Seguir o O MINHO

Ave

E.Leclerc de Famalicão promove vendas de 30 produtores locais

“Produto que é Nosso”

em

Foto: Divulgação / CM Famalicão

Nas próximas duas semanas, perto de 30 produtores famalicenses cujos produtos ostentam o selo “Made IN Famalicão – Produto que é Nosso” vão vender os seus produtos no hipermercado E. Leclerc de Famalicão na sequência de um protocolo estabelecido entre o município e algumas das principais superfícies comerciais do concelho no âmbito deste projeto de valorização e promoção da produção famalicense de produtores e empreendedores locais.


A ilha “Produto que é Nosso” está posicionada numa área central do hipermercado e oferece ao consumidor desde produtos frescos ao fumeiro, queijos e carnes frescas, passando pela padaria e doçaria, pelos vinhos e licores e compotas, geleias e mel. Depois do E. Leclerc, a campanha está já programada para o Intermarché, de 3 a 16 de setembro e para o Supermercado Bandeirinha, de 17 a 30 de setembro.

“Estarmos envolvidos neste processo, e concretamente aqui no E Leclerc, é muito gratificante para nós porque é mais uma montra dos nossos produtos. É uma rampa de lançamento para um tipo de espaço que já há algum tempo vínhamos a trabalhar”, testemunha Andreia Ferreira das compotas Meia Dúzia.

“É um momento muito importante deste projeto que procura criar condições para que os produtores de Famalicão possam chegar mais longe. Sabemos a dificuldade que é para pequenos produtores entrar na escala da média e da grande distribuição e este projeto dá-lhes a possibilidade de aí chegar e de aí testarem os seus produtos junto dos consumidores. O facto de cá estarem é só por si um grande resultado”, referiu o Presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, quando assinalou hoje a abertura da primeira ilha “Produto que é Nosso” no comércio de Famalicão.

Ao todo, a este projeto já estão associados 65 produtos de 27 produtores locais. Integram-se neste programa, os produtos do setor agroalimentar, agrícolas e transformados, que se enquadram na tipologia de produtos e nos critérios de avaliação e reconhecimento estabelecidos no regulamento. Os objetivos não são indiferentes à situação de pandemia em que vivemos, pretendendo contribuir também para a mitigação das consequências económicas da atual crise de saúde pública.

Anúncio

Ave

Câmara de Famalicão acusa empresa de incumprimento nos transportes escolares

Primeiro dia de aulas com “graves constrangimentos”

em

Foto: CM Famalicão

A Câmara de Famalicão acusou esta sexta-feira a empresa de transportes Arriva de “incumprimento” dos percursos e horários definidos para o novo ano letivo, sublinhando que a situação originou “graves constrangimentos” e prejudicou alunos e famílias.

Em comunicado, a Câmara refere que o incumprimento foi constatado na quinta-feira, primeiro dia de aulas, e acrescenta que “exigiu de imediato explicações” à empresa.

A Arriva, ainda segundo o comunicado, transmitiu hoje “o reconhecimento do incumprimento” e deixou a garantia da imediata normalização do serviço prestado.

“A Câmara Municipal vai estar muito atenta a esta situação e não vai deixar de utilizar todos os meios ao seu alcance para que o serviço de transporte público rodoviário decorra com a normalidade habitual e da forma que foi articulada entre empresas, escolas e autarquia”, sublinha.

No comunicado, a Câmara vinca que a regularidade do serviço é uma “exigência absoluta” para com as empresas responsáveis.

“Por isso, o município não deixará de pedir responsabilidades à empresa pela grave situação provocada no primeiro dia de aulas”, remata.

A Câmara diz que o processo foi ajustado, em termos de horários e de percursos, para dar “cabal resposta” às necessidades dos alunos e das famílias, “no pressuposto do cumprimento da universalidade da gratuitidade dos passes escolares que se verifica em Famalicão”.

Este ano, tal como no anterior, a Câmara assume a totalidade do pagamento dos passes a todos os alunos do concelho, desde o ensino básico até ao 12.º ano.

Esta medida abrange cerca de cinco mil alunos, num investimento total de 1,9 milhões de euros por ano.

Continuar a ler

Guimarães

Erro no teste à covid-19 fechou creche em Guimarães por engano

Covid-19

em

Foto: DR

Um erro das autoridades sanitárias levou a que uma creche em Guimarães fechasse portas quando o mesmo não era necessário, anunciou a instituição que gere o espaço educativo.

Em comunicado, o Centro Social da Paróquia de Fermentões, que tinha encerrado na terça-feira depois de um alegado caso positivo numa das crianças que frequentam a instituição, dá conta de que tudo terá sido um erro da DGS e que, afinal, o espaço pode estar aberto.

Segundo aquele centro, existiu um “erro na transcrição do resultado” e “afinal a criança não estava infetada”. A mesma instituição refere que, face ao plano de contingência, todas as pessoas que estiveram em contacto com a criança foram imediatamente colocadas em isolamento, tanto adultos como crianças.

“Felizmente tivemos hoje a notícia que se tratou de um erro, mas não estamos livres de que isto possa acontecer no futuro”, avisa a instituição.

Face a este volte-face, a cresce reabriu esta quinta-feira “no horário habitual”, para voltar “a funcionar dentro da normalidade possível”.

Continuar a ler

Ave

Criança infetada encerra sala de infantário em Famalicão

Covid-19

em

Foto: Ilustrativa / DR

Um caso de covid-19 numa criança levou ao encerramento de uma sala da Creche e Jardim Infantil D. Elzira Cupertino de Miranda, em Louro, Famalicão.

De acordo com a rádio Cidade Hoje, que avança a notícia, caso registou-se na sala para crianças de cinco anos, que foi a única a ser encerrada.

O caso foi comunicado à instituição pelos pais do menino infetado todas as crianças da sala estão em casa de quarentena, não manifestando, até ao momento, qualquer sintoma.

A presidente da instituição explicou à Fama TV que a criança em causa faltou na segunda-feira e que no dia seguinte os pais comunicaram que o filho tinha testado positivo para a covid-19, depois de apresentar alguns sintomas.

As crianças da referida sala vão agora cumprir uma quarentena de 14 dias, assim como a educadora e a auxiliar.

Ainda de acordo com a Fama TV, as profissionais vão realizar teste de despistagem, já as crianças, se continuarem a não apresentar sintomas, só serão testadas quando regressarem à creche.

Entretanto, a instituição desinfetou todos os seus espaços.

Continuar a ler

Populares