Seguir o O MINHO

Braga

Há 50 exposições de fotografia de 95 artistas de todo o mundo para ver em Braga

Encontros da Imagem

em

Foto: CM Braga

Até 30 de outubro, há meia centena de exposições de fotografia e artes visuais para visitar em 16 diferentes espaços de Braga. A 32.º edição dos Encontros da Imagem de Braga arrancou no fim de semana, com um circuito inaugural que teve início na Galeria do Paço da Universidade do Minho.

“Common Places” ou “Lugares Comuns” é o tema escolhido para esta edição dos Encontros da Imagem, um tema que procura refletir sobre o sentido de pertença aos espaços físicos, mas também aos lugares mentais. Este ano, estão representados 95 artistas oriundos de vários países do mundo, refletindo a dimensão internacional do Encontros da Imagem na cidade.

“Braga é cada vez mais uma cidade global. Com os Encontros de Imagem promovemos os artistas locais e nacionais, mas também uma série de artistas internacionais que expõem em Braga. Há aqui uma dinâmica cultural que é de realçar, mas há também uma dinâmica social e económica, que faz pulsar a cidade e que traz a Braga muitas pessoas de fora que acompanham e seguem estes Encontros”, referiu Ana Ferreira, adjunta da presidência para a Cultura da Câmara Municipal de Braga. Durante a sessão inaugural do evento, salientou ainda que “esta dinâmica está alinhada com a Estratégia 2030 e com a Candidatura de Braga a Capital Europeia da Cultura 27”. “Queremos escrever mais um capítulo na longa história da cidade em diálogo com a comunidade local, mas também com a Europa e outras culturas. O nosso ‘mindset’ é global”, referiu Ana Ferreira.

Ao todo, são 50 exposições que podem ser apreciadas em 16 espaços diferentes em Braga, sendo a Galeria do Paço da Universidade do Minho o maior de todos, onde se encontram 12 mostras de fotografias.

Para além da Galeria do Paço, as pessoas podem encontrar as exposições, por exemplo, na Casa dos Crivos, no Museu Nogueira da Silva, no Museu D. Diogo de Sousa, no Museu dos Biscainhos, na Galeria da Estação, no gnration, no Mercado Municipal, no Theatro Circo, na Fonte do Ídolo, na Galeria Forum Arte Braga, na Escola de Medicina da Universidade do Minho, e Mosteiro de Tibães. As exposições do Festival Internacional de Fotografia e Artes Visuais também se estendem às cidades de Barcelos, Guimarães e Porto.

A responsável que esteve em representação do presidente da Câmara Municipal, Ricardo Rio, realçou ainda que “o Município de Braga apoia os Encontros de Imagem desde o início e que a cada edição o evento nos traz algo de novo e diferenciador”. “Desta vez, os artistas ajudam-nos a refletir sobre a cidade, a sua paisagem e sobre temas da atualidade”, acrescentou Ana Ferreira, na sessão de abertura.

Também o presidente da Associação Cultural Encontros da Imagem, Carlos Fontes, se referiu ao tema desta edição salientando “este é um tema muito amplo que nos permite tocar vários problemas da atualidade, que são os chamados lugares comuns. É o problema das guerras, é o problema do ambiente, é o problema dos refugiados, são os problemas de género. E, nas diversas exposições, nós conseguimos confrontar as pessoas perante isso”, afirmou o responsável.

Para Carlos Fontes, a edição deste ano surge mais forte do que nunca, em termos de exposições, após três anos em formato digital por causa da pandemia.

EM FOCO

Populares