Seguir o O MINHO

Guimarães

Escola de moda em Guimarães abre 45.ª edição do Portugal Fashion

Arranca esta quarta-feira no Porto

em

Foto: Divulgação

O 45.º Portugal Fashion regressa esta quarta-feira ao seu quartel general, no edifício da Alfândega do Porto, e arranca com a apresentação de coleções de jovens designers portugueses e italianos, para a próxima primavera/verão 2020, assim como com desfiles de seis escolas de moda portuguesas, entre as quais a Cenatex, de Guimarães, anunciou a organização.

“A nossa estratégia de internacionalização passa também por trazer o mundo até nós, nomeadamente convidando ‘designers’ internacionais que possam promover no exterior a nossa fashion week e a fileira da moda portuguesa”, adiantou à Lusa Mónica Neto, a project leader do Portugal Fashion.

Na programação do Portugal Fashion que a organização antecipou à agência Lusa, o destaque desta quarta foca-se na aparição em palco das coleções dos quatro novos talentos da moda em Itália, que venceram o Milano Moda Graduate 2019, um projeto da Camera Nazionale della Moda Italiana (CNMI).

Os desfiles dos designers emergentes de Itália estão agendados para arrancar às 18:30, mas antes, pelas 14:30, a Alfândega do Porto recebe o Bloom, uma plataforma especialmente dedicada aos jovens designers portugueses, que têm aqui a oportunidade de ter um palco para apresentarem as suas “propostas disruptivas” para a próxima estação quente, refere a organização.

A abrir o calendário daquela plataforma estão seis escolas de moda – Cenatex (Guimarães), Escola de Moda do Porto, Escola superior de Artes Aplicadas do Instituto Politécnico de Castelo Branco (ESART), Escola Superior de Artes e Design de Matosinhos (ESAD) e Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa, com o curso de Design de Moda.

Pelas 17:70 está marcado o arranque do Bloom Upload, uma plataforma experimental destinada a designers que se encontram numa fase embrionária dos seus percursos, por onde vão passar coordenados de quatro jovens: Carolina Sobral, João Sousa, 0.9 Vírus e ARIEIV.

“É muito importante esta parceria com a CNMI para a internacionalização do Portugal Fashion. Com o apoio desta associação italiana podemos levar o PF a mais eventos internacionais, para além de estarmos a reforçar a dimensão internacional do nosso calendário nacional, a potenciar o networking dos nosso jovens criadores e a atrair talento para a nossa fileira moda”, acrescentou Mónica Neto.

Em paralelo aos desfiles na Alfândega, vai realizar-se o ‘showroom Brand Up’, com vestuário, calçado, joalharia, ourivesaria, marroquinaria e outros produtos de life style e onde, pela primeira vez, vai haver a possibilidade de venda direta ao público avançando com o conceito “see now buy now’ (vê agora compra agora).

O último desfile do primeiro dia do Portugal Fashion zarpa do edifício da Alfândega à beira do rio Douro, para se instalar a partir das 21:30, na Tipografia do Conto, uma antiga oficina de artes gráficas transformada num ‘hotel design’ no centro do Porto, para se conhecer a nova coleção primavera/verão 2020 da criadora Katty Xiomara, After now.

Pelo 45.º Portugal Fashion, até sábado, dia 26, vão passar nomes como Miguel Vieira, Luís Buchinho, Diogo Miranda, Hugo Costa, Sophia Kah, Marques’Almeida, Pedro Pedro, Alexandra Moura, Susana Bettencourt, Maria Gambina, Alves/Gonçalves, Estelita Mendonça, Inês Torcato, Carla Pontes, entro outros.

O Portugal Fashion é um projeto da responsabilidade da Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE), desenvolvido em parceria com a Associação Têxtil e Vestuário de Portugal e financiado pelo Portugal 2020, no âmbito do Compete 2020, com fundos provenientes da União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.

Guimarães

Freguesia de Guimarães aproveita poda para aquecer casa dos mais desfavorecidos

Solidariedade

Foto: Divulgação / JF Ponte

Os mais desfavorecidos da vila de Ponte, em Guimarães, têm agora oportunidade de recolher sobrantes da poda das árvores localizadas em espaços públicos para aquecer as casas e também para cozinhar no fogão a lenha.

De acordo com uma nota daquela Junta de Freguesia, os resíduos, não só da poda mas também da desmatação de caminhos, estão disponíveis na Loja Social através do apoio da Brigada Verde, que procedeu ao corte dos sobrantes.

