Seguir o O MINHO

Guimarães

Empresário de Guimarães desenvolve tapete desinfetante e faz sucesso em França

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

Armando Costa, empresário luso-francês com raízes em Guimarães, está a conquistar o mercado empresarial francês com a venda de tapetes desinfetantes que removem todo o tipo de vírus e bactérias do calçado, inclusive o da covid-19.


Empresário no ramo da prestação de serviços e organização de eventos, o vimaranense adaptou-se aos novos tempos face à pandemia que assolou o globo e criou um tapete duplo com reservatório desinfetante para comercializar em domicílios privados, comércio, indústria, centros comercias e espaços frequentados pelo grande público.

Em comunicado enviado à imprensa, o empresário explica que ao longo do último mês, já comercializou mais de 3.000 unidades, contando por entre os seus clientes “duas grandes superfícies comerciais de Paris, edifícios municipais, estruturas residenciais para idosos, clínicas e vários domicílios privados”

“Atualmente, está a expandir a produção através de uma parceria com uma indústria de manufaturados de forma a comercializar também em Espanha e Portugal”, refere a nota de imprensa.

Ainda segundo o empresário, os tapetes, de tamanhos variados, podem ser colocados no lugar de qualquer outro tapete que habitualmente se encontram nas entradas e saídas de casas e espaços públicos.

Em Portugal, o tapete já é comercializado por dois revendedores, também de Guimarães, que fazem a distribuição oficial no país.

Contactado por O MINHO, um dos distribuidores, Sandro Baptista, explica que o líquido fica impregnado no tapete, devendo ser reabastecido ao fim de algum tempo.

“Tem um reservatório onde se coloca o líquido que passa para todo o tapete. O reabastecimento depende do uso que se lhe dá. No fundo, ensopamos o calçado no tapete e o liquido a fica nas solas. As esponjas não permitem que o desinfetante passe acima da sola, não danificando”, argumenta.

Recomenda ainda a utilização de um segundo tapete, seco, para passar a sola, de forma a que o calçado não se torne escorregadio.

Diz a nota que o mesmo é “recomendado para domicílios, hotéis, apartamentos, lojas, restaurantes, hospitais, clínicas e lares de idosos”.

“Para adquirir este tipo de tapete, com custo de 79,90 euros, pode obter mais informações através do distribuidor português 934273867 (Sandro Baptista)”, termina a nota.

Anúncio

Guimarães

A cada 14 minutos, há um novo infetado com covid-19 em Guimarães

Covid-19

em

Foto: DR

O concelho de Guimarães registou mais 91 casos de infeção por covid-19 durante as últimas 24 horas, o que faz uma média de 3,9 casos a cada hora, ou 0,95 casos (arredondando para um) a cada 15 minutos.

No entanto, se recuarmos no tempo, nos últimos nove dias foram registados 993 casos de covid-19 em todo o concelho, o que perfaz um total de 110 casos por dia, 4,6 por hora, 1,1 a cada 14 minutos.

Com estes números, Guimarães já ultrapassou Braga no total de casos acumulados desde o início da pandemia, somando agora 3.491 casos confirmados, segundo dados divulgados hoje pelo ACES Alto Ave.

Segundo a mesma fonte, encontram-se 416 pessoas em isolamento face ao novo coronavírus.

Portugal regista hoje mais 33 mortos e 4.224 novos casos de infeção por covid-19, em relação a quarta-feira, segundo o boletim epidemiológico diário da Direção-Geral da Saúde (DGS). É um novo recorde de casos diários.

2.474 dos novos casos são no Norte.

De acordo com o boletim, desde o início da pandemia até hoje registam-se 132.616 casos de infeção confirmados e 2.428 mortes.

Há ainda 75.702 recuperados, mais 1.701 nas últimas 24 horas.

Continuar a ler

Guimarães

Guimarães mobiliza equipas multidisciplinares de combate à pandemia

Covid-19

em

Foto: Divulgação / CM Guimarães

As primeiras equipas multidisciplinares de saúde criadas no âmbito da resposta à pandemia da covid-19 em Guimarães foram hoje para o terreno, direcionadas para toda a rede escolar do concelho, anunciou o município.

