Seguir o O MINHO

Alto Minho

No Alto Minho concertinas e cantares ao desafio afinam na luta contra o lítio

Reportagem

em

Foto: Pedro Pinheiro Augusto

O encontro nacional de “cidadania” que reúne, este sábado, em Vila Nova de Cerveira movimentos e associações do país que lutam contra minas a céu aberto começou com um número musical de contestação ao lítio à moda do Alto Minho.

O som afinado das concertinas e dos cantadores ao desafio deu, hoje de manhã, o mote à reflexão de “ativistas cívicos” com quadras adaptadas do Vira Velho: “Eu mandei dizer ao sol que não tornasse a nascer. Com minas na serra d’ Arga, que vem cá o sol fazer?”, entoaram os seis elementos do grupo, também informal, nascido no seio do movimento SOS Serra d’Arga, organizador do encontro nacional e um dos movimentos cívicos que, no distrito de Viana do Castelo, se formaram para lutar contra a exploração.

O primeiro encontro nacional continua hoje à tarde com a participação dos sete partidos com assento parlamentar, representantes de câmaras do distrito de Viana do Castelo e associações ambientalistas.

Durante a manhã, no cineteatro de Vila Nova de Cerveira, ouviram-se os testemunhos dos cidadãos que dão o rosto aos movimentos e associações do Minho, a Trás-os-Montes, das Beiras ao Alentejo: o Movimento Contra a Mineração Beira Serra, o GPSA – Grupo de Preservação Serra da Argemela, o Movimento de Defesa do Ambiente e Património do Alto Minho, SOS Serra d’Arga, a Associação Covas do Barroso, a Associação Montalegre com Vida, os Guardiões da Serra da Estrela, o movimento Em Defesa da Serra da Peneda e do Soajo e outro de Penalva do Castelo.

As primeiras informações sobre a “febre do lítio” surgiram pela comunicação social. Apanharam as populações de “surpresa” que informalmente, na maioria casos através redes sociais, fizeram acordar o “dever de cidadania” em defesa de “aldeias, do mundo rural, de património ambiental, e da qualidade de vida de quem habita os territórios”.

Com cerca de uma centena de pessoas na assistência ouviu-se falar numa luta “desigual” entre cidadãos e “gigantes que prometem milhões pelo petróleo branco fornecido pela Arábia Saudita da Europa” levaram à constituição de movimentos e associações.

Caso a caso, cada movimento contou as suas experiências e a “uma só voz” apontaram a “união” como único caminho a percorrer no combate à “catástrofe, tragédia ou ataque brutal” da exploração mineral e recusaram para as suas regiões ganhem a designação de “El Dourado” do lítio.

Ouviram-se apelos para a participação na manifestação nacional marcada para dia 21, em Lisboa, intitulada “Não às minas” – “Contra a febre da mineração em Portugal” e ficou o repto para a constituição e formalização do Movimento de Intervenção Nacional pelo Ambiente (MINA).

Este mês, o ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes disse que, dos 12 territórios identificados em Portugal, foram excluídos três, por se encontrarem em “zonas sensíveis ou em parques naturais ou áreas protegidas”, pelo que ao concurso para a prospeção de lítio vão apenas nove lotes.

Daqui, referiu, “resultará uma atividade de prospeção com regras ambientais extraordinariamente apertadas e qualquer passagem para a exploração é uma passagem que será sempre precedida de uma avaliação de impacto ambiental”, reiterou.

Hoje, nas intervenções de cerca de dez minutos que couberam a cada movimento ou associação de contestação ao lítio, o poder autárquico e o Governo não ficaram isentos de culpas num processo que consideram de “contornos pouco claros, numa cabala que está a ser constituída em torno do lítio”.

A “falta de transparência, de acesso a informação independente, a desinformação, a ausência de diálogo e de envolvimento com as populações, os interesses financeiros incomensuráveis” foram as principais críticas tecidas aos processos de mineração previstos para as várias zonas do país.

Com um “objetivo comum”, os movimentos e associações deixaram, hoje, a garantia de que irão “resistir até às últimas consequências, recorrendo a todas as formas possíveis”, desde os tribunais à luta, “dando o corpo às balas” para travar a “corrida ao lítio”.

O lítio é um tema polémico em Portugal. De um lado estão os que temem os prejuízos ambientais resultantes da exploração e do outro os que defendem o lítio como energia de futuro, o investimento e os postos de trabalho.

A procura mundial pelo lítio, usado por exemplo na produção de baterias para automóveis ou telemóveis, está a aumentar e Portugal é reconhecido como um dos países com reservas suficientes para uma exploração comercial economicamente viável.