Segundo a mesma nota, esta iniciativa não visa apenas ajudar os mais desfavorecidos, mas também promover uma estratégia de economia circular e de sustentabilidade ambiental, rentabilizando-se ao máximo os recursos disponíveis, protegendo-se o meio ambiente.

Continuar a ler

Guimarães

Presos em Guimarães sem água quente, passam frio e não podem ligar aquecedores

Estabelecimento Prisional de Guimarães

Foto: DR (Arquivo)

A denúncia é do secretário-geral da Associação Portuguesa de Apoio ao Recluso (APAR), Vítor Ilharco, na mesma altura em que os presos do Estabelecimento Prisional de Guimarães fizeram chegar à associação uma reclamação relacionada com o frio e a falta de água quente.

Na reclamação os presos referem-se a problemas infraestruturais no edifício, já referenciados num relatório da Provedoria de Justiça de 1996. “É uma cadeia em que as más condições objetivas têm sido superadas graça a um trabalho de equipa”, lê-se nesse relatório com 25 anos.

Os presos queixam-se do frio e da falta de água quente para os banhos. Numa altura em que a região tem enfrentado temperaturas muito baixas, a situação torna-se mais preocupante. A reclamação dos presos estende-se à falta de roupa de cama quente. “A Direção Geral dos Serviços Prisionais (DGRSP) distribui dois cobertores a cada recluso e não deixa que as famílias levem mais”, explica Vítor Ilharco. “A DGRSP diz que vai distribuir lençóis de flanela e mais um cobertor, mas neste momento estamos à espera”, afirma o secretário-geral da APAR.

Vítor Ilharco reconhece, até, que esta DGRSP “é bastante preocupada com o bem-estar dos presos, o problema é que não tem dinheiro”.  A situação tenderá a agravar-se, uma vez que o Orçamento de Estado para 2021 reduz em 52,5 milhões de euros o financiamento da DGRSP. 

O Estado paga, por dia, 3,40 euros para alimentar cada preso

“Atualmente a DGRSP paga à empresa de catering que fornece a alimentação das cadeias, 3,40 euros, por dia, por recluso. São 85 cêntimos por refeição. Isto dá uma ideia da qualidade da alimentação dos presos. Com a redução do financiamento, pode imaginar” – Avalia Vítor Ilharco. “No mesmo ano em que se retiram 52,5 milhões de euros a DGRSP, o Governo aumentou em 15 milhões as verbas destinadas à proteção animal”, crítica o responsável da APAR.

Relativamente às condições denunciadas pelos presos de Estabelecimento de Prisional de Guimarães, Vítor Ilharco confirma-as e diz que “infelizmente é a triste realidade das 48 prisões pelo país”.

Na prisão de Guimarães não é possível ligar aquecedores porque o quadro elétrico não aguenta

Em Guimarães, o problema do frio torna-se ainda mais grave por não se poderem usar aquecedores, uma vez que a instalação elétrica, antiga, não suporta a sobrecarga. “Os presos resistem aos dias de frio, como os que atravessamos, sem nenhum tipo de aquecimento”. A idade do edifício é também a causa de múltiplas infiltrações, algumas através de placas de fibrocimento, com amianto. A remoção destas placas, de material cancerígeno, está prevista, desde 2018, mas até agora ainda não avançou.

A DGRSP diz não ter registo de queixas sobre a temperatura da água. Relativamente ao quadro elétrico, a DGRSP afirma que o problema está “sinalizado” e que já estão orçamentados os custos para a resolução, embora não adiante nenhum prazo para a execução das obras. Até, afirmam, que os reclusos podem usar termos e têm acesso a bebidas quentes no bar.

Continuar a ler

Guimarães

Câmara de Guimarães assegura refeições escolares durante suspensão letiva

Confinamento

Foto: Ilustrativa (Arquivo)/ DR

A Câmara de Guimarães vai assegurar as refeições escolares a todos os alunos com escalão, assim como a todos os que comprovem vulnerabilidade social, no período de interrupção das aulas, hoje anunciado pelo Governo.

Em comunicado, a Câmara refere que as refeições serão entregues nas escolas ou, para quem não tiver possibilidade, o município de Guimarães assume a entrega em casa.

Em articulação com os psicólogos escolares, os serviços de Educação da Câmara de Guimarães assumem o apoio psicológico e vão iniciar o processo de rastreio de saúde mental a crianças dos 3 aos 10 anos a frequentar as escolas púbicas.

As escolas de todo o país vão fica fechadas a partir de sexta-feira e durante 15 dias, numa medida que visa travar a pandemia de covid-19.

Continuar a ler

Populares