Em comunicado, a autarquia refere que as equipas são constituídas por um enfermeiro do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Alto Ave, um técnico de serviço social da Câmara e um elemento das forças de segurança, avançando para o terreno “com toda a informação ao pormenor do rastreio local da pandemia”.

“Estão definidas cinco equipas multidisciplinares de suporte com intervenção nas escolas e na comunidade em todo o território concelhio, num processo que decorre em articulação com a Administração Regional de Saúde do Norte e ACES do Alto Ave e a Câmara Municipal de Guimarães”, acrescenta.

Através destas equipas, “será possível garantir o apoio direto à população e, principalmente, à comunidade escolar, numa relação direta e de proximidade que permite igualmente agir de uma forma célere e de prevenção à propagação deste vírus”, referiu o presidente da Câmara, Domingos Bragança, citado no comunicado.

No mesmo comunicado, a vereadora da Educação, Adelina Pinto, realçou que estas equipas “vão dar um contributo essencial na área da logística, da saúde e da segurança” perante alguns dos problemas detetados na comunidade escolar.

“É fundamental desenvolvermos políticas de prevenção e maior informação aos nossos jovens para combater esta pandemia”, sublinhou.

A equipa multidisciplinar de suporte escolar tem uma atuação para a prevenção e controlo da transmissão do vírus no que respeita às dúvidas e à gestão de casos, contactos e surtos em contexto escolar, criando um circuito de resposta integrada e efetiva e reforçando a comunicação externa com a comunidade escolar.

Já as equipas multidisciplinares de suporte comunitário realizam visitas de acompanhamento, partilha de informação relevante e apoio aos cidadãos em situação de confinamento obrigatório.

Verificam, também, se os cidadãos em confinamento obrigatório necessitam de ajuda alimentar, apoio social ao próprio ou à sua família ou apoio psicológico e certificam-se da adequação das condições da habitação para cumprimento do confinamento obrigatório.

Estas equipas multidisciplinares funcionam todos os dias, com a coordenação assegurada pelo ACES do Alto Ave e a Unidade Saúde Pública.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 44 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 2.395 pessoas dos 128.392 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Continuar a ler

Guimarães

Cafés e restaurantes de Guimarães manifestam-se em frente à Câmara

Alertam para as dificuldades do setor

em

Foto: Rui Dias / O MINHO

Numa iniciativa promovida pela Associação Vimaranense de Hotelaria, esta quarta-feira,  a restauração procurou chamar a atenção, particularmente do executivo camarário, para as dificuldades que o setor enfrenta.

Mais de 50 cafés, bares e restaurantes da cidade reuniram-se no largo Cónego José Maria Gomes, em frente ao edifício da Câmara. “O setor da restauração e da hotelaria foi fortemente afetado com as exigências de prevenção de saúde pública”, lamentou Ricardo Silva, presidente da Associação Vimaranense de Hotelaria (AVH).

“Os comerciantes deste setor em específico, quer individualmente, quer através da AVH, têm-se mostrado totalmente cooperantes com o Executivo Municipal, no sentido de coordenação de processos e obtenção de medidas ou alternativas que permitam a subsistência dos negócios”, acrescentou o presidente da AVH.

“No que toca à Câmara Municipal apoiar estes comerciantes, o que encontramos, e o que o Executivo Municipal sempre manifestou, foi total inércia e completamente passividade relativamente às questões e à dinâmica do setor”, queixa-se o representante dos restaurantes e hotéis de Guimarães. O protesto pretendeu mostrar ao poder local algumas soluções que podem ajudar o setor.

O regresso dos espetáculos e a colocação de barreiras de acrílico entre as esplanadas estão entre as soluções apresentadas ao presidente da Câmara.

Nas cadeiras, que os manifestantes espalharam pelo espaço do largo, podia ler-se o nome do estabelecimento representado e o número de funcionários que emprega.

Continuar a ler

Populares