Seguir o O MINHO

Alto Minho

GNR, medição de temperatura e túnel anti-covid no regresso às aulas em Melgaço

Escolas

em

Foto: Divulgação / CM Melgaço

Hoje foi dia do regresso às aulas para os alunos do ensino público básico e secundário em todo o país, um regresso diferente do habitual onde várias medidas sanitárias foram adotadas para evitar possíveis contágios do novo coronavírus que provoca a doença da covid-19.


Em Melgaço, a Escola Secundária local não foi exceção. Bem cedo, funcionários do Centro Escolar de Melgaço mediam temperaturas aos alunos que iam entrando nas instalações. Também a utilização de máscaras é obrigatória para alunos a partir do 2.º ciclo. Quem não as tivesse, não entrava.

Túnel de desinfeção antes das aulas para afastar coronavírus de Melgaço

Para além do controle de possível febre e utilização de máscaras, aquela escola adotou a utilização de um túnel de desinfeção para uma possível descontaminação do SARS CoV-2, vírus que pode ainda não ter entrado no corpo dos alunos mas que pode estar à espreita nas superfícies, como mochilas, roupa ou até na própria máscara.

Manoel Batista, presidente da Câmara, reforçou que se trata de “um regresso atípico” e “com novas regras”. “É fundamental que todos sigam as medidas, para que seja garantida uma escola em segurança”, vincou.

“A autarquia fará de tudo para este regresso seja em segurança”, acrescentou.

Mais de 1,2 milhões de alunos regressam em todo o país

Os mais de 1,2 milhões de alunos dos 1.º ao 12.º anos estão hoje todos de regresso à escola para mais um ano letivo que começa com novas regras para tentar minimizar os impactos da covid-19.

Ao longo desta semana, alguns estabelecimentos de ensino foram reabrindo, sendo hoje o último dia estabelecido pelo Ministério da Educação (ME) para reiniciar as atividades letivas presenciais.

No total, são mais de 5.300 escolas públicas e cerca de mil privadas que neste novo ano seguem um conjunto de regras definidas pelo ME e pela Direção-Geral da Saúde devido à pandemia de covid-19.

O uso de máscaras é agora obrigatório para todos os funcionários assim como alunos a partir do 2.º ciclo, o distanciamento físico será, sempre que possível, de pelo menos um metro e as escolas têm circuitos de circulação.

Outra das recomendações é a higienização frequente dos espaços, mas para isso, alertam diretores e sindicatos, faltam funcionários.

Do lado do governo, o ministro da Educação voltou a assegurar esta semana que o sistema está preparado para responder aos problemas, nomeadamente a falta de funcionários e docentes.

Tiago Brandão Rodrigues lembrou que há este ano mais 3.300 professores nas escolas, assim como mais 900 técnicos, desde psicólogos a terapeutas da fala.

No entanto, o novo ano letivo é encarado com preocupação pelos docentes com o Sindicato de Todos os Professores (STOP) a convocar uma greve que termina hoje para que os funcionários possam não ir trabalhar caso considerem que não estão garantidas as condições de segurança.

Outro dos problemas prende-se com os trabalhadores que pertencem a grupos de risco, nomeadamente no caso dos professores que criticam não poder recorrer ao teletrabalho, sobrando-lhes apenas a baixa médica.

Tal como os restantes funcionários públicos, tem de meter baixa, recebendo o salário apenas durante os primeiros 30 dias. Depois, as faltas continuam a ser justificadas, mas deixam de receber.

O novo ano letivo é também marcado pelo regresso à RTP Memória das aulas do #EstudoEmCasa, que começa com “revisões” da matéria do ano passado.

À semelhança do que vai acontecer na maioria das salas de aula do país, nas primeiras semanas o canal vai passar apenas conteúdos transmitidos no 3.º período do ano passado, para consolidação das aprendizagens.

Só dentro de um mês, a 19 de outubro, começam a ser transmitidas as novas aulas na RTP Memória.

Outra das soluções encontradas pelo ministério para tentar dar mais tempo aos alunos para recuperar e consolidar aprendizagens do ano passado foi aumentar os dias de aulas e diminuir as férias.

As medidas implementadas pretendem reduzir as hipóteses de ser preciso encerrar um estabelecimento de ensino devido a um surto de covid-19.

Os alunos irão estar agrupados em “bolhas” e caberá aos serviços de saúde decidir o que fazer se surgirem casos positivos de covid-10, sendo que a opção deverá sempre passar por enviar para casa apenas o grupo que esteve em contacto com o doente.

O ensino à distância deverá ser sempre a última opção. No entanto, para que não volte a haver milhares de alunos sem acesso às aulas por falta de equipamentos ou de rede, o ministro garantiu esta semana que até ao final do primeiro período chegarão 100 mil computadores às escolas.

Anúncio

Alto Minho

Covid-19: Alto Minho tem 478 casos ativos (mais 123 em três dias)

Dados locais

em

Foto: CM Viana do Castelo (Arquivo)

O Alto Minho contava, esta segunda-feira, com 478 casos ativos de covid-19, mais 123 em relação à passada sexta-feira, segundo dados recolhidos por O MINHO junto da Unidade Local de Saúde do Alto Minho.

Os dados remetem para as 18:30 horas desta segunda-feira.

