Seguir o O MINHO

Guimarães

Hospital de Guimarães reconhecido pela boa gestão de doentes covid em estado grave

Covid-19

em

Foto: Rui Dias / O MINHO

A ARS Norte reconheceu a “Boa Prática Clínica” do hospital de Guimarães na gestão do paciente covid grave e complexo, devido a uma estratégia clínica que reduz em 70% a necessidade destes pacientes ocuparem camas de Cuidados Intensivos, foi hoje anunciado.

Em comunicado, o Hospital Senhora da Oliveira, em Guimarães, aponta que, ao longo da pandemia, assistiu-se a um progressivo esgotamento dos recursos de camas de Nível III (Cuidados Intensivos) para suportar pacientes com necessidade de ventilação mecânica.

Para tornar mais eficiente o tratamento dos pacientes graves com covid-19 e otimizar a utilização das camas de Cuidados Intensivos (reservando-as apenas para pacientes graves com necessidade de ventilação mecânica), o Hospital Senhora da Oliveira “aproveitou, de forma diligente, a capacidade, conhecimento e experiência instaladas em ventilação não invasiva, de médicos de outras especialidades médicas do hospital, para estabelecer uma estrutura integrada e diferenciada de tratamento dos pacientes com covid-19 mais graves”.

Para o efeito, estabeleceu uma estrutura de tratamento destes pacientes mais graves e complexos, num sistema de vasos comunicantes, sob coordenação do serviço de Medicina Interna. Essa estrutura inclui dois níveis de cuidados diferenciados onde os pacientes são alocados de acordo com a sua severidade:

Possui ainda uma Enfermaria Avançada de 14 camas, dentro do Serviço de Medicina Interna, para pacientes que estão a necessitar de quantidades elevadas de oxigénio, ou que iniciam Ventilação Não Invasiva (VNI), mantendo assim a sua capacidade de oxigenação preservada e estabilidade após o início destes tratamentos.

“Nesta enfermaria, otimiza-se o tratamento médico, suporte de oxigenioterapia e VNI, identificando-se aqueles que, não respondendo às medidas tomadas, necessitarão de uma abordagem mais agressiva e monitorização mais apertada, altura em que são transitados para a Unidade Intermédia covid, o outro eixo da nossa atuação”, refere o hospital.

A Unidade Intermédia covid (situada no piso dois, entre o Serviço de Urgência e a Unidade de Cuidados Intensivos), articula-se com a Enfermaria Avançada, o Serviço de Urgência e com a Unidade de Cuidados Intensivos.

É constituída por oito camas em espaço aberto, com um balcão de monitorização central, que permite a telemonitorização de todos os pacientes. e é coordenada pelo serviço de Medicina Interna, contando com apoio de três colegas de Pneumologia.

“Aqui são colocados os pacientes que apesar das medidas instituídas, registam progressão da sua insuficiência respiratória ou que apresentam instabilidade clínica com potencial rápido de progressão para a necessidade de ventilação mecânica. Está equipada com distintos -2-“, aponta a unidade hospitalar.

“Numa análise preliminar que fizemos dos primeiros 110 doentes que foram alocados à Unidade Intermédia COVID, podemos dizer que 10% dos pacientes faleceram, 17% tiveram necessidade de ser admitidos nos cuidados intensivos – isto é, 70% dos pacientes com manifestações de gravidade extrema de COVID19 evitaram de progredir para ventilação mecânica em cuidados intensivos”, aponta o hospital.

A existência desta estrutura no Hospital de Senhora da Oliveira, com capacidade limitada de camas para ventilação mecânica e de profissionais de saúde que permitam alargar significativamente este tipo de camas (como aliás se passa em todo o país), permitiu “tratar melhor os pacientes, evitar a progressão para ventilação mecânica e, ao mesmo tempo, manter a disponibilidade de camas de cuidados intensivos para aqueles que de outra forma não sobreviveriam – evitando a lotação total dos cuidados intensivos e, consequentemente, a necessidade de decisões ética e emocionalmente penosas para os médicos e prejudiciais para os pacientes”.

Populares