Seguir o O MINHO

Viana do Castelo

Criação artística de Madalena Martins alerta para a “plastificação” do planeta em Viana

Designer de Ponte de Lima volta a trabalhar na instalação com reclusos da cadeia da cidade, como já havia feito na Noite Branca, em Braga, e noutras obras. Inauguração de “Natureza em Suspenso” é no próximo sábado

em

Fotos: Facebook de Madalena Martins (Arquivo)

Chamar a atenção de quem passa pela praça central do centro comercial de Viana do Castelo, provocando uma reflexão sobre a “plastificação” do planeta, é o repto de uma instalação artística a inaugurar no sábado.

Denominada “Natureza em Suspenso”, de Madalena Martins, a obra vai descer do teto da praça central do centro comercial para interromper o quotidiano do consumidor.

Ali, em “suspenso”, a criação da ‘designer’ apela a uma reflexão sobre o excesso da presença de plástico que “começa a estar muito presente nas consciências”.

A criação artística vai começar a ser montada esta semana e vai ser inaugurada no sábado, pelas 16:00. Antes, no contentor transformado em oficina, instalado nas traseiras do estabelecimento prisional da cidade, é preciso ultimar a obra.

As mãos de Madalena Martins e de mais cinco reclusos, juntas, trabalham nos acabamentos de uma “Natureza em Suspenso” que vai sair para a “liberdade” e visa espalhar um “alerta” ambiental.

“Liberdade também é construir uma floresta dentro de uma prisão”, disse a artista, que há muito que trabalha com reclusos de vários estabelecimentos prisionais do país, mas não poupa elogios à “equipa fantástica” da prisão de Viana do Castelo que a ajudou, “ramo a ramo”, “flor a flor”, a criar a instalação.

A ilusão de “um bonito jardim, muito florido e colorido” irá despertar a atenção, mas a “primeira imagem” desaparecerá a um olhar atento. Afinal, o jardim tem “flores falsas, de plástico, colocadas nas extremidades de 33 árvores, reesculpidas com galhos, invertidas e de tom pálido, como que sufocadas, com a mesma matéria que tem vindo a sufocar o mar”.

“A ideia principal de criar uma instalação artística é proporcionar prazer no olhar, mas que nos faça pensar numa coisa que é triste. Contribuir para que o problema do plástico, que já está muito presente na nossa consciência, seja lembrado a partir de algo que é estético, bonito e poético”, explicou a ‘designer’ Madalena Martins.

O mesmo princípio de “inquietação” aplica-se ao nome da instalação artística “Natureza em Suspenso”.

A artista pretende também chamar a atenção para “o problema da plastificação dos oceanos”, que “é muito real e parece estar em suspenso”. “Será que o ser humano não conseguirá mais resolver [o problema], ou não? Faz pensar”, sublinhou.

O processo criativo da ‘designer’ partiu do desafio de uma cidade que, em maio, se veste de flores num programa municipal de valorização estética e ambiental da cidade. Ao Viana Florida, que a Câmara local promove há seis anos, juntou-se o Pulsar Viana, o projeto cultural que a dona do ‘shopping’ – Sonae – iniciou há quatro anos para divulgar a cultura e os costumes da região.

Das podas das árvores dos jardins de Viana do Castelo e do plástico recolhido nas praias do concelho, nasceu a obra de Madalena Martins.

Primeiro foi preciso selecionar a matéria-prima. Colaboraram os jardineiros da autarquia, o Centro de Monitorização e Interpretação Ambiental, a Resulima, empresa que gere o aterro sanitário do Vale do Lima e Baixo Cávado, e o próprio centro comercial.

A produção envolveu a direção, funcionários e guardas prisionais do estabelecimento prisional. A arte e engenho dos reclusos André Ribeiro, Bruno Azevedo, José Araújo, José Pinto e o João Rocha deu forma às 33 árvores e fez nascer dezenas de flores de lixo plástico.

“Saber que fomos nós que fizemos é gratificante”, disse Bruno Azevedo, que durante um mês passou do interior da prisão para o contentor oficina e, com serrotes, martelos e berbequins, ajudou a criar arte.

Aos 34 anos admitiu que “não estava muito consciente” para o problema do plástico e que com o trabalho de Madalena Martins aprendeu o verdadeiro significado de reciclagem.

“Há vários projetos que se podem iniciar com coisas que pensávamos que não tinham utilidade”, disse Bruno, de Braga.

José Araújo, 54 anos, não esconde o “orgulho” de, com o seu trabalho, “poder ajudar a sensibilizar as pessoas a não deitarem tanto plástico fora”.

“Quando começamos dei comigo a pensar. Deitámos muito plástico fora”, referiu, olhando para o resultado de um trabalho de “muita paciência”. Vai começar a ser instalado esta semana no centro comercial e, desabafa José: “Interessante era poder ver o efeito que vai dar”.

A “Natureza em Suspenso” vai estar em exposição até ao dia 30 de junho.

EM FOCO

Populares