de Portugal de Montanha, onde o Tesla P100D EGT promete ser o centro das atenções da temporada que arranca em março”.

“É um momento muito especial na minha carreira e desde já agradeço ao Grupo Acrescentar pelo arrojo e pela confiança que deposita neste projeto único”, começou por referir Ricardo Gomes, que em 2019 venceu a Rampa da Penha e a Rampa Serra da Estrela na categoria Turismos 1, onde se sagrou vice-campeão nacional.

“Somos pioneiros no panorama do desporto automóvel mundial e a aposta da SPV Racing é algo que também nos deixa bastante satisfeitos, pois o Lars (Lindberg) e o Raul (Garcia) perceberam que terão aqui uma excelente plataforma para mostrarem o trabalho que fizeram com o Tesla. O conceito de um GT elétrico de alta performance para competição é algo completamente novo e que, obviamente, me vai obrigar a descobrir todo um novo estilo de pilotagem. Mas também acredito que podemos redefinir o automobilismo profissional, pois este é o primeiro passo real para um desporto verdadeiramente sustentável – movido a energia elétrica e com carros de produção”, analisou o piloto bracarense, antecipando já o esperado confronto entre uma viatura exótica e singular como o Tesla P100D EGT e os tradicionais carros de competição com motor de combustão interna.

Foto: Divulgação / Team Acrescentar

“Com o apoio incondicional da Acrescentar e do Circuito do Sol, o nosso programa desportivo engloba as oito provas do Campeonato de Portugal de Montanha e a participação no FIA Hill Climb Masters 2020, que este ano se realizará em Portugal, na cidade de Braga, na mítica Rampa Internacional da Falperra”, recordou Ricardo Gomes.

José Pedro Ferreira, administrador do Grupo Acrescentar, também fez questão de destacar “o enorme potencial desportivo e de retorno público e mediático que este projeto tem. Para o Grupo Acrescentar, é importante que a nossa presença no desporto automóvel personifique os valores de vanguarda, de sustentabilidade e de máxima qualidade que caracterizam o nosso posicionamento”, afirmou o líder do Grupo Acrescentar, que, durante a apresentação em Braga, revelou dois novos empreendimentos imobiliários de topo, assim como uma nova tecnologia de visualização em ambiente de Realidade Virtual.

Foi assim levantado o véu sobre um dos mais aguardados projetos do Campeonato de Portugal de Montanha, cuja primeira prova será a tradicional Rampa Porca de Murça, nos dias 07 e 08 de março.

Calendário desportivo 2020 – Team Acrescentar

07-08 Março – Rampa Porca de Murça

21-22 Março – Rampa PêQuêPê Arrábida

04-05 Abril – Rampa da Penha

09-10 Maio – Rampa Internacional de Boticas (Campeonato da Europa FIA)

30-31 Maio – Rampa Serra da Estrela

04-05 Julho – Rampa de Santa Marta

18-19 Julho – Rampa do Caramulo

26-27 Setembro – Rampa de Boticas

10-11 Outubro – Rampa Internacional da Falperra (FIA Hill Climb Masters)

Anúncio

Futebol

Sporting vai doar 120 mil máscaras e 80 mil pares de luvas às misericórdias

Covid-19

em

Foto: Ilustrativa / Arquivo

O Sporting anunciou hoje que vai entregar 120 mil máscaras cirúrgicas e 80 mil pares de luvas à União das Misericórdias, para ajudar no combate à pandemia da covid-19.

“O Sporting Clube de Portugal disponibilizou-se para oferecer a todas as instituições da União das Misericórdias que albergam e cuidam de pessoas com deficiência profunda e de pessoas com outras deficiências ou perturbação mental, o equipamento necessário para garantir a segurança de todos pelo período de um mês, perfazendo um total de 120 mil máscaras cirúrgicas e 80 mil pares de luvas, a serem entregues brevemente”, refere o clube em comunicado.

Os ‘leões’ explicam que com esta doação, através da Fundação Sporting, pretendem ajudar, depois de um alerta do presidente da União das Misericórdias, Manuel Lemos, sobre as “consequências gravíssimas” que a falta de material de proteção individual estava a causar aos milhares de trabalhadores.

Manuel Lemos afirmou que esta doação será “muito importante para a proteção e bom funcionamento” dos utentes e dos colaboradores das instituições e mostra que a sociedade portuguesa é “empreendedora e generosa”.

