Seguir o O MINHO

Braga

Meia centena de autocaravanistas ‘rolam’ pelo Minho e apregoam: “Isto é liberdade”

Quase todos foram campistas

em

Foto: Fernando André Silva / O MINHO

Quase todos foram campistas. Montavam tenda em qualquer parte da Europa. Depois, compraram uma caravana, ou uma casa rolante. Mas a necessidade de possuir uma viatura para atrelar a nova casa não agradava. Decidiram, então, tornar-se autocaravanistas. E em Portugal são cerca de oito mil.


Vítor Tavares, 73 anos, foi um dos fundadores da Federação Portuguesa de Autocaravanismo, “há mais de 40 anos”.

Antigo segundo-comandante dos Bombeiros de Campo de Ourique, em Lisboa, está, durante estes dias, em passeio pela região do Minho, face a novo encontro dos associados do Clube Português de Autocaravanas, que se realiza em Vila Verde.

Vítor Tavares. Foto: Fernando André Silva / O MINHO

O MINHO encontrou o grupo, com cerca de meia centena de autocaravanistas, no santuário de Mixões da Serra, freguesia de Valdreu, em Vila Verde, durante uma visita guiada. Estão “alojados” no Parque de Campismo e Caravanismo Rural de Aboim da Nóbrega, no mesmo concelho.

O antigo elemento de comando dos bombeiros relembra a forma como a maioria dos associados entrou no “mundo da liberdade”, como lhe chama.

Amantes do campismo puro, no final da década de 70 e inícios de 80, com tendas enfiadas em Fiat’s 127, iam correndo partes da Europa. Mas chegou o dia em que compraram a primeira autocaravana. E daí, até aqui, foi sempre a rolar.

Vítor recorda ter comprado a sua primeira autocaravana, uma Renault Traffic, em 1983. “Foi a primeira a ser fabricada em Portugal”, diz. Volvidas três décadas e meia, percorreu a Europa (quase) toda. “Só me falta ir à Grécia”.

Recentemente, foi ao Cabo Norte, na ilha de Magerøya, norte da Noruega. “Oito mil quilómetros, ir-e-vir“. E o mapa confirma a distância de 4.115,8 quilómetros a separar Lisboa da ilha semiglaciar.

Isto é liberdade

Mário Prista, 69 anos, veio de Faro até Mixões da Serra e ficou “deslumbrado” com as paisagens. “Sou autocaravanista itinerante”, apresenta-se o algarvio sem sotaque de marafado. 

Mário Prista. Foto: Fernando André Silva / O MINHO

“Estive em Marrocos, Cabo Norte, praticamente toda a Europa, mas nunca tinha estado aqui”. Pertence ao CPA há vários anos e revela que, na zona algarvia, ainda não existe nenhum clube, mas, a breve prazo, será fundado o primeiro.

“Já se está a preparar a criação de um clube, para breve, na nossa região. Pertenço a várias associações, mas a verdade é que, na terra das férias de verão, não há clubes de autocaravanismo”, salienta.

Grupo da CPA percorre estradas municipais junto à ‘fronteira’ do Alto Minho. Foto: Fernando André Silva / O MINHO

Assim como os restantes associados do CPA, Mário consegue encaixar a descrição de décadas de atividade em três palavras com conjugação verbal: “Isto é liberdade”.

O Minho

Vítor Tavares, o segundo-comandante do CPA, mostrou-se entusiasmado quando foi sugerida a região do Minho para destino deste encontro. “Já cá estive várias vezes, na zona de Viana do Castelo, a ajudar no combate aos fogos florestais”, recorda.

“A minha mulher até gozava a dizer que, em vez de combater os fogos, eu ia era para as festas da Senhora da Agonia. Aqui somos sempre muito bem tratados”, revela, em tom de riso. “Esta terra é formidável”.

Grupo da CPA no santuário de Mixões da Serra, em Vila Verde. Foto: Fernando André Silva / O MINHO

Mário concorda: “Nunca tinha estado em Vila Verde, mas já conheço o Minho quase todo e sei que posso contar com boas pessoas, comida maravilhosa e uma beleza natural indiscritível”.

“O Minho não tem nada a ver com o Algarve. Em julho e agosto, é o destino por natureza, mas aqui é o ano inteiro”, diz.

“Só que de inverno é mais complicado”, acrescenta, enquanto se abriga de nova chuvada.

“Somos 8 mil portugueses autocaravanistas, mas estrangeiros são mais de 300 mil a passar anualmente em Portugal”

Paulo Barbosa é o atual presidente da direção da CPA, cargo que exerce há seis anos. Conta que a vinda à região do Minho passou por uma sugestão da ATAHCA, associação de desenvolvimento para as terras altas junto aos rios Homem e Cávado.

Paulo Barbosa, presidente da direção do CPA. Foto: Fernando André Silva / O MINHO

“Este já é o quinto encontro que fazemos só este ano, mas, mesmo em anos anteriores, nunca tínhamos vindo para a região mais interior do Minho. Há uns oito anos estivemos na costa do Minho, em Viana, Âncora e Caminha”, conta.

Paulo Barbosa destaca alguma dificuldade para autocaravanistas junto ao interior do país, sobretudo pela falta de locais onde possam substituir “as águas sujas” por água limpa.

“Na zona da costa há várias estações de serviço onde temos condições, mas nesta zona não temos estações e os parques de campismo são poucos”, lamenta.

“Há aqui o parque de campismo de Aboim da Nóbrega, cujo zelador (Domingos Costa), se mostrou disponível para nos receber e dar-nos condições”, destaca o dirigente, relembrando que “de três em três dias” é necessário “trocar as águas”.

