Seguir o O MINHO

Alto Minho

Melgaço: Cerco sanitário mostra a Parada do Monte que nem o “cantinho” está a salvo

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

*** Reportagem de Andrea Cruz, da agência Lusa ***

O cerco sanitário em torno da aldeia de Parada do Monte despertou os 370 habitantes para uma “realidade” que não imaginavam ser possível, por viverem num “cantinho” do concelho de Melgaço que julgavam “guardado” da covid-19.

O “pesadelo” começou na segunda-feira, com a confirmação de um casal de idosos infetados com o vírus da covid-19 e transformou-se “numa coisa do outro mundo” com o terceiro caso e a consequente imposição do cerco sanitário decidido na quarta-feira pela Câmara de Melgaço, no distrito de Viana do Castelo, para conter a propagação da doença.

“Ninguém imaginava uma coisa destas. Isto é uma coisa do outro mundo. E no concelho de Melgaço, infelizmente somos nós os primeiros”, desabada Helena Barreiros.

Aos 48 anos, dona de uma mercearia da aldeia, “nunca” imaginou “estar a viver um pesadelo” que sempre pensou ser impensável em Parada do Monte.

“Aqui nunca na vida vai chegar, pensava eu. Afinal de contas chegou mais depressa do que o que nós imaginávamos. Pensávamos que estávamos num cantinho, aqui guardados. Mas chega a todo o mundo, e não é por estamos mais desviados dos centros que somos poupados”, afirmou.

No segundo dia em cerco sanitário, que a população “assustada” e com “medo” caiu “numa realidade” que, alertou Helena, deve “servir de lição a muitas aldeias que agora têm de ter o máximo de cuidado”.

“Estamos assustados, temos medo, mas estamos a cumprir. Isto vai a todo o lado, infelizmente”, referiu.

Numa aldeia “com mais de 50% de idosos”, os 88 anos de Prazeres Esteves colocam-na no grupo de risco. Longe dos dois filhos, ambos emigrantes em França, e dos cinco netos, Prazeres sente-se “sozinha e assustada”, “fechada na casinha” onde criou a família, “sem a ajuda” do marido, que “morreu cedo”.

“Sinto-me sozinha, mas que remédio eu tenho. Claro que estou assustada. Estou bastante assustada porque a gente tem medo, não é? Porque o mundo está tão mal. Ai Jesus senhor”, lamentou.

Além dos telefonemas do presidente da União de Freguesias de Parada do Monte e Cubalhão, Prazeres fala com a família que “não deixam passar para cá”.

“Vou falando com a família toda. Ainda de manhã falei com uma neta. Telefonam-me todos os dias, coitadinhos. Gostam muito de mim. Queriam ter a avó, mas agora não podemos ir lá, não os deixam passar. É um problema”, desabafou a idosa.

Não tem problemas de saúde, “por ora”, não lhe falta comida, porque tem a “arca cheia”, e remédios estão garantidos.

No terreno, “atento ao que faz falta”, anda um grupo de voluntários criado pelo autarca Ricardo Alves, pelo padre e alguns paroquianos para “cuidar e ajudar os velhotes, com a mercearia e medicamentos”.

Desde quarta-feira que o presidente da Junta faz rondas pelos mais de 27 quilómetros quadrados da aldeia para se certificar que “está tudo a correr bem”.

“Neste momento, estão todos a cumprir. Parece uma freguesia pós-apocalipse. Está tudo com medo. As pessoas estão assustadas, mas estão a cumprir para conter o vírus”, referiu.

Hoje, durante a “volta” pela aldeia, Ricardo Alves parou para lançar um olhar sobre os campos da aldeia e sentiu “um arrepio”.

“É uma freguesia onde as pessoas ainda vivem muito da agricultura e estamos no tempo forte desta atividade. Agora vê-se tudo parado, tudo com medo de sair à rua”, desabafou.