“Infelizmente, as nossas necessidades não se esgotam aqui. Precisamos do apoio de todos para a proteção das instituições que acolhem os idosos”, alertou.

Pela Fundação Sporting, Maria Serrano garantiu que vão continuar a fazer tudo para “ajudar os que mais precisam”.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 667 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 31.000. Dos casos de infeção, pelo menos 134.700 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia. Vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 119 mortes e 5.962 casos de infeções confirmadas. Dos infetados, 486 estão internados, 138 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril.

Continuar a ler

Futebol

Presidente da FPF consternado com morte de adolescente de 14 anos

Futsalista

em

Foto: DR / Arquivo

O presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), Fernando Gomes, mostrou-se hoje consternado com a morte de um jovem jogador de futsal de 14 anos, que tinha covid-19.

“É com profunda consternação que envio as minhas condolências a familiares, amigos e colegas do Vitor Rafael Bastos Godinho, jovem futsalista do CCRM – Centro Cultural e Recreativo de Maceda. Nesta hora de profunda dor para todos os seus entes queridos, também envio uma palavra de conforto a toda a família do futebol no distrito de Aveiro que partilha connosco a tristeza de um tão precoce desaparecimento”, lê-se numa mensagem publicada no site da FPF.

A morte do jovem, de 14 anos, residente em Ovar, foi revelada pelo vice-presidente da Câmara local, com a diretora-geral da Saúde a dizer que é necessário avaliar “com cautela, do ponto de vista clínico”, o que aconteceu ao jovem nas últimas 24 horas que antecederam a morte.

“Esta criança tem uma situação complexa do seu estado clínico habitual e do seu estado agudo, ou seja, do que aconteceu nas últimas 24 horas, e apesar de ter um teste que diz que é covid positivo, a sintomatologia com que foi admitido ao hospital pode indicar outro tipo de patologia. De facto, tem covid, o que não impede de ter outras situações igualmente graves e infecciosas que estão a ser investigadas. Além disso, tinha um quadro de base que podia levar a uma alguma imunossupressão”, afirmou Graça Freitas.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 667 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 31.000. Dos casos de infeção, pelo menos 134.700 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia. Vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 119 mortes e 5.962 casos de infeções confirmadas.

Continuar a ler

Desporto

“Resolver questão da aldeia olímpica é prioridade”

Comité Olímpico Internacional

em

Foto: DR / Arquivo

O vice-presidente do Comité Olímpico Internacional (COI) Juan Antonio Samaranch considerou hoje que a “primeira prioridade” depois do adiamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio2020, devido à pandemia da covid-19, é resolver o problema da aldeia olímpica.

O dirigente espanhol, filho do antigo presidente do COI Juan António Samaranch, lembrou, em declarações ao portal de notícias Muchodeporte, que a aldeia olímpica “tinha já negócios fechados depois do verão”, sobretudo ao nível da venda de apartamentos, que devem ser resolvidos, “com o apoio de todos”.

Samaranch admitiu que a mudança de data dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Tóquio2020 para 2021 trará “muitas complicações”, pois para “esse ano estão programados vários eventos de modalidades”, mas considerou que 2022 será ainda mais complicado.

“Em 2022 será ainda mais complicado. Teremos os Jogos de Inverno Pequim2022, o Mundial de futebol e uma série de grandes eventos. Além disso, iria piorar ainda mais a disponibilidade da aldeia olímpica”, referiu.

Samaranch considerou que a “única opção é continuar a trabalhar, manter o otimismo e preparar uns grandes Jogos Olímpicos em 2021”.

O espanhol admitiu que a decisão de adiar os Jogos foi difícil, mas reconheceu que “não existia outra opção”.

“Quando a situação começou a piorar [pandemia], decidimos dar um prazo de quatro semanas para decidir, mas concluímos que a saúde e o bem-estar de todos estava em risco”, afirmou.

Na semana passada, o COI anunciou o adiamento “para data nunca posterior ao verão de 2021” os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Tóquio2020.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 667 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 31.000. Dos casos de infeção, pelo menos 134.700 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia. Vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 119 mortes e 5.962 casos de infeções confirmadas. Dos infetados, 486 estão internados, 138 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril.

Continuar a ler

Populares