Seguir o O MINHO

Futebol

Oficial: Tomás Esteves renova com o FC Porto até 2024

Futebolista de Arcos de Valdevez

em

Foto: DR / Arquivo

Tomás Esteves, futebolista de Arcos de Valdevez, renovou com o FC Porto até 2024, foi hoje anunciado.


O clube comunicou a renovação do lateral de apenas 18 anos através das redes sociais, confirmando assim o que já havia dito Pinto da Costa, presidente do clube, numa entrevista publicada ontem no Portal dos Dragões.

No clube desde os 09 anos de idade, o craque de Aboim das Choças renova até 2024, confirmando-se como uma das maiores promessas do emblema azul-e-branco.

“Estou muito feliz por renovar com o meu clube do coração”, disse o futebolista através das redes sociais do clube. “Espero dar muitas alegrias ao clube”, acrescentou.

 

Tomás Esteves venceu a UEFA Youth League e foi campeão nacional sub-19. Estreou-se na equipa principal do clube em jogo da Taça da Liga, frente ao Casa Pia, a 05 de dezembro de 2019.

Anúncio

Futebol

Treinador do Porto afirma que luta pelo título “vai ser até ao fim”

I Liga

em

O treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, desvalorizou hoje os seis pontos de vantagem sobre o Benfica, afirmando que a luta pelo título da I Liga de futebol será “até ao fim”.

O técnico portista defendeu que quem der o troféu já como certo para os portistas “tem o objetivo de distrair atenções”.

“Se calhar, o objetivo de quem diz isso é distrair. Nós temos de focar no trabalho e nas tarefas, para que o coletivo seja forte. Coletivamente, vamos ser mais fortes, é o objetivo. Obviamente há as estratégias que temos, mas no futebol, o que funciona para um grupo pode não funcionar para outro. Há estratégias para mexer com esse lado emocional, motivá-los ao máximo, dar tranquilidade para que possam exprimir-se ao mais alto nível”, referiu, na conferência de imprensa de antevisão da partida com o Belenenses SAD.

Sérgio Conceição salientou ainda o realismo que tem enquanto treinador por não se deixar deslumbrar pela vantagem de pontos para o segundo classificado e defendeu que a luta será feita até ao fim do campeonato.

“Há pontos a conquistar e vai ser uma luta até ao fim. Essa consciência e esse realismo da minha parte está presente diariamente na minha postura, no meu trabalho, no que o balneário pensa e sente, da mesma forma que eu”, afirmou.

Sérgio Conceição falou ainda da evolução de Mbemba destacando a paciência do central para “esperar pelo seu momento e agarrar a oportunidade”.

“Já o conhecia dos tempos da Bélgica. É muito consistente em todas as posições, e acho que não foi por acaso que o meti a central do lado direito e o Pepe do lado esquerdo. Foi por características que ele tem. É uma pessoa tranquila, não podemos dissociar o profissional do jogador, eu sei que alguns se transformam no campo, mas está lá a sua essência. Soube esperar com paciência, teve a oportunidade dele e agarrou-a. É um jogador importante para a equipa”, frisou.

Questionado sobre o regresso do médio japonês Nakajima aos treinos e a possibilidade de vir a dar o seu contributo nos próximos jogos, o treinador já não se mostrou tão recetivo e disponível para esclarecer a questão.

“Não quero que interpretem mal. Não tenho o costume de falar de jogadores que não estão disponíveis e é esse o caso. O Nakajima não é opção para o jogo de amanhã (domingo). Já falámos variadíssimas vezes dele. Já sei que vão pegar em alguma coisa que eu vou dizer para sair em título. Preocupo-me mais com o Licá, o Marco Matias, com a linha de três do Belenenses, com o Cafú, o Tiago Esgaio, o Nilton Varela…isso é que é importante”, salientou.

Precisamente sobre o próximo adversário, o Belenenses SAD, Sérgio Conceição admitiu estar à espera de uma equipa com uma dinâmica diferente do último jogo.

“O Belenenses que tem jogado ultimamente é o que esperamos. Com uma dinâmica diferente do outro jogo que fizemos com eles no Jamor. Mas, temos de pensar em nós, e no que temos de fazer para conquistar os três pontos”, referiu ainda.

O FC Porto, líder do campeonato com 70 pontos, recebe no domingo o Belenenses SAD, na 14.ª posição, com 31 pontos, numa partida relativa à 30.ª jornada da I Liga de futebol.

Continuar a ler

Futebol

Benfica formalizou à CMVM a rescisão com treinador Bruno Lage

Mercado

em

Foto: DR

O Benfica comunicou hoje à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) a formalização da rescisão com o treinador de futebol Bruno Lage, que apresentou a demissão após o desaire de segunda-feira com o Marítimo.