Na aldeia continuam a funcionar duas mercearias e uma padaria. As portas de empresas encerraram e o café da terra fechou. As conversas que aí se faziam até há pouco tempo são agora à distância e “à moda antiga”.

Helena, dona de uma das duas mercearias, é vizinha do presidente da Junta e, entre eles, o diálogo fica à distância dos quintais de casa de cada um. Mas há também quem comunique de “varanda para varanda ou até de janela para janela”.

“Aqui há sempre um vizinho com quem falar. Como nos conhecemos todos uns aos outros, damos apoio uns aos outros, se bem que agora à distância. Comunicamos entre nós cumprindo as regras de segurança”, reforçou, esperançada de que esteja “próximo o dia em que acordar de manhã e o pesadelo não tenha passado disso mesmo, um pesadelo”.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais 480 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 22.000.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, registaram-se 60 mortes, mais 17 do que na véspera (+39,5%), e 3.544 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, que identificou 549 novos casos em relação a quarta-feira (+18,3%).

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril.

Anúncio

Alto Minho

Primeiro utente infetado em lar da Misericórdia de Viana do Castelo

Covid-19

em

Foto: DR

A provedora da Misericórdia de Viana do Castelo disse hoje à Lusa que um utente com cerca de 90 anos, residente num dos dois lares da instituição, que se escudou a identificar, está infetado com covid-19.

“Temos um caso num dos nossos lares. A situação está controlada. As funcionárias estão em regime de internato. Não queremos identificar o lar em questão, por estarmos a contactar as famílias para as informar da situação sem criarmos alarmismos”, afirmou Luísa Novo Vaz.

Na cidade de Viana do Castelo, a Misericórdia tem os lares de Santiago e de Nossa Senhora da Piedade.

Segundo números adiantados pela provedora da Santa Casa da Misericórdia de Viana do Castelo, um dos lares acolhe 54 utentes e tem “ao serviço, em regime de internato, seis funcionários, sendo que há trabalhadores em quarentena”.

No outro residem 40 idosos, sendo os funcionários estão a trabalhar, alternadamente, em duas equipas compostas por cerca de 10 a 12 trabalhadores”.

“Está tudo controlado. A Segurança Social vai facultar-nos os recursos humanos e também estamos a contratar pessoal”, referiu

Luísa Novo Vaz adiantou o “despiste de utentes e funcionários já começou e até sexta-feira deverão estar todos os testes realizados”.

“Desde o início de março que ando a pedir junto das autoridades de saúde que os nossos residentes e funcionários fossem testados, mas, como está a acontecer em todo o lado, há muita dificuldade em conseguir testes”, adiantou.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou cerca de 1,4 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 80 mil.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até ao final do dia 17 de abril, depois do prolongamento aprovado na quinta-feira na Assembleia da República.

Continuar a ler

Alto Minho

Centro de rastreio em Viana do Castelo fez mais de 500 testes em nove dias

Covid-19

em

Centro de Rastreio Drive Thru em Viana. Foto: Divulgação / CMVC

O centro de rastreio em regime de ‘Drive Thru’ instalado em Viana do Castelo efetuou, desde 30 de março e até hoje, 531 testes de despiste da covid-19, disse o presidente da Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho.

Em declarações à agência Lusa, José Maria Costa congratulou-se com a atividade daquela estrutura, que “realiza, em média, por dia 76 testes”, por “aumentar a capacidade de resposta do distrito de Viana do Castelo no combate à pandemia de covid-19”.

Na capital do Alto Minho, aquela estrutura está montada no parque da Escola Superior de Saúde (ESS) em Viana do Castelo, funciona todos os dias entre as 09:00 e as 17:00, disponibilizando o diagnóstico móvel para a recolha de exames a pacientes referenciados e com prescrição pelo médico de Medicina Geral e Familiar do Centro de Saúde e cujos resultados demoram entre 24 a 48 horas.

“Esta resposta veio minimizar as necessidades de despistagem de covid-19”, destacou.

