Seguir o O MINHO

Região

Inundações, estradas bloqueadas e queda de árvores devido ao mau tempo no Minho

Depressão Jorge

em

Foto: Redes sociais

A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) registou mais de 20 ocorrências relacionadas com o mau tempo, nos distritos de Braga e Viana do Castelo, desde que foi acionado o aviso laranja do Instituto Português do Mar e Atmosfera (IPMA).

Estradas cortadas devido à queda de ramos e árvores, queda de infraestruturas móveis e algumas inundações são o grosso das ocorrências que têm mobilizado mais de uma centena de bombeiros de várias corporações de ambos os distritos.

Entre as 21:00 e as 23:00 deste domingo, segundo dados da ANEPC, foram registadas 18 ocorrências em vários concelhos do distrito de Braga, com especial incidência em Guimarães, onde duas estradas foram cortadas devido à queda de estruturas e de ramos de árvore.

Também em Famalicão foram várias as chamadas para os bombeiros, com registo de inundações face à precipitação intensa, assim como nos concelhos de Braga, Barcelos e Póvoa de Lanhoso.

Já no distrito de Viana do Castelo foram registadas ocorrências de quedas de ramos ou árvores em três concelhos distintos, Melgaço, Viana e Ponte de Lima.

Desconhece-se ainda se existem danos materiais avultados ou a existência de feridos.

O IPMA colocou estes dois distritos sob aviso laranja, entre as 21:00 deste domingo e as 03:00 de segunda, devido à chuva forte e persistente. Durante igual período está ativo um aviso amarelo relativamente ao vento, que poderá atingir rajadas de 120 km/h nas terras altas.

Anúncio

Ave

Já chegaram a Vizela as 40 mil máscaras oferecidas por empresário

Covid-19

em

Foto: Divulgação / CM Vizela

Já chegou a Vizela a encomenda de 40 mil máscaras cirúrgicas oferecidas pelo empresário vizelense Paulino Moura, proprietário da empresa Atrai que, face as relações profissionais que mantém com China, conseguiu adquirir essas máscaras em tempo recorde para oferecer ao concelho, foi hoje anunciado.

Em comunicado, a Câmara de Vizela agradece ao empresário pela oferta e ainda a outra empresa de Vizela, a Fema, que transportou o material que chegou ontem a Lisboa num avião fretado da TAP.

Na mesma nota, a autarquia salienta que as máscaras serão distribuídas pelas IPSS, USF e combeiros do concelho, “tal como serão disponibilizadas algumas aos hospitais de Guimarães e Felgueiras”.

Segundo o comunicado, é deixado ainda um agradecimento à secretária de Estado adjunta da Saúde, Jamila Madeira, e ao embaixador de Portugal na China, José Duarte, pelo “contacto permanente” ao longo de 15 dias para “articular o transporte com sucesso”.

Vizela conta com 15 infetados com o vírus SARS CoV2, que provoca a doença covid-19, segundo os dados do boletim epidemiológico desta segunda-feira, divulgado pela Direção-Geral de Saúde.

Braga, com 358 (+9 do que ontem) casos confirmados, Famalicão com 142 (+2) e Guimarães com 131 (+4) são os concelhos da região do Minho mais atingidos pela pandemia. Nos dois distritos, estão confirmados 995 infetados.

Continuar a ler

Braga

Sindicato exige harmonização dos salários dos enfermeiros do Hospital de Braga

Sindicato dos Enfermeiros Portugueses

em

Foto: DR / Arquivo

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) exigiu hoje a harmonização dos salários daqueles profissionais que trabalham no Hospital de Braga, considerando “vergonhoso” que haja 168 que recebem 1.060 euros em vez dos 1.201 “previstos na lei”.

Em comunicado, o SEP referiu que já pediu a intervenção do Presidente da República e do primeiro-ministro, face às “ausências de resposta” da administração do hospital e do Ministério da Saúde.