Anúncio

Alto Minho

Diversidade e investigação dão mote a criações para Bienal de Cerveira de 2020

“O Complexo Espaço da Comunicação pela Arte”

em

Foto: Divulgação

“Diversidade – Investigação. O Complexo Espaço da Comunicação pela Arte” é o tema da XXI Bienal de Vila Nova de Cerveira que vai decorrer de 10 de julho a 13 de setembro, anunciou, esta quarta-feira, a fundação que organiza o evento.

Em comunicado, a Fundação da Bienal de Arte de Cerveira (FBAC) anunciou ainda a abertura do concurso internacional destinado a artistas de todo o mundo que, até 11 de fevereiro, podem apresentar as suas criações artísticas ao evento que decorre, desde 1978, naquele concelho do distrito de Viana do Castelo.

“Cada concorrente deverá apresentar, para além das obras a concurso, um ‘portfolio’ da sua carreira artística, um currículo e uma memória descritiva, estando prevista a atribuição de 20 mil euros nos Prémios Câmara Municipal (Aquisição)”, especifica a nota.

Em 2018, a FBAC recebeu 437 candidaturas ao concurso internacional, num total de 717 obras de artistas oriundos de 43 países.

A edição do próximo ano, adiantou, “manterá o formato adotado desde a primeira edição, em 1978, um local de encontro, debate e investigação de arte contemporânea, num programa concertado com o ensino superior das artes a nível europeu”.

“Seguindo a tradição desde o seu início, a FBAC promoverá atividades conducentes à aproximação e participação de públicos oriundos de Portugal e de outros países, numa missão de integração da região norte na cultura universal, como forma de desenvolvimento e bem-estar destas populações, com os olhos postos num futuro cada vez mais tecnológico”, afirmou o diretor artístico do evento, Cabral Pinto, citado na nota hoje enviada à imprensa.

A candidatura para o financiamento da Bienal de 2020 foi excluída do Programa de Apoio Sustentado 2020-2021 da Direção-Geral das Artes.

Aquela candidatura foi uma das cinco consideradas elegíveis para apoio pelo júri do concurso, mas para as quais não foi atribuído financiamento, o que gerou forte constatação por parte das autarquias do Alto Minho e de diferentes partidos com representação parlamentar.

Em 2018, a bienal mais antiga da Península Ibérica, decorreu entre 15 de julho e 16 de setembro, e recebeu cem mil visitantes. A 20.ª edição apresentou mais de 600 obras, de 500 artistas de 35 países em 8.300 metros quadrados, num total de 14 espaços expositivos.

Continuar a ler

Alto Minho

Apreendidas mais de duas mil doses de droga após 28 buscas em Viana, Caminha e Cerveira

Sete detidos, oito identificados

em

Foto: Divulgação / GNR

Cinco homens e duas mulheres, com idades entre os 24 e os 58 anos, foram detidos, esta terça-feira, por suspeitas de tráfico de estupefacientes, em três concelhos do Alto Minho, avançou hoje a GNR.

Depois de uma investigação que durava já há um ano, os militares procederam  a 20 mandados de busca domiciliária nos concelhos de Caminha, Viana e Cerveira. Realizaram, ainda, oito buscas em veículos.

Na operação foram apreendidas 1.028 doses de cocaína, 1.054 doses de haxixe, 224 doses de canábis, oito doses de MDMA, euas balanças de precisão, euas estufas, uma arma branca, 18 telemóveis, eois computadores portáteis, 10.675 euros em numerário, uma embalagem de bicarbonato de sódio, várias facas de corte  e diverso material relacionado com o trafico de estupefacientes.

Cinco dos detidos permanecem nas instalações da GNR para serem presentes, esta quarta-feira, ao Tribunal Judicial de Viana do Castelo. Os outros dois detidos, juntamente com outros oito identificados na operação, foram constituídos arguidos.

Esta ação, para além do efetivo do Comando Territorial de Viana do Castelo, contou com o reforço dos Comandos Territoriais do Porto e Braga, da Unidade de Intervenção e da Polícia de Segurança Pública

Continuar a ler

Alto Minho

Pai Natal ‘radical’ volta a fazer rafting no rio Minho

Em Paderne

em

Foto: Divulgação / CM Melgaço

É já no próximo dia 21 de dezembro que o Pai Natal volta a praticar rafting no rio Minho, em Melgaço, anunciou a autarquia.

A partir das 12:00 horas, no lugar do Peso, em Paderne, a reconhecida figura natalícia irá entregar prendas aos mais pequenos.

Esta é uma tradição de Melgaço que decorre há duas décadas.

Este ano, o evento é organizado pela empresa Melgaço Radical e está inserido na programação de Natal da autarquia de Melgaço

Continuar a ler

Populares