Seguir o O MINHO

Região

Desmantelada rede de tráfico com 12 membros que operava a partir de Barcelos

Cabecilhas ouvidos hoje em Viana do Castelo

em

Foto: GNR

Iam comprar, todos meses, drogas à Galiza, Espanha, que depois vendiam em Braga, Guimarães e Alto Minho. O Núcleo de Investigação Criminal da GNR dos Arcos de Valdevez deteve, quarta-feira, ao raiar do dia, quatro membros de uma rede de tráfico, com idades entre os 30 e os 40 anos, que operava a partir de Barcelos e apreendeu-lhes dez quilos de haxixe, escondidos em casa do pai de um deles.


O advogado João Ferreira Araújo, de Braga, que defende o suposto mentor do grupo, disse a O MINHO que os dois alegados cabecilhas da rede serão ouvidos hoje no Tribunal de Viana do Castelo. Ontem, estiveram nas instalações judiciais, mas os magistrados não conseguiram ouvi-los.

Quatro detidos e mais de 4.000 doses de droga apreendidas em Barcelos e Guimarães

Os outros dois foram, ontem, interrogados pelo Ministério Público local que lhes aplicou a medida de Termo de Identidade e residência. Ao todo, adiantou o jurista, o inquérito tem 12 arguidos, sendo que oito serão distribuidores a retalho.

Na operação, que decorreu, na quarta-feira, em Barcelos e Guimarães, com 12 buscas domiciliárias, a GNR aprendeu, ainda, cinco veículos, 18 telemóveis, quatro cartões SIM, três balanças de precisão, uma máquina de embalar, um computador portátil, 17.290 euros em numerário e vários documentos e material de corte.

A investigação, iniciada em 2019, concluiu que o grupo procedia à produção e venda de produtos estupefacientes, sobretudo haxixe, mas também cocaína e heroína, ainda que em pequenas quantidades.

A operação contou com o reforço dos Comandos Territoriais de Viana do Castelo, Porto e Braga, da Unidade de Intervenção (UI) e com o apoio da Policia de Segurança Pública (PSP).

Anúncio

Braga

‘Doutores Palhaços’ levam alegria às crianças do Hospital de Braga por videochamada

Visitas estão suspensas por causa da covid-19

Foto: DR

As visitais aos hospitais estão suspensas e a Operação Nariz Vermelho encontrou um método alternativo, para levar alguma alegria às crianças hospitalizadas nos diversos hospitais do país, incluindo no Hospital de Braga, desde a primeira semana de dezembro. À terça-feira, uma dupla de “Doutores Palhaços” interage em tempo real, por videochamada, com as crianças e seus familiares. Desta forma, ao Hospital de Braga já levaram boa disposição e alegria a cerca de 60 crianças internadas.

“Esta visita personalizada por videochamada, efetuada por profissionais competentes e treinados a trabalhar em meio hospitalar, é um momento que transporta os doentes e os seus pais para fora do Hospital, para um convívio onde o riso e a bom disposição estão sempre presentes. Há música, teatro e contam-se histórias”, destaca Almerinda Pereira, diretora do serviço de pediatria do Hospital de Braga, em declarações a O MINHO.

Neste momento pandémico, “as visitas às crianças internadas estão limitadas e as salas de atividades lúdicas não podem ser usadas, por motivos de saúde e segurança. As crianças internadas e os seus pais estão limitados à permanência no quarto hospitalar”, contextualiza Almerinda Pereira. A diretora salienta, ainda, que, “para as crianças e adolescentes internados, e os seus pais, a interação personalizada com os Doutores Palhaços é um momento de lazer muito positivo”.

Em março, a Operação Nariz Vermelho já havia lançado o seu próprio canal de Youtube, “TV ONV”, no intuito de produzir conteúdos de entretenimento da dupla “Doutores Palhaços” e disponibilizá-los, para todas as crianças no país, que no hospital, e devido à pandemia, não podem receber visitas.

