Seguir o O MINHO

Braga

Braga vai ter mais de 500 trotinetas elétricas em abril

Mobilidade

em

Foto: Fernando André Silva / O MINHO (Arquivo)

Braga vai ter, já em abril, mais de 500 trotinetas elétricas disponíveis, de três operadoras. O protocolo com a terceira empresa a atuar no mercado local, a Fastbird Rides Portugal, Lda. foi aprovado, esta manhã, em reunião do executivo.

Em declarações a propósito, o vereador com o pelouro do Espaço Público, João Rodrigues, revelou que, em conjunto com as operadoras, decidiu-se que a retoma do serviço será feita em abril: “Compete ao Município garantir que os bracarenses tenham à sua disponibilidade vários meios de transporte, sendo as trotinetas partilhadas um modelo sustentável e com muitos benefícios para a mobilidade”.

Salientou que os três operadores vão intensificar algumas ligações por toda a cidade, promovendo a mobilidade partilhada e leve nas zonas da Universidade do Minho, Variante da Encosta, INL- Laboratório de Nanotecnologia, centro urbano, zona do Estádio Municipal e outros espaços.

O autarca adiantou que o Município está a trabalhar na aquisição, a título experimental, de uma plataforma de integração de dados, que “permitirá perceber as dinâmicas das viagens dos bracarenses e elaborar estudos para futuros investimentos na mobilidade leve na urbe”.

A entrada de novos agentes no setor – acrescentou – está ligada à recente atribuição do prémio de Melhor Destino Europeu à cidade e é, também, “o reconhecimento da aposta que o Município tem realizado na área da mobilidade”.

A cidade destacou-se – diz – pela criação das “Zonas Vermelhas”, locais em que não é permitida a circulação das trotinetas e de ‘hotspots’ (zonas de estacionamento), outra das marcas distintivas, pois permite uma utilização correta do espaço público e evita os problemas identificados noutros municípios, nomeadamente o estacionamento abusivo e alguns acidentes.

“A aposta na segurança de todos continuará a ser uma marca do Município, através de reuniões periódicas entre autoridades policiais, operadoras e serviços municipais”, assinala a concluir.

Populares