Seguir o O MINHO

Actual

Proteção Civil corrigiu informação sobre alerta no distrito de Braga (leia a atualização)

em

O distrito de Aveiro, e não o de Braga, como disse inicialmente a Proteção Civil, assim como os de Porto e Lisboa, estão, a partir desta quinta-feira, em alerta laranja, o segundo mais grave da escala, face ao maior número de incidências registadas de infeção pelo novo coronavírus, que provoca a doença Covid-19, pelo que apresentam mais riscos e mais casos de infeções.


ATUALIZAÇÃO:

Proteção Civil corrigiu informação sobre alerta laranja no distrito de Braga – afinal, é alerta amarelo

Anúncio

Actual

Presidente do Brasil testa positivo à covid-19

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

Jair Bolsonaro, Presidente da República brasileira, disse esta terça-feira que testou positivo à covid-19, depois de apresentar vários sintomas relacionados com a doença.

Na capital do país, em declarações à imprensa, Bolsonaro admitiu ter testado positivo mas assegura que se sente “perfeitamente bem” e que os sintomas já estarão a desvanecer.

Na segunda-feira, o Presidente disse estar com febre, justificando dessa forma a não interação habitual com os apoiantes que o esperavam junto ao Palácio da Alvorada, em Brasília.

A rádio Band avançou que o Presidente já tinha testado positivo e que foi feito novo exame para servir de contra-análise, que terá também testado positivo.

Bolsonaro apresentava sintomas de febre alta, dores de cabeça, tosse e dores musculares ao longo dos últimos dias.

O Presidente esteve reunido com várias pessoas desde o fim-de-semana, incluíndo com alguns ministros e com o embaixador Norte-Americano em Brasília.

Continuar a ler

Actual

Cidade chinesa emite alerta após detetar caso suspeito de ‘peste negra’

Nível 3

em

Foto: DR / Arquivo

Uma cidade do norte da China emitiu hoje o alerta de saúde de nível 3, o segundo mais baixo, na escala do pais asiático, depois de ter sido diagnosticado um possível caso de peste bubónica, informou hoje a imprensa oficial.

A Comissão Municipal de Saúde da cidade de Bayannur, na região autónoma da Mongólia Interior, revelou que um pastor foi internado num hospital local, onde foi diagnosticado com a doença. O doente permanece isolado e em condição “estável”, segundo a mesma fonte.

O alerta de nível 3 permanecerá em vigor, até ao final deste ano, para prevenir e controlar possíveis surtos de peste bubónica. A escala vai de 1 a 4, o nível um é o mais alto e o quatro o mais baixo.

Também conhecida como peste negra, a doença foi a pandemia mais devastadora registada na história da humanidade, dizimando cerca de metade da população europeia, segundo algumas estimativas.

Em comunicado, o executivo municipal pediu aos cidadãos que fossem mais cautelosos na prevenção do contágio entre seres humanos e exigiu que não consumissem animais que possam causar infeções pela doença.

As autoridades apelaram ainda que sejam relatados casos de pacientes que apresentem febre alta sem motivo aparente ou que morram repentinamente.

A Comissão Municipal de Saúde também pediu aos cidadãos que informem se encontrarem marmotas ou outros animais doentes ou mortos, e lembrou que a caça de animais que podem transportar a doença está proibida.

A menção específica de marmotas pode estar relacionada a dois casos confirmados de peste bubónica na Mongólia, na semana passada.

Nesse caso, dois irmãos foram hospitalizados com a doença, após terem comido carne de marmota.

Estes animais e outros pequenos mamíferos carregam pulgas infetadas com a bactéria yersinia pestis, que causa a peste bubónica e pneumónica.

No caso da peste bubónica, os sintomas geralmente aparecem após um período de um a sete dias e, sem tratamento com antibióticos, a doença apresenta uma taxa de letalidade entre 30% e 60%.

Os três países mais afetados, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), são o Madagáscar, República Democrática do Congo e Peru.

Continuar a ler

Actual

Mercedes recolhe mais de 660 mil veículos em risco de vazar óleo

Em fábricas na China

em

Foto: Ilustrativa / DR

A Mercedes-Benz vai começar a recolher no final deste ano na China mais de 660.000 veículos com risco de vazamento de óleo, fabricados entre 2013 e 2017, e vai substituir gratuitamente peças.

A agência AP, citando um aviso publicado na semana passada no site da administração estatal da China para a regulamentação do mercado, e publicado pela agência oficial de notícias Xinhua, explica que o risco foi detetado na vedação entre a bomba de combustível de alta pressão e o tubo de combustível de baixa pressão, que pode enfraquecer com o tempo e permitir que o óleo vaze quando o motor arranca em clima frio.

A recolha dos 668.954 veículos vai começar em 18 de dezembro e inclui vários modelos fabricados entre fevereiro de 2013 e junho de 2017, incluindo classe C, classe E, classe V, classe  GLK, classe CLS, classe SLC, classe SLC e GLC SUV e veículos VS20 VITO.

A maioria dos veículos foi fabricada na China pela Beijing Benz Automotive, cerca de 12.500 foram construídos pela Fujian Benz Automotive e cerca de 36.000 foram importados.

Continuar a ler

Populares