A proposta Palhaços na Linha “permitirá aos artistas criar números específicos em cada quarto e com cada criança, ajudando-a a afastar-se, por momentos, da realidade que vive no hospital”, explica Fernando Escrich, Diretor Artístico da Operação Nariz Vermelho, em comunicado enviado a O MINHO.

O Diretor Artístico acrescenta ainda: “Os Doutores Palhaços deram mais uma vez rédea solta à sua criatividade, montaram estúdios nas suas casas para terem cenários incríveis para as videochamadas, e conseguem através delas criar uma proximidade muito maior com a criança, o “olhos-nos-olhos” que não tínhamos desde o início da pandemia”.

Este novo modelo de interação em tempo real já vinha a ser pensado há muito tempo, pela Operação Nariz Vermelho, quando os profissionais compreenderam a importância de haver um contacto mais direto entre os artistas e as crianças, que não dependesse do regresso das visitas presenciais aos hospitais.

Além do Hospital de Braga, serão abrangidos pela iniciativa o Hospital Garcia de Orta (Almada), o Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca (Amadora), o Beatriz Ângelo (Loures), o Hospital do Barreiro, o Hospital D. Estefânia, o Hospital de Santa Maria, o Hospital de Santa Marta, o IPO-Porto, o Centro Hospitalar de Gaia-Espinho e o Hospital Pediátrico de Coimbra.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Hospital de Viana do Castelo com taxa de ocupação de 90% para doentes covid

Covid-19

Foto: DR

O hospital de Viana do Castelo “ajustou a capacidade de resposta ao aumento de casos de infeção pelo vírus SARS-Cov-2 e aumentou, em uma semana, o número de camas para internamento de 35 para 116, revelou hoje o administrador.

“Neste momento, temos atribuídas 116 camas para internamento de doentes com covid-19, fora as 25 camas da Unidade de Cuidados Intensivos, sendo que, no total, a taxa de ocupação rondará os 90%”, afirmou, em declarações à agência Lusa, o presidente do conselho de administração da Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM), Franklim Ramos.

“Não estamos numa situação de crise, caótica, mas estamos com bastantes doentes, reflexo do aumento substantivo da epidemia. Estamos a responder adequadamente. Estamos sempre a reajustar em função das necessidades e não temos a capacidade esgotada”, sublinhou.

O responsável apelou à “confiança da população”, garantindo que a ULSAM “está a responder, ajustando com cuidado, gerindo bem os recursos disponíveis, por ser necessário atenção aos doentes que não estão infetados, mas sofrem outras doenças”.

“O que pedimos à população é que cumpra as normas emanadas pela Direção-Geral da Saúde (DGS). Que cumpra o confinamento geral, que tenha cuidado com a etiqueta respiratória, o distanciamento, que use a máscara. Isso é que é importante, porque esses comportamentos ajudam a reduzir o número de casos ativos e podem aliviar a pressão sobre o hospital”, alertou.

O responsável realçou que, “em termos hospitalares, o serviço de urgência tem respondido adequadamente, e os doentes que carecem de internamento têm sido internados”.

Franklim Ramos manifestou ainda “grande admiração” pelos profissionais de saúde da ULSAM que, “apesar da situação ser difícil, têm ajudado a administração, contribuindo para que o hospital seja capaz de responder à situação atual”.

“Todos os profissionais de saúde da ULSAM têm sido excecionais. A população do Alto Minho pode estar orgulhosa dos seus profissionais de saúde que têm sido extraordinários. Toda a gente tem colaborado de uma forma inexcedível para responder às necessidades que se vão colocando”, destacou.

O presidente do concelho de administração da ULSAM adiantou que a Estrutura de Apoio de Retaguarda (EAR), instalada no centro cultural de Viana do Castelo para receber utentes de lares e doentes com covid-19, tem, atualmente, 15 pessoas internadas.