“A Sport Lisboa e Benfica – Futebol, SAD informa, nos termos e para o efeito do disposto no artigo 248.º-A do Código dos Valores Mobiliários, que formalizou hoje a rescisão do contrato de trabalho desportivo com o treinador Bruno Miguel Silva do Nascimento (Bruno Lage)”, avança o curto comunicado.

O treinador natural de Setúbal assumiu o cargo, então “provisoriamente”, em 03 de janeiro de 2019, substituindo Rui Vitória, numa altura em que o Benfica era quarto na I Liga, a sete pontos da liderança.

Lage, de 44 anos, entrou com quatro triunfos, renovou contrato até 30 de junho de 2023 e levou mesmo os ‘encarnados’ à conquista do título nacional em 2018/19, ao somar vitórias em 18 das últimas 19 jornadas, sendo exceção um 2-2 com o Belenenses SAD.

Em 2019/20, começou da melhor forma, ao conquistar a Supertaça com uma goleada ao Sporting (5-0), e parecia destinado a chegar ao ‘bis’ no campeonato, após nova série de 18 triunfos em 19 jogos, agora com uma derrota pelo meio (0-2 com o FC Porto).

Um segundo desaire na época com os portistas, em 08 de fevereiro, no Dragão, iniciou, porém, um ciclo muito negativo, com apenas dois triunfos em 13 jogos, em todas as competições, que conduziram à sua saída do comando técnico do Benfica.

No total, somou 51 vitórias, 12 empates e 13 derrotas (181-76 em golos), em 76 jogos.

O Benfica volta a jogar hoje, recebendo o Boavista, para a 30.ª jornada da I Liga, num embate em que vai ser orientado por Nélson Veríssimo, que era um dos adjuntos de Bruno Lage.

Continuar a ler

Futebol

Vítor Oliveira sente Gil Vicente “em crescendo de forma” na luta pela manutenção

I Liga

em

O treinador Vítor Oliveira valorizou hoje a evolução gradual do Gil Vicente desde a retoma da I Liga de futebol, na véspera de jogar uma cartada importante pela manutenção na 30.ª jornada, na receção ao Rio Ave.

“Temos vindo a melhorar de jogo para jogo, o que é perfeitamente natural, e os jogadores estão em crescendo de forma. Agora, será um jogo tremendamente difícil, contra a equipa que melhor joga em Portugal no pós-pandemia. Precisamos de pontos urgentemente e temos cinco finais para conseguir a manutenção. Dependendo da nossa competência, poderemos abreviar esse número”, analisou o técnico, em conferência de imprensa.

Assumindo que as duas formações estão “equilibradas em termos de vontade e de objetivos”, uma vez que “é tão importante para o Gil manter-se na I Liga como para o Rio Ave ir à Liga Europa”, Vítor Oliveira pede “soluções” aos minhotos para imporem o “fator casa dentro dos condicionalismos existentes” e recuperar o “nível verificado quando isto tudo parou”.

“A paragem foi exagerada. Não entrámos como devíamos e ainda não nos encontrámos psicologicamente. Temos tido alguns castigos e lesões difíceis de recuperar. A falta de público em casa, que era determinante para nós, implica menor concentração e gera menor rendimento. A realidade é esta e não vale a pena estar com desculpas”, frisou.

O experiente treinador sustentou que “as equipas são fortes quanto mais opções tiverem e mais competitividade existir na discussão das posições”, embora tenha ressalvado que a presença de um “futebol completamente diferente”, após a pausa provocada pela pandemia de covid-19, inviabiliza “juízos de valor a médio prazo”.

“As equipas do fundo da tabela têm feito muitos pontos e as equipas de topo têm perdido muitos. O campeonato, algo desequilibrado, está bastante equilibrado. Nunca sabemos o que vai acontecer em cada jogo e o resultado é perfeitamente imprevisível. Temos de nos acautelar e somar os pontos necessários para ficar na I Liga”, alertou.

Vítor Oliveira anunciou na terça-feira a saída do comando técnico dos ‘galos’ no final da temporada e aguardou pelo rescaldo da derrota frente ao Sporting (2-1) para questionar a “legitimidade” da direção presidida por Francisco Dias da Silva em “tornar público” a sua sucessão, o que tem “provocado alguma instabilidade no plantel”.

“Não resolvo nada enquanto a situação do Gil Vicente não estiver definida. São completamente falsas todas as notícias que dizem que vou para aqui e para acolá, que vou para diretor ou para fora. Era importante que as pessoas respeitassem essa situação e não andassem com recadinhos e notícias não assinadas”, lamentou.

O Gil Vicente, 12.º colocado, com 33 pontos, seis acima da zona de despromoção, recebe o Rio Ave, quinto, com 47, no domingo, às 17:00, no Estádio Cidade de Barcelos, em jogo da 30.ª jornada, com arbitragem de Iancu Vasilica, da associação de Vila Real.

Continuar a ler

Populares