Congresso inovador presidido por dentista de Guimarães já tem 300 inscritos

Teresa Brito e Silva. Foto enviada a O MINHO

Pelo menos 300 pessoas vão participar no 1.º Congresso de Inteligência Artificial na Medicina Dentária: Intelligent Dentistry 2024 (ID2024), que se realiza na Universidade do Algarve, em Faro, disse hoje à Lusa a presidente do congresso.

Organizado pela Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário, no contexto da Pós-Graduação em Medicina Dentária Digital, o congresso conta com palestrantes nacionais e internacionais que vão debruçar-se sobre o contributo da Inteligência Artificial (IA) para o tratamento de pacientes ou a gestão de consultórios, destacou Teresa Vieira e Brito.

Classificado como uma iniciativa “pioneira” em Portugal, a participação “ultrapassou as expectativas” e conta já com cerca de 300 inscritos, número que supera os 250 participantes esperados inicialmente e que ainda pode crescer até ao início do congresso, que tem abertura prevista para sexta-feira e se prolonga até sábado, salientou.

“Este congresso surge não só para divulgar tudo aquilo que se faz e se pensa que se possa fazer na área da Medicina Dentária com a IA, mas também criar limites ou questionar os limites éticos, deontológicos e a relação entre a parte humana e a parte tecnológica”, afirmou a especialista.

Teresa Vieira e Brito considerou que a IA pode “proporcionar um melhor planeamento e tratamento ao paciente” e o Congresso constitui-se como “um passo significativo para a área” e “um passo gigantesco para quem vai beneficiar de tudo aquilo que vai ser falado e tratado” durante o encontro.

“Nós vamos começar com a parte de uns colegas do IDDA, que é uma associação inglesa internacional também na área do digital, e que vai falar daquilo que é o futuro da Medicina Dentária”, antecipou, sobre o primeiro dia do programa, referindo-se à participação dos oradores Adam Nolty e Quintus Van Tonder.

Teresa Vieira e Brito destacou também a participação da portuguesa Margarida Henrique, que vai falar na importância da escolha de cor na Medicina Dentária, e de Fábio Guimarães, que tem empresas de radiologia no Brasil e tem aproveitado a inteligência artificial quer na sua área, quer na gestão de pessoal, de recursos ou do consultório.

“Vamos ter também o André Chen, que é um perito na área da reabilitação oral e vai, no fundo, falar sobre a potencialização das ferramentas nesta área. E depois vamos ter o João Fonseca, que tem um dos maiores laboratórios a nível da área do digital em Portugal”, acrescentou, salientando a importância do trabalho “pioneiro” deste último na implantologia digitalmente guiada.

O primeiro dia termina com Júlio Fonseca, que vai falar sobre as “potencialidades na área que mais domina, que é a área da dor orofacial”, culminando uma jornada com um programa “muito extenso, muito rico” tanto ao nível de gestão, aplicada ao consultório, aos recursos humanos ou à prática nessa vertente, assinalou.

“Depois, no dia seguinte [sábado], temos o Florin Cofar, que é uma referência mundial, quer pela sua habilidade na Medicina Dentária, na área da estética, como também por ser criador, por desenvolver, ferramentas e aplicações, como a ‘Smart Cloud’”, completou.

A especialista aproveitou para frisar a importância do trabalho deste orador “não só para planear o tratamento, como também na relação médico dentista-paciente”, ao ajudar a compreender melhor o que é proposto e qual será depois o seu resultado final.

Teresa Vieira e Brito acredita que estão reunidas as condições para Faro acolher durante dois dias um Congresso sobre a IA na Medicina Dentária “dos melhores que há no mundo” e para a organização lançar as bases de um evento regular no futuro.

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

Ministra da Saúde aceita demissão do diretor executivo do SNS

Próximo Artigo

Hugo Soares "desconhece" contornos do caso que envolve deputado de Barcelos (mas vai falar com ele)

Artigos Relacionados
x