“A ULSAM, em articulação com a DGS, iniciou no dia 06, numa unidade Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) de Ponte da Barca, o processo de vacinação de utentes residentes em lares do distrito de Viana do Castelo, destacou ainda.

O administrador especificou que “a planificação do processo de vacinação dos utentes residentes em lares aponta para a necessidade de, aproximadamente, 4.800 administrações, entre utentes e profissionais”.

Adiantou que “a continuidade do processo está dependente de orientações da DGS, estando neste momento indicados mais cinco concelhos” do distrito de Viana do Castelo.

A ULSAM é constituída por dois hospitais: o de Santa Luzia, em Viana do Castelo, e o Conde de Bertiandos, em Ponte de Lima.

Integra ainda 12 centros de saúde, uma unidade de saúde pública e duas de convalescença, e serve uma população residente superior a 244 mil pessoas dos 10 concelhos do distrito de Viana do Castelo e algumas populações vizinhas do distrito de Braga.

Em todas aquelas estruturas trabalham mais de 2.500 profissionais, entre eles, cerca de 500 médicos e mais de 800 enfermeiros.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.994.833 mortos resultantes de mais de 93 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 8.543 pessoas dos 528.469 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Continuar a ler

Cávado

Câmara de Esposende apoia 30 associações desportivas com 173 mil euros

Deliberação aprovada por unanimidade

Foto: Divulgação / CM Esposende

A Câmara de Esposende vai apoiar 30 associações desportivas com 173 mil euros, investimento que “reconhece e valoriza o importante papel” dos clubes e que se “reveste de especial relevância” num contexto de pandemia de covid-19, foi hoje anunciado.

Em comunicado enviado à Lusa, aquela câmara explica o apoio, deliberado por unanimidade na reunião do executivo autárquico desta semana, por estar “ciente das dificuldades e dos recentes desafios com que as associações e os clubes desportivos se deparam”.

Este apoio financeiro será feito de “forma concertada, transparente e equilibrada” e é “reflexo do trabalho conjunto e permanente que vem sendo desenvolvido com as diversas instituições na promoção e afirmação dos valores sociais e desportivos na sociedade”, refere a autarquia.

Com esta ajuda, “o município reconhece e valoriza o importante papel que os clubes desempenham na promoção de estilos de vida saudável em contexto competitivo e de lazer, através das mais variadas dinâmicas desportivas, sociais e educativas”.

“Este é o património que não queremos que a pandemia de covid-19 destrua, razão pela qual continuamos a apoiar os agentes desportivos do concelho, de modo a que possam garantir a continuidade das suas atividades neste contexto adverso”, afirma, citado na nota, o presidente da Câmara, Benjamim Pereira.

Na presente época desportiva o apoio municipal será repartido pela Associação Desportiva de Esposende, Clube Náutico de Fão, Clube Futebol Fão, Hóquei Clube de Fão, Associação Juvenil Desportiva Fintas – Núcleo Esposende, Gandra Futebol Clube, Grupo Cultural Desportivo Recreativo de Gemeses, Futebol Clube de Marinhas, Desportivo e Recreativo Estrelas de Faro, Centro de Intervenção Cultural e Social de Palmeira de Faro – Esposende Surf Team e Centro Social Juventude de Mar, Rio Neiva – Associação de Defesa Ambiente.

O apoio contempla ainda a União Desportiva de Vila Chã, Forjães Sport Clube, Centro Social Juventude Belinho, Associação de Karaté de Apúlia, Taekwondo Clube de Esposende, Clube Hípico do Norte, Equivau, Grupo Desportivo de Apúlia, Bushido AK Esposende, Núcleo Escolar Federado da Escola Básica António Correia Oliveira, Forum Esposendense – Centro Surf de Esposende, Associação Rio, Terra e Mar, Antas Futebol Clube, Associação Desportiva Recreativa Cultural Fonte Boa e Clube Golfe Braga – Quinta da Barca.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.994.833 mortos resultantes de mais de 93 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 8.384 pessoas dos 517.806 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Continuar a ler

Populares