“Os enfermeiros não precisam de ser apelidados de heróis, tão pouco que lhes batam palmas. Exigem ações, condições de trabalho e, no caso concreto, ter salários iguais aos restantes”, sublinhou o sindicato.

Contactada pela Lusa, a administração do hospital disse que no decorrer do processo de adesão aos acordos coletivos de trabalho (ACT), remeteu uma minuta de acordo a todos os sindicatos para que manifestassem a sua intenção de adesão, sendo que do SEP não recebeu, até ao momento, “qualquer resposta”.

“O Hospital de Braga lamenta que o atual período vivido a nível nacional seja utilizado pelo sindicato para mediatizar as suas reivindicações”, acrescentou a administração.

No comunicado, o SEP diz que “ninguém compreende que os salários destes enfermeiros se mantenham naquele vergonhoso valor [1.060 euros], quando todos os que foram admitidos pós-setembro recebem, e bem, os 1.201 euros”.

Em 01 de setembro de 2019, a gestão do Hospital de Braga passou para a esfera pública, depois de dez anos nas mãos do Grupo Mello Saúde, ao abrigo de uma parceria público-privada (PPP).

O SEP garante que, no período anterior à transição, alertou a administração e o Ministério da Saúde para a obrigatoriedade de, logo em setembro, decorrer o processo de adesão aos instrumentos de regulamentação coletiva do trabalho, para garantir que os enfermeiros à data contratados pelo Grupo Mello com um salário de 1.060 euros passassem para os 1.201.

“Porventura mais preocupados com as eleições que com os profissionais, nada fizeram e assim continuaram, apesar das muitas insistências”, critica o sindicato.

O SEP lembra que o protelamento determinou o agendamento de uma greve para 17 e 19 de Março, que acabaria por ser suspensa devido à pandemia de covid-19.

O sindicato vaticina ainda que, tendo em conta o histórico, o estado de alerta e agora o estado de emergência, “previsivelmente, nenhuma decisão será tomada pela tutela”.

O conselho de administração do hospital disse ainda que “procurou, desde sempre, garantir uma aproximação às preocupações dos seus profissionais e tem envidado todos os esforços nesse sentido”.

Continuar a ler

Braga

Hospital de Braga ativou 6 alas exclusivas e ampliou Cuidados Intensivos

Covid-19

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

O Hospital de Braga já ativou seis alas de internamento dedicadas em exclusivo à covid-19, com capacidade para 175 doentes infetados, anunciou hoje aquela unidade.

Em resposta escrita enviada à Lusa, o hospital refere que também ampliou a área da Unidade de Cuidados Intensivos, que detém agora uma capacidade de 32 camas para tratamento de doentes com covid-19.

“Está ainda prevista a abertura de mais camas dedicadas noutras alas de internamento, de acordo com o desenvolvimento da doença e necessidades identificadas”, acrescenta.

O Hospital de Braga diz ainda que está a desenvolver um “trabalho contínuo” com as forças de autoridade e instituições locais, no sentido de definir estratégias a curto e médio prazo que permitam ajustar a resposta hospitalar à evolução prevista da pandemia.

Desde o início da pandemia, e segundo os dados hoje revelados, o hospital já realizou um total de 2.530 testes de despiste, dos quais 407 registaram resultados positivos.

Também já se registaram quatro casos avaliados como “completamente recuperados” e ainda um parto realizado a grávida com covid-19.

Atualmente, o Hospital de Braga tem 93 doentes internados com covid-19, estando 79 em enfermaria e 14 na Unidade de Cuidados Intensivos.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,2 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 70 mil.

Dos casos de infeção, mais de 240 mil são considerados curados.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 311 mortes, mais 16 do que na véspera (+5,4%), e 11.730 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 452 em relação a domingo (+4%).

Dos infetados, 1.099 estão internados, 270 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 140 doentes que já recuperaram.

Continuar a ler

Populares