O distrito de Viana do Castelo soma, desde o início da pandemia, 1.608 casos (mais 121 nos últimos três dias), 66 óbitos e 1.064 recuperados (menos 2 em relação a sexta-feira).

Viana do Castelo, com 215 casos ativos, foi o concelho que registou a maior subida (mais 60 ativos).

Segue-se Caminha que, em relação a sexta-feira, tem mais 21 casos ativos, num total de 62.

Paredes de Coura duplicou o número de casos ativos, passado de 13 para 26.

Ponte de Lima tem mais 12 casos ativos (total 51).

Arcos de Valdevez tem mais sete casos (16 no total), Melgaço mais um (9), Valença mais três (63), Monção mais três (11) e Cerveira mais três (21).

Ponte da Barca mantém-se com quatro casos ativos.

Continuar a ler

Alto Minho

Ponte de Lima com mais doze casos de covid-19 em três dias

Dados locais

em

Foto: Facebook / Arquivo

O concelho de Ponte de Lima subiu de 147 para 159 no registo de casos de covid-19 desde a passada sexta-feira.

São mais 12 infetados com covid-19 durante os últimos três dias, contabilizando agora aquele concelho 51 casos ativos do vírus, segundo dados recolhidos por O MINHO junto da Unidade Local de Saúde do Alto Minho.

Os dados remetem para as 18:30 horas desta segunda-feira.

O concelho limiano mantém 106 recuperados da doença.

No total acumulado, registam-se 159 casos de infeção desde o início da pandemia, mais doze nos últimos três dias.
A nível distrital, o Alto Minho conta, esta segunda-feira, com 478 casos ativos, 66 óbitos e 1.064 recuperados.

O distrito soma 1.608 casos acumulados desde o início da pandemia, mais 121 em relação a sexta-feira.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Viana do Castelo atribui em 2021 Prémio para distinguir reabilitação urbana

Prémio Viana Práxis

em

Foto: DR / Arquivo

A Câmara de Viana do Castelo vai realizar em 2021 a primeira edição do Prémio de Reabilitação Urbana para “reconhecer” os promotores privados que nos últimos cinco anos investiram 10 milhões de euros no concelho, foi hoje anunciado.

Em conferência de imprensa para apresentação do Prémio Viana Práxis, o vereador da Reabilitação Urbana, Luís Nobre referiu que no início de novembro vão abrir as candidaturas e no primeiro trimestre de 2021 será realizada a primeira edição daquele prémio.

Luís Nobre sublinhou que o prémio, bienal, pretende “reconhecer publicamente as boas práticas, o esforço e o envolvimento que quem realizou investimento, mas também incentivar a quem olha para o concelho com uma oportunidade de investimento”.

O vereador responsável pela reabilitação urbana garantiu que, nesta área, a capital do Alto Minho apresenta “indicadores de excelência que são uma referência a nível regional, e até nacional”.

“Tanto ao nível das boas práticas, da dimensão das operações urbanísticas, do envolvimento de proprietários e também do valor muito significativo do investimento. Nos últimos cinco anos, o investimento privado está muito próximo dos 100 milhões de euros. Não acontece em muitas cidades, à nossa escala. É um esforço que deve ser reconhecido”, reforçou Luís Nobre.

De acordo com o vereador da reabilitação urbana, aquele investimento “começou no centro histórico da cidade, mas já vai muito além e acompanha grande parte das freguesias periurbanas do concelho”.

Luís Nobre destacou que “do total de licenciamentos que a Câmara Municipal emite, 24% referem-se à reabilitação urbana”.

“Para mim é um indicador muito relevante. Não existe, a nível nacional, uma percentagem com um significado tão expressivo”, sustentou.

Já o investimento público, adiantou, “está associado ao Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU), atualmente. numa fase muito avançada da sua execução e representa um investimento de 18,7 milhões de euros só nas freguesias de Areosa, Monserrate, Santa Maria Maior, Meadela e Darque”.

Naquele montante, não estão contabilizados “investimentos anteriores no centro histórico, na frente ribeirinha da cidade e na frente atlântica do concelho.

O PEDU, financiado por fundos do programa Portugal 2020, visa a qualificação do sistema urbano, do ponto de vista da mobilidade sustentável, regeneração urbana e ação integrada para as comunidades desfavorecidas.

O prémio apresentado pretende “galardoar e dignificar a qualidade da arquitetura e da construção, no âmbito de novas edificações e ações de reabilitação, restauro, remodelação ou renovação de edifícios existentes, no concelho de Viana do Castelo”.

Visa ainda “distinguir os autores do projeto, promotores e construtores de obras realizadas no concelho, que tenham sido concluídas nos anos anteriores à apresentação da respetiva candidatura”.

O Prémio Viana Práxis está dividido em duas categorias, Reabilitação de Edifícios e Carreira.

A obra vencedora na categoria “Reabilitação de Edifícios” será distinguida com um troféu de material perene passível de ser aplicada na intervenção e com um prémio pecuniário de 10 mil euros atribuído ao responsável pelo projeto.

O prémio Carreira, bem como Menções Honrosas que possam ser atribuídas, receberão diploma oficial do VIANA PRÁXIS – Prémio de Reabilitação Urbana de Viana do Castelo e a integração de um painel com nota biográfica na exposição dos trabalhos.

Continuar a ler

Populares