“Precisamos de mais parques como este na região mais interior do Minho, somos 8 mil portugueses autocaravanistas, mas estrangeiros são mais de 300 mil a passar anualmente em Portugal”.

Anúncio

Braga

Presidente da Câmara de Vila Verde apoia António Cunha para a CCDR-N

Eleições para a CCDR-N

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

O presidente Câmara Municipal de Vila Verde manifestou apoio à candidatura de António Cunha à Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), por considerar que o ex-reitor da Universidade do Minho é “a escolha mais acertada”.

Em comunicado, António Vilela realça que “o trabalho que o professor António Cunha fez enquanto reitor da Universidade do Minho, elevando esta instituição a um patamar de excelência e uma âncora de conhecimento de toda a região”, permite “perspetivar um novo período de desenvolvimento regional.”

Para o autarca, “a escolha não poderia ser mais acertada”, sendo António Cunha “conhecedor profundo da realidade do território” e a “pessoa certa para incrementar o desenvolvimento e a coesão de toda a região Norte.”

As eleições para a CCDRN realizam-se no próximo dia 13 de outubro e o ato eleitoral decorrerá em assembleia municipal convocadas extraordinariamente para o efeito.

Continuar a ler

Braga

Braga marcou presença no maior evento sobre cidades inteligentes do Norte da Europa

Ambiente

em

Foto: Divulgação / CM Braga

Ricardo Rio, presidente da Câmara de Braga, é um dos oradores da sexta edição da Nordic Edge Expo, o mais importante evento sobre cidades inteligentes do Norte da Europa, que este ano acontece digitalmente.

O evento é transmitido a partir de vários palcos em toda a Europa, ao mesmo tempo que permite sessões paralelas e networking.

O autarca bracarense participou num painel destinado a cidades europeias que estabeleceram o objetivo de atingiram a neutralidade carbónica até 2030, na qual também se incluíram representantes de Stavanger (Noruega), Turku (Finlândia), Košice (Eslováquia) e Pamplona (Espanha).

“A sustentabilidade é uma questão crucial que temos assumido como prioridade da nossa actuação, tão importante como o desenvolvimento económico, a dinamização cultural ou as políticas sociais que implementamos. Acreditamos que o futuro da cidade e a qualidade de vida dos nossos cidadãos está diretamente ligada ao desenvolvimento sustentável da cidade no seu todo”, referiu.

De acordo com o edil, a Estratégia Municipal de Adaptação às Alterações Climáticas de Braga, elaborada em 2016, apresenta várias iniciativas ligadas à eficiência energética e mobilidade sustentável, dois domínios que elencou como essenciais numa perspectiva de futuro.

“Temos investido em fontes de energia limpas e muitos dos serviços municipais são já alimentados por energia solar. Em termos de mobilidade, temos desenvolvido projectos que visam dar prioridade aos peões, modos suaves e transportes públicos, sendo que 30% da nossa frota de autocarros é constituída por veículos eléctricos ou movidos a gás natural”, disse.

Por fim, Ricardo Rio lembrou que, no contexto da Estratégia Municipal de Adaptação às Alterações Climáticas, o Município tem trabalhado em total sintonia com os agentes locais (empresas, universidades, start-ups, centros de investigação e desenvolvimento, etc.) e a comunidade.

“A colaboração entre instituições e cidadãos é crucial para se preparar uma abordagem consistente a estes assuntos e todos estarem comprometidos com as metas propostas. Estamos a trabalhar para construir uma cidade inteligente e inovadora, alinhada com as preocupações ambientais e medidas que temos de seguir para garantir a neutralidade carbónica”, sublinhou.

A este propósito, o autarca assumiu que Braga quer estar no grupo de cidades europeias que pretendem demonstrar a possibilidade de atingir a neutralidade carbónica até 2030, objetivo para o qual considera crucial a concretização de projetos que moldem de raiz o território como verdadeiras cidades da inovação e conhecimento.

A Nordic Edge Conference conta com palestras, workshops interactivos, eventos de networking e uma exposição digital, explorando as oportunidades e desafios para as cidades se tornarem neutras para o clima até 2030.

Continuar a ler

Braga

Irmãos de Braga premiados em concurso internacional sobre jornalismo ambiental

Ambiente

em

Foto: Diulgação

Os irmãos José Diogo e Luís Martins, estudantes do Colégio D. Diogo de Sousa, em Braga, foram premiados no concurso internacional sobre jornalismo ambiental “Young Reporters for the Environment 2020”.

Os jovens estudantes do Colégio D. Diogo de Sousa foram distinguidos pelo Júri Internacional desta competição com menção honrosa em Foto Campanha (2.º Lugar em fotorreportagem), Vídeo Campanha (3.º lugar) e menção honrosa em Colaboração Internacional.

Este jovens realizaram investigações acerca de questões de sustentabilidade, com enfoque no ambiente, observando questões, problemas e soluções.

Os dois irmãos já tinham sido premiados no concurso nacional Jovens Repórteres pelo Ambiente, o que lhes valeu a possibilidade de concorrer nesta competição internacional na qual deixaram a sua marca.

Nesta atividade promovida pela Coordenação Internacional, que visa promover e premiar o trabalho dos jovens jornalistas de ambiente, participaram 45 países da rede Young Reporters for the Environment.

Este ano, a coordenação internacional contou com 182 trabalhos a concurso. A representação de Portugal dos JRA contou com nove trabalhos selecionados para a final internacional do YRE 2020, tendo sido distinguidos cinco deles.

Continuar a ler

Populares