José Maria Costa, que é também presidente da Câmara de Viana do Castelo, destacou ainda “a entrada em funcionamento de outros dois centros de rastreio no Alto Minho. Na segunda-feira, abriu um ‘Drive Thru’ em Ponte de Lima e, na terça-feira, em Valença”.

“Estes dois centros vão também aumentar a capacidade de despistagem de covid-19 em toda a região do Alto Minho. Estamos satisfeitos porque a sua entrada em funcionamento veio minimizar o impacto da doença e estão a corresponder às expectativas dos autarcas da região”, referiu.

José Maria Costa adiantou que a instalação dos centros de rastreio de Viana do Castelo, Ponte de Lima e Valença resulta de um pedido da CIM do Alto Minho junto do Ministério da Saúde e da Administração Regional de Saúde do Norte (ARS-N), em articulação com a Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM) e o Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC).

Nestes centros de modelo ‘Drive Thru’, “os pacientes referenciados deslocam-se dentro do seu veículo ao ponto de recolha sem entrar em contacto com outras pessoas, reduzindo assim o risco de infeção em cada colheita”.

A ULSAM é constituída por dois hospitais: o de Santa Luzia, em Viana do Castelo, e o Conde de Bertiandos, em Ponte de Lima. Integra ainda 12 centros de saúde, uma unidade de saúde pública e duas de convalescença, e serve uma população residente superior a 244 mil pessoas, contando com 2.500 profissionais, entre os quais 501 médicos e 892 enfermeiros.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou cerca de 1,4 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 80 mil.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, segundo o balanço feito na terça-feira pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 345 mortes, mais 34 do que na véspera (+10,9%), e 12.442 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 712 em relação a segunda-feira (+6%).

Continuar a ler

Alto Minho

Mais 15 ventiladores para Viana do Castelo

Covid-19

em

Foto: DR

A Unidade de Saúde do Alto Minho estimou hoje para o final de abril a chegada dos 15 ventiladores que encomendou e apontou para a próxima semana a abertura de nova área para receber doentes com a covid-19.

Contactada pela agência Lusa, fonte do conselho de administração da Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM), adiantou que 10 daqueles equipamentos foram encomendados em meados em março a uma empresa portuguesa, “mas [a encomenda] não chegou”, adiantando que a Liga dos Amigos do Hospital de Viana do Castelo (LAHVC) doou 100 mil euros para ajudar a custear os aparelhos”.

Os restantes cinco ventiladores também deverão chegar ainda este mês, disse.

Sobre a abertura da nova área para receber doentes infetados, prevista para terça-feira no piso de especialidades cirúrgicas, a fonte da administração hospitalar adiantou “estar a ser ultimada a instalação de equipamento, estimando a sua entrada em funcionamento durante a próxima semana” e garantindo “não existir uma necessidade urgente” do novo espaço.

A ULSAM explicou que, no âmbito da pandemia, “foram reavaliados e reorganizados os recursos humanos”, sendo que, “neste momento, apesar de alguns profissionais de saúde estarem ou de baixa ou suspeitos de ter contraído a doença, os funcionários que estão disponíveis asseguram os serviços urgentes de toda a estrutura”.

Também, “no imediato”, a ULSAM garantiu ter os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) “suficientes para salvaguardar a segurança de doentes e dos profissionais de saúde, continuando no mercado a adquirir aquele material, que nunca é demais pela incerteza do comportamento e da duração da pandemia”.

A fonte referiu que “tem sido inúmeras as doações que a ULSAM tem recebido” no âmbito da pandemia de covid-19.

A ULSAM é constituída por dois hospitais: o de Santa Luzia, em Viana do Castelo, e o Conde de Bertiandos, em Ponte de Lima. Integra ainda 12 centros de saúde, uma unidade de saúde pública e duas de convalescença, e serve uma população residente superior a 244 mil pessoas, contando com 2.500 profissionais, entre os quais 501 médicos e 892 enfermeiros.

Continuar a ler

Populares