Seguir o O MINHO
[the_ad id='438601']

Ave

Gaivotas da Islândia passam inverno em Famalicão

Pateiras do Ave

em

Foto: DR

As gaivotas-de-asa-escura nascidas na Islândia passam o inverno em regiões mais quentes, com Portugal a ser um destino de eleição.

A conclusão é do Instituto Islandês de História Natural, que dá conta de um exemplar deste tipo de ave (Larus fuscus graellsii) registado em vários pontos do nosso país, incluindo nas antigas pateiras da bacia do rio Ave, em Famalicão.

De acordo com Gunnar Thor Hallgrimsson, professor da Universidade da Islândia, uma gaivota identificada na freguesia de Fradelos, em Famalicão, é a mesma que foi anilhada pelo próprio, a 11 de julho de 2019, em Garðaholt, Garðabær, ao abrigo do projeto Icelandic Project.

Na passado dia 12 de março, esta espécime com dupla anilhagem foi avistada por elementos de um grupo afeto às Pateiras do Ave, que se dedica a ajudar a criar uma paisagem protegida local nas freguesias de Fradelos, Ribeirão e Vilarinho das Cambas.

O grupo famalicense dá conta do repousa da ave nas margens do rio com “uma anilha em cada pata”. “Uma metálica, cujos códigos só são legíveis com a ave na mão, e uma outra plástica, azul, com o código a branco YC 87”, explicam.

“Depois de alguma pesquisa percebemos que tinha sido anilhada na Islândia e por isso reportamos a observação ao Instituto Islandês de História Natural”, referem, adiantando que a resposta chegou passados onze dias.

“Explicaram-nos que a ave foi anilhada ao abrigo de um projeto que já opera há mais de 20 anos e que procura compreender onde passam o inverno as aves que se reproduzem nesse país”.

“Em setembro foi observada duas vezes em Matosinhos e desde novembro passado que tem estado pela bacia do Ave, tendo sido vista em Vila do Conde e mais recentemente em Fradelos”, afirma o grupo famalicense.

Fonte: Icelandic Project

Depois desta temporada no litoral norte de Portugal, provavelmente em breve voltará à Islândia para uma nova época de reprodução.

“Assim percebemos que ao preservar os habitats ribeirinhos do Vale do Ave podemos também contribuir para a conservação das aves de um país que fica a mais de 2.500 quilómetros de distância. É nestas ocasiões que se torna claro que a natureza é uma coisa só”, destacam.

Paisagem Protegida Local

Desde 2018 que a Câmara de Famalicão, em conjunto com a CSIF de Fradelos, Ribeirão e Vilarinho das Cambas, pretende envolver e mobilizar as comunidades locais na recuperação e valorização das antigas pateiras do baixo Ave, um espaço de reserva para aves migratórias, onde foram já identificadas cerca de 190 espécies.

Populares