Empresário de Vizela é dono de metade do novo negócio das águas de Ronaldo

Foto: GTRES

O empresário de Vizela Francisco Ferreira lançou a marca de águas alcalina e antioxidante Ursu 9, com a particularidade de metade do negócio ser da estrela de futebol Cristiano Ronaldo. A marca é gerida pela família de Francisco Ferreira e quer, durante este ano, colocar 50 milhões de garrafas nas prateleiras de todo o mundo, esperando duplicar o número em 2024.

Em declarações à Rádio Vizela, o empresário dono do Grupo Outeirinho explicou que esta parceria envolve dois projetos que pertencem à rede empresarial de Vizela: a fábrica espanhola Aguas Minerales de Avila, e uma nova fábrica que será construída em Portugal, mais concretamente em Bragança.

Francisco Ferreira adiantou também que o acordo foi firmado nos últimos meses e envolve uma divisão de 50% da sociedade entre o empresário vizelense e Cristiano Ronaldo, sendo também partilhado com as irmãs de Francisco Ferreira, Marta e Betânia.

A apresentação oficial da Ursu 9 aconteceu no Hotel Pestana CR7, na Gran Vía, em Madrid, com o empresário de Vizela e a estrela do futebol mundial a sentarem-se lado a lado, numa tribuna ao estilo das conferências de futebol.

Na mesma, o capitão da Seleção nacional disse estar satisfeito por poder investir numa bebida saudável, que condiz com o seu estilo de vida. Recorde-se que no último Europeu, realizado em 2021, viralizou um vídeo onde CR7 afastava garrafas de Coca-Cola enquanto sugeria que era melhor substituir por garrafas de água, por ser uma bebida mais amiga dos atletas.

Imagem: Arquivo

Na entrevista à Rádio Vizela, Francisco Ferreira reforçou que a parceria com Cristiano Ronaldo traz o reconhecimento da qualidade e diferenciação da água e que o jogador abraçou o projeto por acreditar nos benefícios da água para o bem-estar e porque sente paixão pelo produto.

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

Há 142 anos, Famalicão passava a ponto central na mobilidade ferroviária

Próximo Artigo

Expropriação em Braga espera julgamento há 38 anos, atraso digno do 'Guinness'

Artigos Relacionados
x