Seguir o O MINHO

Braga

Centro da Cruz Vermelha de Braga já atendeu 10 mil migrantes de 45 nacionalidades

Hoje é o Dia Internacional do Migrante

em

Foto: Divulgação

Desde a fundação há 17 anos, o Centro Local de Apoio e Integração de Migrantes (CLAIM) da Delegação de Braga da Cruz Vermelha de Braga já fez mais de 10 mil atendimentos a pessoas de 45 nacionalidades, foi hoje anunciado.

Os dados foram revelados esta sexta-feira, 18 de dezembro, em que se celebra o Dia Internacional do Migrante e em que a instituição anuncia o lançamento de dos projetos Acolhe+ e InfoMigrante, visando o acolhimento, integração e capacitação de migrantes na comunidade bracarense.

“Queremos mostrar as mais-valias da migração na vida quotidiana das comunidades de acolhimento. Ao dignificar a condição de vida do migrante, geraram-se oportunidades para quem chega e para quem acolhe“, refere Sónia Diz, coordenadora do CLAIM e responsável pelos projetos, citada em comunicado.

Os programas são financiados pelo Fundo para o Asilo, a Migração e a Integração (FAMI), e alinhados com o Plano Estratégico para Migrantes do Governo.

Segundo a responsável, o Acolhe+ e o InfoMigrante “valorizam o papel do migrante na construção de uma sociedade mais digna e promotora de uma cidadania ativa e participada, sedimentada em valores humanistas”.

O Dia Internacional do Migrante é assinalado também nas redes sociais da Cruz Vermelha de Braga, com relatos de um refugiado acolhido pela instituição há 2 anos e que hoje estácompletamente integrado social e profissionalmente.

Outro testemunho é de um desportista conhecido, Alan Osório, o ex-futebolista luso-brasileiro, do SC Braga, que fala da sua experiência como migrante em Braga e deixa uma mensagem à comunidade.

Nos próximos dois anos, o CLAIM desenvolve sessões formativas tanto para os migrantes como para os profissionais de diferentes áreas (saúde, educação, serviços públicos e privados) e tecido empresarial.

Entre estas, destacam-se ações de valorização de competências profissionais e académicas, no acesso ao mercado de trabalho, a orientação nos processos de reconhecimento profissional e académico dos migrantes, articulando diretamente com as entidades competentes. Além disso, projeta-se a realização de um festival de Cinema e de interculturalidade e também sessões de sensibilização que possam desmistificar preconceitos e valorizar a diversidade.

Populares