Seguir o O MINHO

Alto Minho

Dois feridos graves após violento despiste contra árvore em Valença

EN 201

em

Foto: DR

ATUALIZAÇÃO


Morreu uma das vítimas de despiste contra árvore em Valença

Duas pessoas sofreram ferimentos graves na sequência de um despiste contra uma árvore, ao início da noite deste sábado, em Valença, disse a O MINHO fonte dos bombeiros.

O despiste ocorreu na Estrada Nacional 201, no lugar de Passos, freguesia de Cerdal.

No local estiveram os Bombeiros de Valença com cinco viaturas e doze operacionais, apoiados pelo INEM através da ambulância de Suporte Imediato de Vida de Valença e da VMER de Viana do Castelo.

Segundo a Agência Lusa, citando fonte da GNR, os feridos ficaram em estado grave.

Pelas 21:30, a circulação na EN 201 na zona de Cerdal estava cortada nos dois sentidos.

Duas patrulhas da GNR estiveram no local para orientar o trânsito e registar a ocorrência.

O alerta foi dado às 20:49.

Anúncio

Viana do Castelo

Junta de Darque, em Viana, pede voluntários para ajudar a limpar tanques comunitários

Em Salgueirinhos

em

Foto: DR

A Junta de Freguesia de Darque, em Viana do Castelo, está à procura de voluntários para ajudar na limpeza de tanques comunitários situados na freguesia, que se encontram em estado de semi-abandono.

Numa breve nota publicada nas redes sociais, o executivo da autarquia deixa um “convite” à população para aquilo que apelida de uma “importante ação de voluntariado”.

A ação consiste na limpeza dos tanques de lavar situados em Salgueirinhos, que outrora serviram para a comunidade darquense usufruir das suas funções de limpeza e lavagem.

De acordo com a mesma nota, a concentração de voluntários deve ser feita pelas 09:00 horas do próximo sábado, dia 14 de novembro, e deverá levar grande parte da manhã.

Continuar a ler

Alto Minho

Caminha: ‘Ferryboat’ vai parar nos fins de semana de recolher obrigatório

Estado de emergência

em

Foto: Divulgação / CM Caminha

O ‘ferryboat’ que liga Caminha, no Alto Minho, a A Guarda, na Galiza, vai parar no sábado às 13:00 e todo o dia de domingo, assim como no fim de semana seguinte, para cumprir o recolher obrigatório.

Em comunicado, a Câmara de Caminha justificou a interrupção da atividade da embarcação com a necessidade de serem “as autoridades municipais a dar o exemplo do cumprimento da legislação”.

“Tendo presentes as últimas decisões do Conselho de Ministros que deram conteúdo prático e legal ao estado de emergência que o país vive, e tendo em conta que Caminha é um dos 121 concelhos com risco elevado de infeção e por isso está especialmente abrangido por estas decisões, em especial as mais gravosas, o ‘ferryboat’ que faz a travessia entre Caminha e A Guarda vai interromper a atividade nos dias 14, 15, 21 e 22 de novembro, a partir das 13:00”, sustenta a nota.

O ‘ferryboat’ internacional esteve parado entre os dias 30 de outubro e 03 deste mês, na sequência da proibição, pelo Governo, de circulação entre concelhos portugueses.

Na ocasião, em comunicado, a autarquia justificou a interrupção do serviço pelo facto “de o ‘ferryboat’ realizar uma travessia que vai além do concelho de Caminha”.

O ‘ferryboat’ Santa Rita de Cássia começou a cruzar o rio Minho em 1995.

Caminha é único concelho do vale do Minho que depende do transporte fluvial para garantir a ligação regular à Galiza. Vila Nova de Cerveira, Valença, Monção e Melgaço dispõem de pontes internacionais.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.275.113 mortos em mais de 51,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 3.103 pessoas dos 192.172 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Câmara cede três viaturas ao Hospital de Viana para cuidados de saúde domiciliários

Covid-19

em

Foto: Divulgação / CM Viana do Castelo

A Câmara de Viana do Castelo cedeu temporariamente três viaturas à Unidade Local de Saúde do Alto Minho para assegurar a prestação de cuidados de saúde domiciliários à população do concelho, foi hoje divulgado.

Em comunicado, a autarquia adiantou que a cedência das três viaturas foi formalizada através de um protocolo assinado pelas duas entidades, sendo que a iniciativa integra o projeto “Saúde Mais Próxima”.

Os veículos “foram entregues na terça-feira e estão já disponíveis para a realização de cuidados domiciliários nos centros de saúde onde se efetuou a reabertura de extensões de saúde, nomeadamente Centro de Saúde de Viana (Extensão de Lanheses) e Centro de Saúde de Darque (Extensão de Saúde de Castelo do Neiva, Chafé, Vila Franca e Moreira de Geraz)”.

Em outubro, numa parecia entre o município e a ULSAM, começaram a reabrir as 10 extensões de saúde do concelho. Faltam entrar em funcionamento três, na margem esquerda do rio Lima: a extensão da vila de Alvarães, prevista para o final deste mês, e duas nas freguesias da zona norte do concelho, Afife e Carreço.

O protocolo agora assinado entre a autarquia e a ULSAM “reconhece o interesse municipal na abertura das diversas extensões de saúde, pela importância que estas infraestruturas têm na prestação de cuidados de saúde de proximidade, pelo facto de a permitirem aumentar o número de infraestruturas que assegurem a prestação de cuidados de saúde”.

“A abertura das extensões de saúde impele para uma necessária disponibilidade de viaturas para o restabelecimento de atividade domiciliária, que atualmente a ULSAM não consegue assegurar tendo em consideração o estado pandémico que o país atravessa e ao qual o município vianense não é alheio”, sustenta o documento.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.263.890 mortos em mais de 50,9 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 3.021 pessoas dos 187.237 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Continuar a ler

Populares